Menu da Rede

Acompanhe o Resumo do Dia na COTV

  • Capa
  • Editorial
  • A “esquerda” que luta contra a candidatura de Lula

"Mui amigos"

A “esquerda” que luta contra a candidatura de Lula

Esquerda que rifou Lula em 2018 e defende a frente ampla com a direita golpista, quer tirar proveito da candidatura popular do ex-presidente, para depois sabotá-la

Chantagem: PSOL que trocar o apoio a Lula pelo apoio a Boulos e o PSB quer que petista apoie Márcio França – Foto: Reprodução.

Receba o DCO no Email

Em 2018, dois anos depois do golpe que derrubou a presidenta Dilma Rousseff e da operação fraudulenta que levou à condenação e prisão do ex-presidente Lula, toda a esquerda parlamentar “aliada” dos governos do PT (quando o partido tinha milhares de cargos para distribuir) atuou como verdadeiro abutre buscando tirar proveito do “sangramento” que a direita provocou no maior partido da esquerda brasileira.

Tradicionalmente um dos maiores beneficiários eleitorais do PT, o PCdoB – diante da pressão da burguesia – foi um dos primeiros a desembarcar da aliança com o PT e lançou a pré-candidatura presidencial da então deputada estadual, Manuela d’Ávila (RS), como instrumento de campanha para a divisão da esquerda e pelo ” desembarque” do esperado apoio à candidatura do PT, no momento que o PCO (e as principais organizações dos explorados do País, como a CUT, MST, CMP etc.) se pronunciavam em favor da candidatura de Lula, como tradicional representante não apenas do movimento operário mas da luta contra o golpe de Estado.

Fracassada a política de articular uma chapa do “Plano B” que potencializasse uma candidatura da esquerda burguesa, como Ciro Gomes (PDT), e diante da enorme insistência de amplos setores populares pela candidatura de Lula, cuja candidatura foi inscrita com a presença de 50 mil pessoas em ato no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em Brasília, o PCdoB impôs um conjunto de exigências para se coligar ao PT, para depois pressionar pela desistência da candidatura de Lula, como queria toda a direita que, finalmente, acabou apoiando Bolsonaro.

Como ficou público à época, o PCdoB “divergiu da estratégia do partido de insistir na manutenção da candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que foi vetada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE)“.

Como outros setores da esquerda, incluindo a direita do PT, dirigentes do PCdoB “cobraram uma definição política rápida sobre a composição da chapa e argumentaram que a campanha não pode ficar dependente das estratégias jurídicas da defesa de Lula. A sigla da deputada estadual Manuela d’Ávila, virtual candidata a vice na chapa de Fernando Haddad ao Palácio do Planalto, defende que a substituição seja feita agora” (isto é, antes mesmo que o veto do TSE fosse colocado em prática, sem desafiar a decisão ilegal da Justiça).

O resultado dessa política, antecedida e seguida de vários lances de capitulação e “endosso” à fraude eleitoral promovida pela direita, todos sabemos e o povo brasileiro sente na pele nos quase três anos do governo do fascista Bolsonaro, que a direita – e setores da esquerda – procuraram apresentar como legítimo, mesmo sendo resultado de uma violenta fraude eleitoral e a quem alguns dos seus dirigentes desejaram “boa sorte”.

Há pouco menos de um ano das eleições de 2022, quando o ex-presidente Lula lidera com folga todas as pesquisas eleitorais e, principalmente, sua candidatura é vista como uma grande esperança e arma do povo explorado para se livrar do regime de fome, miséria e genocídio que a direita golpista impôs, desde 2016, representantes dessa esquerda burguesa e pequeno-burguesa estão de novo às voltas com uma enorme operação contra a candidatura de Lula, contra o PT e contra a perspectiva de derrotar a direita golpista no próximo período.

Os sinais de chantagem e pressão sobre o PT e a candidatura de Lula são enormes.

Depois de rejeitarem em seu Congresso Nacional o apoio à candidatura de Lula, o PSOL. – por exemplo – abriu uma temporada de “negociação”. (“Dirigentes do PSOL afirmam que o apoio do partido a Lula ainda não está garantido – embora o PT já considere a adesão como favas contadas“)

É claro que não faltam pretexto políticos. Anunciam que o “Partido quer que petista incorpore a seu programa propostas como a taxação das grandes fortunas

Mas o verdadeiro preço cobrado por um possível apoio a Lula é outro. Querem o “apoio dos petistas a candidaturas do partido em alguns estados —como a de Guilherme Boulos em São Paulo”

Por sua vez, o PSB, que depois de integrar por anos os governos do PT e receber o apoio petista para manter o governo de Pernambuco e conquistar outros cargos, votou pelo impeachment de Dilma e – de fato – não apoiou Lula em 2018, apenas se valendo do apoio do ex-presidente para seus próprios propósitos agora se articula para novas chantagens contra Lula e o PT, como deixou claro e público o próprio presidente dos “socialistas”, Carlos Siqueira:

No momento, nossa pretensão (para 2022) é modesta. Mas, pelo tamanho que o PSB tem, pela sua capacidade de renovação, qualquer que seja o candidato (à Presidência) que ele apoie, o PSB deveria ter a condição de vice. Se apoiarmos o Lula, defendemos, sim, um vice — diz o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira.

Mas isso não é tudo:

Em uma reunião com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na terça-feira, 5, em Brasília, a cúpula do PSB indicou os Estados nos quais o partido pretende lançar candidatos ao governo local e espera contar com o apoio do PT nas eleições de 2022. Para os socialistas, a aliança em torno da candidatura do ex-governador de São Paulo Márcio França (PSB) é uma prioridade. O Estado de Pernambuco, onde a legenda possui lideranças históricas, também é visto como essencial.

Como na mais tradicional política burguesa, esses e outros setores da esquerda estão de olho na tradicional política do “toma-lá-da-cá”. Só que – de fato – eles não têm nada a oferecer. Querem tirar proveito do prestígio eleitoral de Lula para fazer valer os seus próprios interesses que nada têm a ver com os da imensa maioria do povo brasileiro que que apoia Lula como parte da luta para derrotar Bolsonaro e toda a direita golpista e não ser engolida pela crise brutal que toma conta do País.

Como em 2018, nos próximos meses ficará claro e cristalino que setores da esquerda atuam como verdadeiros abutres, na defesa dos seus mais mesquinhos interesses, pouco se importando com os interesses mais gerais do povo brasileiro e dispostos, uma vez mais, a todo tipo de articulação com a burguesia contra Lula e o povo brasileiro.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.