Menu da Rede

OTAN coloca 15 mil soldados perto das fronteiras da Rússia

  • Capa
  • Editorial
  • Salário mínimo não paga uma cesta básica e 1 tanque de álcool

Salário mínimo da fome

Salário mínimo não paga uma cesta básica e 1 tanque de álcool

Salário mínimo quase não paga uma cesta básica e 1 tanque de álcool

Salário mínimo atual incapaz de suprir as despesas e a dignidade do trabalhador – https://br.freepik.com/fotos-premium/corredor-do-supermercado-com-carrinho-de-compras-vermelho-vazio_7679801.htm

Receba o DCO no Email

Segundo cálculos do DIEESE (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), da última semana, o salário mínimo do brasileiro deveria ser R$ 6.754,33, (calculado para abril de 2022). Este valor (é mais que) cinco vezes maior do que o atual, de R$ 1.212,00.

Tais cálculos são feitos com base no preço da cesta básica – cesta de produtos de necessidade básica, destinada ao consumo mensal de uma família de quatro pessoas. Para este cálculo, é utilizado o valor da cesta em seu preço mais elevado. No caso do mês de abril, a cesta básica mais cara corresponde ao estado de São Paulo: R$ 803,99.

O Dieese também informou que, para comprar a cesta básica, um sujeito deve trabalhar por um tempo médio de 124 horas e 08 minutos, (maior do que o tempo registrado em março, de 119 horas e 11 minutos).

Ao fazer a comparação do custo da cesta e o salário mínimo líquido (aquele obtido após o desconto de 7,5% referente à Previdência Social), nota-se que o trabalhador remunerado pelo piso nacional comprometeu, em média, em abril de 2022, 61% do rendimento para adquirir os produtos da cesta. Isto é maior do que o comprometimento registrado para março, quando o percentual foi de 58,57%. É também maior que o valor obtido para o mesmo mês, no ano passado: quando o salário mínimo era de R$ 1.100,00, o percentual de comprometimento estava em 54,36%.

No sítio do departamento, também se encontra a informações sobre o comportamento dos preços dos principais produtos da cesta básica. Por exemplo, para o mês de abril, considerando 13 produtos que compõem a cesta básica, 12 tiveram aumento nos preços médios na comparação a março: batata (24,15%), tomate (16,09%), óleo de soja (8,29%), feijão carioquinha (7,43%), farinha de trigo (5,78%), arroz agulhinha (4,43%), café em pó (2,52%), pão francês (2,39%), entre outros. Somente a banana apresentou taxa negativa (-0,65%).

É com base nos cálculos do Dieese sobre a cesta básica que o valor do salário mínimo é estabelecido, já que é uma determinação constitucional a premissa de que esta remuneração corresponda ao mínimo valor capaz de suprir as despesas de um trabalhador e de sua família com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência.

O salário mínimo é uma demanda dos trabalhadores e também um direito social conquistado e regulado pelo Estado. Abrange todo o território nacional incluindo trabalhadores rurais e urbanos, servindo de referência para 50 milhões de brasileiros.

A correção do salário mínimo é feita anualmente pelo INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). Os novos valores obtidos devem acompanhar a inflação acumulada no ano anterior, na tentativa de garantir o poder de compra do trabalhador.

Por isso, teoricamente, a subida nos preços dos produtos consumidos pelo trabalhador, deveria estar acompanhada de um aumento no salário mínimo, de modo que a compra do mês não fosse afetada, mas sempre mantida. A maioria dos estados do Brasil segue o valor de salário mínimo decretado pelo Governo Federal, e uma minoria, segue um piso que eles próprios estipularam.

Sobre a alta dos preços, vale destacar a disparada do valor dos combustíveis, que alavancam uma alta geral nos preços dos demais produtos, tornando a inflação também elevada. Quem é que consegue encher o tanque, hoje em dia?

Com o salário mínimo estabelecido pelo governo e a alta dos preços dos produtos de diversas naturezas, seja da cesta básica, ou do combustível do carro, fica inviável que o povo consiga manter seu poder de compra e sustente sua família. Como resultado, a miséria, a fome, a violência, aumentam.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.