Menu da Rede

“Censura não muda a situação da mulher na sociedade”

  • Capa
  • Editorial
  • “Unificou, unificou, é a esquerda junto com privatizador”

2 de outubro

“Unificou, unificou, é a esquerda junto com privatizador”

Juliano Medeiros comemorou anúncio de que a direita quer participar dos atos de 2 de outubro

João Doria – Divulgação/Governo de São Paulo

Receba o DCO no Email

Em um dos maiores escândalos da história recente da esquerda brasileira, a direção do PSOL, em conjunto com a ala direita do Partido dos Trabalhadores e a cúpula do PCdoB, saiu comemorando a “unificação” dos atos Fora Bolsonaro, comandados pelas organizações populares, com o comício eleitoral do PSDB, comandado por João Doria, pelo MBL e pelo Vem pra Rua. Nas redes sociais, Juliano Medeiros, dirigente máximo do PSOL, fazendo alusão a um célebre cântico do movimento estudantil — “unificou, unificou, é estudante junto com o trabalhador” —, escancarou sua alegria: “UNIFICOU! Os partidos de oposição na Câmara – PSOL, PT, PCdoB, PDT, PSB, PV, Rede, Solidariedade, Cidadania – aprovaram agora os dias 2/10 e 15/11 para a realização de grandes mobilizações contra do governo. Agora é ampliar com todos que querem o impeachment!”.

O que de fato foi unificado — se de fato houve alguma “unificação”? Ora, segundo a própria publicação de Juliano Medeiros, trata-se da união do conjunto da esquerda parlamentar — PSOL, PCdoB e PT — com os partidos mais importantes daquilo que é chamado de “direita golpista” — isto é, o núcleo fundamental de partidos envolvidos na derrubada do governo do PT em 2016. Trata-se da unidade, portanto, entre os partidos, dentro do escopo legislativo, que mais foram perseguidos pelo golpe, com os partidos que organizaram o golpe.

O PT, por ser o partido com a maior base operária do País, foi, de longe, o mais atacado. Teve uma presidenta derrubada, vários dirigentes presos, incluindo sua principal liderança, e foi roubado nas eleições presidenciais de 2018. Nesse embalo, o partido perdeu centenas de prefeituras e milhões e milhões de reais. O PCdoB, por sua vez, correu sérios riscos de cair na famigerada cláusula de barreira, precisando se fundir ao PPL para continuar tendo acesso ao fundo partidário. A UNE, entidade sob sua direção, sofreu inúmeros ataques, como a ameaça constante de uma CPI contra seus integrantes e a implementação da carteira de estudante virtual, que causou um prejuízo gigantesco a seus cofres.

O PSOL, embora não seja um partido de longa tradição de esquerda, também foi afetado pelo golpe — ou, pelo menos, seus integrantes que são de fato de esquerda. O partido também escapou por pouco da cláusula de barreira, teve uma vereadora assassinada e está assistindo a um regime que se fecha a cada dia que se passa. Se houver um único militante do PSOL que esteja preocupado em lutar pelos direitos democráticos do povo, em atuar no movimento popular ou mesmo na luta sindical, ele vai se ver confrontado com uma série de obstáculos plantados justamente por essa direita golpista.

Por que essa “unificação” teria de ser comemorada? Por acaso a direita golpista tornou-se menos golpista? Estaria a direita disposta a se “unificar” com a esquerda para reverter o golpe de Estado? Não, e bastam dois exemplos bem recentes para provar isso: a mesma direita golpista aprovou a privatização dos Correios e a PEC da grilagem. Neste sentido, a publicação de Juliano Medeiros deveria ser corrigida para “unificou, unificou, é o PSOL junto com privatizador”. É a esquerda, cujos militante estão comendo o pão que o diabo amassou, de mãos dadas com o diabo.

E não há nada que ver com “remoer” o passado. A privatização dos Correios e a PEC da grilagem são fatos do presente. A direita não quer o apoio da esquerda para que Lula seja presidente, ela tem o seu próprio candidato: o candidato da “terceira via”, que seria alguém mais competente que o próprio Jair Bolsonaro na política de terra arrasada.

Felizmente, a “unificação” não é uma “unificação” real. Quem decidiu apertar a mão de João Doria e seus seguidores foi Juliano Medeiros e meia dúzia de dirigentes que estão completamente desorientados pelo assédio da Folha de S.Paulo. Não há qualquer acordo dos trabalhadores, da base do PT e da CUT, com os picaretas do PSDB.

Por isso, é hora de todos os milhões que compõem o movimento Fora Bolsonaro e não têm compromisso algum estabelecido com a direita golpista erguerem-se contra essa sabotagem criminosa à luta do povo. É preciso repudiar a tentativa de aliança com a direita, exigir que o movimento discuta essa política abertamente e tomar medidas para que a direita não se infiltre nos atos do povo.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.