Menu da Rede

Forças ucranianas transferem munição ofensiva para Donbass

  • Capa
  • Editorial
  • Xiomara Castro e os limites do nacionalismo

Honduras

Xiomara Castro e os limites do nacionalismo

Convulsão social no país hondurenho deve reconduzir esquerda ao poder, mas acordos com a burguesia entravarão o desenvolvimento nacional

Xiomara Castro – Foto: Reprodução

Receba o DCO no Email

Honduras teve o inglório “privilégio” de sediar o primeiro dos golpes de Estado na América Latina após a crise de 2008. O seu presidente, o líder nacionalista Manuel Zelaya, foi deposto pelas Forças Armadas corrompidas pelo imperialismo. Durante mais de uma década, o povo hondurenho sentiu na pele os ataques vampirescos da política neoliberal, as perseguições e assassinatos de ativistas e líderes sindicais e campesinos e o fechamento do regime, que contou com eleições tuteladas pelos militares golpistas.

No ano de 2021, no entanto, a situação mudou. De forma semelhante ao caso da Bolívia, onde o povo se insurgiu contra o golpe de Estado e obrigou a burguesia a recuar, as massas hondurenhas levaram a crise política a tal ponto que o nacionalismo hondurenho agora está retomando o governo. Pressionado pelo imperialismo, o próprio Manuel Zelaya não concorreu à presidência, mas lançou a candidatura de sua cônjuge, Xiomara Castro, que acabou de derrotar o direitista Nasry Asfura.

Durante o tempo em que os golpistas estiveram no poder, o povo comeu o pão que o diabo amassou. O ódio da população, portanto, é imenso. O povo quer se ver livre dos militares golpistas, da burguesia parasita, dos colaboradores dos norte-americanos e da extrema-direita que é tão bandoleira e assassina como a colombiana ou a bolsonarista. E é por isso que Xiomara conseguiu se eleger: o programa das massas é de varrer o imperialismo para fora de Honduras, de tal modo que a burguesia, seguindo a máxima de ceder os anéis para não perder os dedos, permitiu que a esquerda vencesse as eleições.

Acontece que o programa de Xiomara Castro não é o mesmo programa que o povo precisa. Xiomara Castro é uma liderança do nacionalismo burguês. Um movimento muito poderoso e popular, mas extremamente contraditório. Um movimento que procura conciliar os interesses dos sofridos camponeses hondurenhos com um setor do latifúndio, da incipiente classe operária hondurenha com a burguesia pró-imperialista e sanguinária hondurenha. Por ter um pé cá e outro lá, o nacionalismo burguês, por mais que se radicalize, é incapaz de levar adiante plenamente as reivindicações da classe operária e pobre de qualquer país, pois, para isso, é preciso romper com a burguesia.

O novo governo hondurenho que ainda será empossado já vai dando provas de suas limitações. Uma das condições fundamentais para que a eleição de Xiomara Castro servisse de impulso para a derrota do golpe era a de vir acompanhada de modificações profundas do regime. Entre elas, naturalmente, a mudança da própria Constituição.

A promessa de promulgação de uma Assembleia Constituinte acompanhou toda a campanha de Xiomara Castro. Agora vencedora, no entanto, a esquerda nacionalista hondurenha dá mostras de que não pretende levar adiante a proposta, sobretudo para não infligir os acordos costurados com o setor mais direitista da frente formada para as eleições. Em entrevista recente à emissora russa RT, Zelaya confessou que, ao discutir as alianças com os setores “de centro-direita e direita”, foi indicado que “naquela altura não existiam condições” para convocar a assembleia. “Agora, não é uma proposta atual”, disse Zelaya.

O recuo de Xiomara Castro e Manuel Zelaya só mostra o caráter contraditório do nacionalismo burguês. É preciso, portanto, que a classe operária tenha uma política própria: apoio incondicional ao nacionalismo em sua face progressista, que é o seu conflito com o imperialismo, e organização independente para as suas reivindicações que estão em conflito com o conjunto da burguesia, a fim de romper com ela e edificar um governo dos trabalhadores.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.