Menu da Rede

Com 4 campões Brasil chega a domínio histórico no UFC

  • Capa
  • Editorial
  • Os trabalhadores não devem aceitar a imposição de Alckmin vice

Receita para a derrota

Os trabalhadores não devem aceitar a imposição de Alckmin vice

Centrais pelegas e de brinquedo, uma máfia a serviço dos golpistas, decidiram se rastejar aos pés do criminoso ex-governador de São Paulo

Geraldo Alckmin – Foto: Reprodução

Receba o DCO no Email

Por mais que a presidenta nacional do PT, Gleisi Hoffman, tenha dito, no programa Giro das 11, na TV 247, que “não há nenhuma discussão no partido sobre o vice para Lula”, o assédio da burguesia em torno do nome de Geraldo Alckmin (PSDB) é monumental. Nascida de uma fofoca da Folha de S.Paulo, a possibilidade de aliança entre Alckmin e Lula chegou, ao fim desta semana, como um dos assuntos mais comentados da política nacional.

Da direção do PT e do próprio Lula, não houve qualquer confirmação de que Alckmin teria sido escolhido como o candidato a vice do petista para as eleições de 2022. Não houve, contudo, qualquer refutação enfática, o que só fez com que os articuladores da “frente ampla” entrassem em ação e ganhassem terreno.

O PSB, partido indicado pela burguesia para servir de guarda-chuva para Alckmin, deu várias declarações no último período demonstrando a sua empolgação com a suposta aliança. Alckmin, falido politicamente, não esconde que quer faturar em cima do prestígio de Lula. E como se não bastasse o assédio da imprensa burguesa, do PSB e de Alckmin, a máfia das chamadas “centrais sindicais”, composta por um conjunto de grupelhos que se opõem à CUT e que se dedicaram a referendar toda a política da direita golpista nos últimos anos, já embarcou na campanha pró-Alckmin.

Pisando na cabeça dos trabalhadores que essas centrais de brinquedo dizem representar, Força Sindical, CTB, UGT e outras se reuniram com o ex-governador de São Paulo. A reunião é uma espécie de aval: Geraldo Alckmin pode vir para o PSB e ser vice de Lula que as organizações que “representam” os trabalhadores o irão apoiar.

Felizmente, esses senhores, que muito se assemelham aos caciques das legendas de aluguel, não expressam em nada o sentimento das massas. O fato de que a CUT não participou do encontro não é puro acaso: as suas bases, que são filhas de um movimento operário poderoso e pulsante, estão radicalizadas e não vão aceitar uma traição como essa. Ciro Gomes, que é apresentado como “centro-esquerda” pela imprensa golpista, foi vaiado e hostilizado no ato de 2 de outubro por essas bases. Já o PSDB, que é a face mais bem acabada do golpe de Estado de 2016, apanhou dos aguerridos militantes da CUT.

A essa altura do campeonato, já não é possível negar que há uma campanha dos donos do golpe — a Rede Globo, os monopólios e os banqueiros — para impor Alckmin à candidatura de Lula. O objetivo, ao contrário do que creem os mais incautos, não é chegar a um “acordo” com Lula, pois isso equivaleria a um acordo com as massas, que são incapazes de aceitar qualquer acordo que o imperialismo queira fazer. O objetivo é colocar um embuste, um cidadão odiado por todo o País, para que, assim, os trabalhadores desistam de lutar pela candidatura de Lula. Afinal, se é para repetir, de forma piorada, o desastre de 2014, quando Michel Temer foi escolhido de vice, por que o povo sairia às ruas como o saiu o povo insurrecto do Chile em 2019?

É papel da esquerda e de todas as organizações da classe operária, portanto, travar uma luta no sentido oposto. Se a burguesia está usando os seus meios para impor Alckmin, é preciso que os trabalhadores encontrem os meios para fazer uma campanha ainda mais poderosa contra esse farsante, genocida, capacho dos banqueiros e amante da repressão. É preciso ir de porta em porta, estampar sua cara em milhões de panfletos e gritar no carro de som: “Fora Alckmin golpista! Por um governo dos trabalhadores, com Lula presidente e vice trabalhador!”.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.