Menu da Rede

Bolsonaro lança Programa Habitacional: Minha Casa, Minha Milícia

  • Capa
  • Editorial
  • O voto impresso é um direito democrático dos eleitores

Editorial

O voto impresso é um direito democrático dos eleitores

O voto impresso é uma garantia para os eleitores e dificulta a fraude. Somente o Brasil e alguns locais dos EUA, França e Namíbia rejeitam o comprovante em papel.

Acreditar na inviolabilidade das urnas eletrônicas é o mesmo que crer em contos de fadas. – Reprodução

Receba o DCO no Email

Os partidos burgueses tradicionais (PSDB, MDB, DEM, Progressistas, Republicanos, PTB, SD, PSL ,PL), o conjunto da imprensa capitalista e as instituições políticas e jurídicas do Estado capitalista (STF, TSE, Congresso) levam adiante uma campanha em favor das urnas eletrônicas como garantidoras da lisura do processo eleitoral. A esquerda pequeno-burguesa, como sempre, entra de cabeça nessa campanha e fica a reboque da política que corresponde aos interesses da burguesia.

A classe dominante tem na democracia seu principal sistema de dominação política sobre o povo. Contudo, essa dominação tem de aparecer como fruto da vontade do próprio povo. Os políticos burgueses – todos inimigos da população explorada -precisam se apresentar como  “democraticamente eleitos”. É como se o povo escolhesse de livre e espontânea vontade seus carrascos e opressores. É preciso que as eleições sejam fraudulentas e o direito de sufrágio desfigurado, porém sem que venha a público e fique claro de que se trata de um jogo de cartas marcadas.

O voto impresso é uma polêmica do momento no País. O presidente fascista Jair Bolsonaro (ex-PSL, sem partido) procura levantar hipóteses de fraudes eleitorais através das urnas eletrônicas. Para ele, o voto deve ser impresso e as urnas auditáveis sob alegação de que é preciso garantir a lisura e transparência. Faz sentido que Bolsonaro conheça sobre fraudes, uma vez que ele mesmo é fruto da fraude eleitoral. Em 2018, em plenas eleições presidenciais, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) cassou 3,5 milhões de títulos eleitorais no Nordeste, criou uma nova legislação a toque de caixa sem passar pelo Congresso e a Operação Lava Jato prendeu o então primeiro colocado em todas as pesquisas eleitorais, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Bolsonaro está longe de ser um político com preocupações democráticas. Pelo contrário, ele é um fascista e inimigo do povo. No entanto, por força de interesses próprios, ele defende o direito do voto impresso, o que o coloca em contradição com a posição do setor principal da burguesia.

O sistema das urnas eletrônicas é facilmente manipulável e fraudável. Apenas 15 países – num universo de 190 países – utilizam a urna eletrônica, de acordo com uma reportagem da AFP. Um especialista entrevistado por esta agência de notícias destaca que somente o Brasil e alguns locais dos EUA, França e Namíbia rejeitam o comprovante em papel.

O voto impresso é um fator que dificulta a fraude no processo eleitoral. Na vigência de um regime democrático, os eleitores precisam de garantias sobre transparência e a impressão em papel é uma forma de assegurá-la, na medida em que se possibilita a verificação dos comprovantes com as urnas.

A oposição unificada dos partidos burgueses contra o voto impresso deveria levantar suspeitas na esquerda e em toda a população. É um absurdo considerar que a urna eletrônica é inviolável. Nenhum sistema de informática é inviolável, ainda mais com os sistemas de espionagem e hackeamento sofisticados que existem atualmente. O escândalo do software Pégasus, desenvolvido pela empresa israelense NSO, está aí para provar que nenhum sistema é inviolável, nem mesmo os dados pessoais e a intimidade de cada cidadão do mundo.

Nos últimos anos, particularmente após o golpe de Estado de 2016, o Judiciário, pilar de sustentação do regime golpista, tem investido contra os direitos democráticos da população. O direito de voto tem sido restringido de diversas maneiras, como a exigência de cadastro biométrico, cancelamento de títulos eleitorais e pela anulação da obrigatoriedade da impressão do voto prevista pela reforma eleitoral de 2015.

Posicionar-se contra o voto impresso é propagar ilusões na armadilha da urna eletrônica e sustentar um sistema político antidemocrático que mantém há décadas – fraudulentamente – os partidos burgueses no controle do regime político. É contribuir para que os piores inimigos do povo se escondam sob a frase de “democraticamente eleitos pela vontade do povo”.

Nenhum sistema de votação merece plena confiança, por isso quanto mais maneiras de controle e conferência, melhor.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.