Menu da Rede

20211024150250 1635096648042 1 1 (1)

Cristiano Ronaldo chuta jogador. E se fosse Neymar?

Victor Assis

Militante do Partido da Causa Operária desde 2016 e membro do Coletivo de Negros João Cândido. Colunista do Diário e apresentador da Causa Operária TV.

Síndrome de Munchausen

Uma agressão narrada por um militante da UJS

Ser pelego no movimento estudantil não é para amadores

Militante da UJS fugindo da bateria Zumbi dos Palmares – Foto: Divulgação/Netflix

Receba o DCO no Email

Reproduzimos abaixo o relato de um militante da UJS sobre terríveis agressões.

Decidimos não identificar o seu interlocutor.

Artigos Relacionados

— Nome completo?

— Asterix Obelix Matrix.

— Gênero?

— Fluido.

— Identidade?

— É mais importante que a classe.

— Ocorrência?

Ocorrências, no plural.

— Certo, ocorrências.

— Agressão, ameaça, tentativa de sequestro, assalto, apropriação cultural, desacato e crueldade contra animais.

— Local?

— Na quebrada.

— Seja mais específico.

— Na Praça Santos Andrade.

— Pois bem, senhor Asterix, o que aconteceu?

— Senhor, não.

— Senhora?

— Ahm-ahm.

— Senhorita?

— Não.

— Senhore?

— Claro que não. Vou perdoar dessa vez. Me chame de malunga Asterix.

— OK, malunga Asterix, o que aconteceu?

— Eu estava indo entregar doces para minha vovozinha quando de repente uma horda de maníacos assassinos do PCO atirou em mim com metralhadoras.

— Eram quantos maníacos assassinos?

— Entre 5 e 6 milhões.

— Mil ou milhões?

— Milhões!!!

— Mas Curitiba não tem nem 2 milhões de habitantes… A PRF não registrou que tenha entrado tanta gente na cidade.

— Mil-homens, eu quis dizer. Entre 5 e 6 mil homens.

— Certo, malunga Asterix. Algum tiro pegou em você?

— Sim, 37.

— Chegou a ir ao hospital?

— Não, eu não me machuquei.

— Com 37 tiros?

— É. As balas entraram e saíram, não machucaram.

— Posso ver as marcas?

— Não deixaram marcas. É que não eram balas de verdade, sabe? É que eu me confundi, eram na verdade pedras de bodoque.

— Pedras também deixam marcas.

— Não deixam, não.

— É claro que deixam.

— Mas… Ah sim! É porque “pedra”, na língua nativa de uma tribo indígena quer dizer “chuva”. Você, como um branco hétero cis, não poderia saber…

— Certo, então não foram metralhadoras, foi a chuva. E onde entra o PCO nessa história?

— É que… É que… Eles roubaram meu capuz vermelho.

— Vermelho?

— Verde e amarelo.

— Certo, prossiga.

— Ele pintou de vermelho e colocou na estátua do genocida Borba Gato!

— Ele? Não eram 6 mil?

— Não, era um só.

— Você falou cinco ou seis mil homens.

— Não, era o nome do meliante. Cincocês Milhomens.

— Ah sim. Aqui está a ficha dele. É um senhor de 84 anos.

— Mas você não tem ideia do que ele é capaz de fazer! Ele tem um tiranossauro rex de estimação que coloca medo em qualquer um.

— Certo, certo. E esse capuz verde e amarelo, não é o que você está usando agora?

— Sim, mas é que eu consegui de volta. O Ricardo Nunes tirou da estátua do Borba Gato, pintou de verde e amarelo de novo e enviou para mim.

— Entendi. Mais alguma coisa para registrar, além do furto do capuz?

— A agressão.

— Qual?

— Da chuva!

— Claro, claro. Algo mais?

— Não dá para considerar uma tentativa de estupro?

— Não. Algo mais?

— Sim, sim! Quando chamei a polícia, eles mandaram o policial tomar naquele lugar!

— Lamento, mas se os policiais não deram parte, não podemos considerar que houve desacato.

— Não, o crime não é o desacato. É a homofobia!

— Vou anotar aqui. Terminou?

— Terminei. O que achou?

— Fascinante.

— Sério?

— Sim. Nos quarenta anos que trabalho neste hospital, tratei várias pessoas com Síndrome de Munchausen. Com seu relato, cheguei à conclusão que o PCdoB é o primeiro caso de um partido com a síndrome.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.