Menu da Rede

Acompanhe o Resumo do Dia na COTV

  • Capa
  • Editorial
  • DCM usa exatamente os mesmos métodos da Lava Jato

Perseguição à esquerda

DCM usa exatamente os mesmos métodos da Lava Jato

Assim como na caça ao ex-presidente Lula, Pedro Zambarda e Kiko Nogueira ocultam os reais motivos dos ataques ao PCO

Kiko Nogueira – Foto: Reprodução

Receba o DCO no Email

Se um dia o Diário do Centro do Mundo (DCM) contribuiu com a luta contra o golpe, esse tempo se passou. Dirigido por Kiko Nogueira, um ex-editor da Abril que nunca teve vínculo real com a esquerda, o DCM hoje presta o papel de Cavalo de Troia no interior da esquerda. Isto é, em vez de denunciar a direita e seus crimes, em vez de repercutir a atividade da esquerda, em vez de dar voz ao povo, o portal se tornou exclusivamente um blog de reprodução da política da direita golpista e de perseguição àqueles que se opõem a ela.

Essa mudança toda gira em torno de uma figura: Guilherme Boulos, hoje a principal personalidade do PSOL. Boulos, além de ex-candidato a presidente da República, ex-candidato à prefeitura de São Paulo e pré-candidato ao governo de São Paulo, é uma espécie de grife, uma marca sob a qual a burguesia vem agrupando um conjunto de grupinhos e políticos para atacar o PT.

Sob o guarda-chuva de Boulos, por exemplo, está o youtuber Jones Manoel (PCB), que dia após dia critica gratuitamente Lula, Dilma e seu partido. Está também a Unidade Popular pelo Socialismo (UP), um partido natimorto, sem programa próprio, que nasceu para apoiar o PSOL. Não propriamente sob o guarda-chuva de Boulos, mas no seu entorno, estão ainda coronéis como Ciro Gomes (PDT), que fugiu para Paris para boicotar a candidatura petista em 2018.

Boulos é, portanto, parte de uma operação de grande envergadura. Uma operação do imperialismo para promover um setor da esquerda nacional — ou, pelo menos, que assim se identifique — para que siga exatamente a sua política. Isto é, que ataque os partidos, organizações e lideranças nacionalistas e que pavimentem o caminho para que a direita neoliberal consiga se sustentar no regime.

O DCM é parte desse projeto. Está envolvido até a medula com o projeto Boulos: convida-o periodicamente para os seus programas, distribui elogios ao psolista, elogia sua política direitista de “frente ampla” e se cala diante da candidatura de Lula, que é uma pedra no sapato da Operação Guilherme Boulos. Nos últimos tempos, contudo, essa ligação com Boulos exigiu que o DCM desse mais um passo à frente no seu compromisso com a política da direita. Um passo tão à frente que terminou por enfiar os pés na lama.

Na medida em que Boulos foi incontestavelmente desmascarado pelas denúncias do PCO e do Diário Causa Operária, sendo questionado por pessoas do seu próprio partido e por seus seguidores nas redes sociais, o pop star do PSOL só tinha duas opções: ou reconhecia as denúncias, admitindo que é um agente da direita infiltrado nas fileiras da esquerda, ou usava do velho método de assassinar o carteiro para que não entregue a carta.

Sabendo que reconhecer ser um agente do imperialismo é o mesmo que encerrar a sua carreira, Boulos optou pelo mesmíssimo método que o stalinismo usou tão a fundo e pelo qual o nazismo é lembrado até hoje. Boulos e sua trupe, incomodados com as críticas políticas, partiram para a truculência para tentar calar os seus adversários.

E é aí que entrou o DCM. Um portal progressista, democrático, de esquerda, que discordasse das críticas do PCO a Boulos teria a obrigação de abrir um debate. De expor suas posições, de travar uma polêmica. Mas fez o exato oposto: usou todo o seu arsenal, conquistado abusando da boa fé das pessoas que entendiam que o DCM contribuía para a luta contra o golpe, para tentar silenciar o PCO.

Esse método não é nada novo, nem mesmo para quem passou a acompanhar política nos últimos cinco anos. É o método da Lava Jato, do ex-juiz Sergio Moro e do ex-procurador Deltan Dallagnol. Hoje pré-candidatos por um partido de direita — ou talvez de extrema-direita —, ambos alegavam na época que todas as acusações bizarras e procedimentos antidemocráticos em relação ao PT eram apenas a expressão de uma “luta contra a corrupção”. De uma “luta” supostamente “imparcial”, pelo “bem de todos”. Hoje, ninguém leva isso a sério.

Urnas eletrônicas serão controladas por empresa ligada ao PSDB, Moro e Dallagnol

Kiko Nogueira, Pedro Zambarda e todos os que estão participando da campanha sórdida de ataques ao PCO seguem o mesmo caminho. São incapazes de admitir abertamente que atacam a esquerda revolucionária porque defendem um cavalo de Troia do imperialismo. Dizem, portanto, que estão a serviço do “jornalismo investigativo”. Quem dera!

Os métodos do DCM são, inclusive, exatamente os mesmos que os da Lava Jato. Fazem acusações sem provas e acusações absurdas. Querem colocar “um partido” na cadeia por ter pago míseros R$1,8 mil de assistência jurídica para cada candidato, e se calam diante dos R$250 mil que um único candidato do PSOL — Boulos — gastou. Fazem o mesmo, portanto, que a Lava Jato, que condenou Lula por ter visitado o sítio de um amigo em Atibaia.

São todas acusações morais, que apelam aos sentimentos mais baixos. Querem chocar uma senhorinha inocente com histórias cabeludas, e não fazer uma discussão política séria. Passam por cima de qualquer sentimento civilizatório e tentam humilhar seus adversários, em vez de polemizar com eles. Atuam como Moro ao divulgar conversas pessoais de Lula com Dilma Rousseff, apenas para que William Bonner se chocasse com a quantidade de palavras de baixo calão.

Dão um tratamento inquisitorial, ameaçam chamar a polícia e o Ministério Público, fazem uma campanha muito agressiva de várias matérias e lives, exclusivamente negativa, assim como foi contra o PT. Em determinado momento, os assessores de Lula contabilizaram que o Jornal Nacional usou mais tempo para atacar Lula do que uma partida de futebol inteira. Assim é o DCM com o PCO. E claro: não dão direito de resposta, não ouvem os dois lados, bloqueiam e apagam os comentários que denunciam suas mentiras e defendem a verdade.

A atuação do DCM, de fazer uma campanha podre para defender os interesses de Guilherme Boulos, é uma campanha de tipo fascista. Deve ser combatida duramente pela esquerda.

Meu nome é Pedro Zambarda, mas pode me chamar de Joice Hasselmann

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.