Menu da Rede

20211024150250 1635096648042 1 1 (1)

Cristiano Ronaldo chuta jogador. E se fosse Neymar?

  • Capa
  • Polêmica
  • A bilionária Luiza Trajano não é Lula, é Boulos!

Colaboração de classes

A bilionária Luiza Trajano não é Lula, é Boulos!

Luíza Trajano é convidada especial de Boulos para dar aula em seu curso

A empresária dona do Magazine Luiza – Arquivo

Receba o DCO no Email

Segundo a coluna de Mônica Bergamo, na Folha de S.Paulo (a mesma que emprega Guilherme Boulos como colunista), a mega-empresária Luíza Trajano, dona do Magazine Luíza, foi convidada especial de Boulos no seu curso “Soluções para o Brasil”, a plataforma KOPE, pertencente ao Instituto para Reforma das Relações entre Estado e Empresa, ligado a think tanks norte-americanos e vinculado com figuras de proa da burguesia brasileira e internacional. Eis o PSOL cada vez mais íntimo da burguesia.

Os dirigentes do PSOL transformaram a acusação de conciliação e reformismo em um verdadeiro cavalo-de-batalha contra o PT. Quando o PSOL foi fundado, essa foi a maneira que os parlamentares do partido, saídos do PT, encontraram para agrupar uma pequena base de esquerdistas de classe média descontentes com o petismo.

Mas essa política não passava de uma demagogia de tipo esquerdista. Quem conhece os personagens e os documentos de fundação do PSOL sabe que o partido nunca passou de um pequeno PT, com a mesma política de conciliação de classes e reformista. A única diferença, e aí sempre residiu a vantagem do PT sobre o PSOL, é que enquanto o primeiro representava uma parcela importante das massas trabalhadoras, o segundo nunca passou de ser a representação minoritária de setores de classe média.

Com o desenvolver da situação política, o PSOL evolui cada vez mais à direita. Se o partido foi fundado sobre a base de um discurso esquerdista, agora até mesmo no discurso esse esquerdismo tem cada vez mais perdido lugar para uma política abertamente oportunista. A entrada de Guilherme Boulos no partido é um marco importante na direitização do PSOL.

Boulos nunca foi um militante do partido, tendo sido filiado ao PSOL no melhor estilo de um partido burguês, para ser candidato à presidência. Uma vez alçado a líder do partido, Boulos leva adiante uma política oportunista, resultado de sua estreita relação com a direita nacional.

Em grande medida, o discurso pseudorradical, contra o reformismo e a conciliação, se transformou em um mero verniz que serve no máximo para confundir os incautos que formam a base do PSOL e dos partidos que estão em sua órbita como o PCB, a UP e em várias ocasiões o próprio PSTU.

Na prática, em que pese o tamanho do PT, o PSOL vem evoluindo de maneira muito rápida a uma política de conciliação de classes, ou, pior ainda, de colaboração direta com a burguesia e o imperialismo. Basta ver a defesa aberta que Freixo (até ontem deputado pelo partido e não à toa tendo entrado no PSB, um partido burguês), Boulos e outros membros do PSOL fazem da frente ampla com a direita, chegando inclusive a participar de reuniões e eventos com membros da direita. As relações de Boulos com a direita golpista são muito claras, só não vê quem não quer. Mais recentemente, a deputada estadual Isa Penna (SP) mostrou que está disposta a tudo para se juntar com a direita ao participar orgulhosamente do ato do MBL e do Vem pra Rua.

No terreno ideológico, Boulos e seu grupo no PSOL, do qual participam Ivan Valente, Isa Penna e Luíza Erundina, defendem uma coisa chamada “revolução solidária”. Mais reformista e conciliador do que isso é até difícil de imaginar. No entanto, isso não impede que, sempre que precisam atacar Lula e o PT, esses psolistas tirem da manga a crítica à conciliação de classes. Uma crítica cada vez mais oportunista e cínica, vinda de um partido que é profundamente conciliador e reformista.

É tão cínica que muitos psolistas haviam acusado Lula e o PT de levarem uma política de colaboração por conta dos boatos de que a mega empresária Luíza Trajano poderia ser vice de Lula. Isso, ao mesmo tempo em que a empresária foi convidada especial para dar aula no curso de Guilherme Boulos, “Soluções para o Brasil”.

Que Lula tem uma política de colaboração, ninguém tem dúvida, mas quem é o PSOL para fazer essa acusação?

Alguém poderia questionar que ser vice é muito diferente do que ser convidada a dar uma aula. De fato, cada coisa de acordo com a força política de cada um. Se Boulos tivesse metade da popularidade de Lula, talvez eles pudessem brigar por tê-la como vice, mas por enquanto, o psolista tem que se contentar com a participação em seu curso.

No entanto, a aula de Luíza Trajano no curso de Boulos é muito mais significativa, porque concreta, do que um boato de que ela poderia ser vice de Lula. A segunda é uma aliança platônica, a primeira já é uma aliança de fato e mostra mais uma vez a estreita relação de Boulos com a burguesia. Até agora, na prática, a mega-empresária está mais para Boulos do que para Lula ─ como está toda a burguesia.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.