Menu da Rede

Assista ao Resumo do Dia ao vivo

  • Capa
  • Editorial
  • Até um programa moderado como o de Mantega é rejeitado

Sem margem para conciliação

Até um programa moderado como o de Mantega é rejeitado

A burguesia não está disposta a ceder nem um palmo em torno da política estabelecida a partir do golpe. Para conciliar, a esquerda precisaria ceder tudo e fazer um governo nulo.

Guido Mantega foi Ministro da Fazenda em parte dos governos Lula e Dilma, sendo perseguido pelo imperialismo através da operação Lava Jato. – Foto: Reprodução.

Receba o DCO no Email

Causou enorme alvoroço na burguesia um artigo publicado na Folha de São Paulo pelo ex-ministro Guido Mantega. Nele, o economista escreve sobre qual deveria ser o programa econômico num novo governo Lula, apontando algumas reformas moderadas no sentido de mudar a orientação econômica do governo, aumentando os investimentos na produção nacional. O mínimo que se esperaria de um governo nacionalista.

O ex-ministro ainda escreveu sobre a possibilidade de revisar algumas das privatizações realizadas e defendeu a necessidade de acabar com o criminoso teto de gastos, que impossibilita os necessários investimentos públicos para reabilitar a economia brasileira e socorrer sua população com programas sociais abrangentes.

Artigos Relacionados

Pela repercussão que o caso obteve, poderia se especular que Mantega defendeu uma reforma agrária séria, a estatização dos bancos ou, ao menos, privilegiar as empresas estatais em setores estratégicos da economia. Mas não. O que foi colocado em discussão não passa de um moderado contraponto à completa retração econômica imposta ao Brasil pelo golpe de Estado de 2016.

A rejeição uníssona dos monopólios da comunicação ao conteúdo político expresso no artigo de Mantega deixa bastante clara a posição da burguesia de completa oposição a qualquer projeto que não seja destrutivo para a economia nacional. O interesse fundamental que precisa ser satisfeito é o dos abutres do mercado financeiro. Para poder conciliar com a burguesia, Lula teria que colocar um Henrique Meireles, por exemplo, alguém que garantisse ao mercado o arrocho fiscal e a manutenção integral do modelo neoliberal.

Para piorar a lua de mel entre a direita do PT e a burguesia, recentemente Lula elogiou a revogação da reforma trabalhista na Espanha, que havia sucateado ainda mais as condições de vida dos trabalhadores no país. Em rede social, o ex-presidente escreveu: “É importante que os brasileiros acompanhem de perto o que está acontecendo na Reforma Trabalhista da Espanha, onde o presidente Pedro Sanchez está trabalhando para recuperar direitos dos trabalhadores”.

Ou seja, além de desenvolver a economia nacional, um possível governo Lula ainda estaria inclinado à recuperação dos direitos trabalhistas perdidos nos últimos anos pelos brasileiros. Gleisi Hoffmann, atual presidente do PT, também fez referência ao caso espanhol nas redes sociais: “Notícias alvissareiras desse período: Argentina revoga privatização de empresas de energia e Espanha reforma trabalhista q retirou direitos. A reforma espanhola serviu de modelo p/ a brasileira e ambas ñ criaram empregos, só precarizaram os direitos. Já temos o caminho”.

Esse quadro mostra que qualquer mudança real na situação do povo só é possível por meio de um enfrentamento contra a burguesia. A conciliação que a burguesia está disposta a aceitar significa na prática não mexer em nada do que foi estabelecido pelo golpe de Estado de 2016. Ao contrário do que pregam alguns craqueiros eleitorais, não basta vencer o pleito em 2022. Para colocar em prática um governo minimamente nacionalista é absolutamente imprescindível que o povo esteja nas ruas defendendo esse programa. Só uma gigantesca mobilização popular é capaz de impor essa derrota à burguesia.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.