Menu da Rede

Google e Twitter questionam Moraes de bloquear perfis do PCO

Roberto França

Pós-Doutor em Geografia pela Unioeste, campus de Francisco Beltrão; Doutor em Geografia pela Universidade Estadual Paulista, Unesp, campus de Presidente Prudente. Atualmente é professor da Universidade Federal da Integração Latino-Amerina - Unila, atuando como professor da área de Geografia. É líder do Grupo de Estudos Eurasiáticos (e suas relações com a América Latina). Tem desenvolvido pesquisas sobre: Fronteira; Geopolítica e Geoeconomia, com ênfase em geopolítica da Eurásia Expandida (Rússia e União Econômica Euroasiática). Militante do PCO, colunista e redator no Diário Causa Operária

Pilhagem

Sionismo é movimento de extrema-direita

O sionismo nasceu sob uma ideologia sólida, de extrema-direita, camuflada por organizações beneficentes supostamente esquerdistas

Israelenses comemorando ataques contra o povo da Faixa de Gaza – Reprodução

Receba o DCO no Email

Ato de Dissuasão das Forças Inimigas e Habilitação de Defesas Nacionais

Os EUA vão supervisionar Israel, mais nove países árabes, no estabelecimento de um sistema integrado de defesa aérea para combater o Irã. Essa foi a proposta de 10 Congressistas americanos, dos partidos Republicano e Democrata, tornada pública, The bipartisan, bicameral Deterring Enemy Forces and Enabling National Defenses (DEFEND) Act [A bipartidária e bicameral Lei de Dissuasão de Forças Inimigas e Habilitação de Defesas Nacionais (DEFEND)].

O projeto de lei autorizará o Pentágono a cooperar com Israel, Bahrein, Egito, Iraque, Kuwait, Jordânia, Catar, Omã, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos no desenvolvimento e implantação de defesas aéreas, de mísseis integrados contra a suposta ameaça representada pelo Irã.

Artigos Relacionados

O projeto de lei conta com o apoio de 10 congressistas de ambos os partidos políticos. Os democratas Jacky Rosen (Nevada), Cory Booker (Nova Jersey), Joni Ernst (Iowa) e James Lankford (Oklahoma) o apresentaram no Senado. Enquanto isso, os democratas Brad Schneider (Illinois), David Trone (Maryland) e Jimmy Panetta (Califórnia) uniram forças com os republicanos Cathy McMorris Rodgers (Washington), Ann Wagner (Missouri) e Don Bacon (Nebraska) na Câmara dos Representantes.

Os 10 congressistas são membros da Bancada “Acordos de Abraão”, nome que faz menção aos acordos entre Israel, Emirados Árabes Unidos e Barein, além de Sudão e Marrocos, a fim de “pacificar” as relações entre esses países. Esses acordos foram assinados entre Agosto e Dezembro de 2020, durante o mandato de Donald Trump.

De acordo com Schneider:

“O Irã está na linha de um metro em sua busca por uma arma nuclear, e está ameaçando nossos aliados na região de várias outras maneiras. Fortalecer nossos aliados, construindo unidade e reforçando as capacidades de segurança compartilhada, é fundamental para enfrentar as ameaças iranianas à região. A liderança dos EUA, no desenvolvimento de defesa aérea e de mísseis integrada, forneceria segurança, estabilidade e uma defesa unificada à região. A Lei DEFEND é um exemplo primordial do importante trabalho bipartidário e bicameral que o Congresso deve priorizar em nossa busca pela paz e estabilidade regionais”.

De acordo com Bacon:

“A segurança de nossos parceiros no Oriente Médio é importante para a segurança nacional dos EUA e é imperativa na esteira de um regime iraniano cada vez mais violento. Um sistema integrado de defesa aérea e de mísseis é fundamental para combater os ataques do Irã e seus proxies e melhorar a estabilidade regional. A defesa aérea também é um multiplicador de força. Quando nossos aliados e parceiros podem se defender, isso oferece alívio às forças americanas.”

Para Panetta:

“Mesmo que continuemos a negociar com o Irã, a agressão iraniana contra nossos parceiros no Oriente Médio continua com mísseis e ataques avançados de dronesÉ por isso que tenho orgulho de me juntar aos meus colegas bipartidários e bicamerais na introdução do Ato DEFEND. Esta legislação forneceria um sistema integrado de defesa aérea e de mísseis para não apenas proteger os céus no Oriente Médio, mas também apoiar e proteger nossos parceiros e sua parceria em seus esforços pela paz.”

American Israel Public Affairs Committee (AIPAC)
“O Ato DEFEND avança as oportunidades estabelecidas pelos Acordos de Abraão, e ressalta o papel essencial do Congresso no apoio a um novo futuro para o Oriente Médio. Ao direcionar uma abordagem estratégica para a defesa cooperativa de mísseis e a coordenação contra o UAV, esta legislação fortalece a parceria EUA-Israel à medida que aumenta a cooperação regional contra ameaças comuns à segurança.”

Comitê Judaico Americano (AJC)
“Os Acordos de Abraão abriram novas linhas de colaboração, permitindo aos governos novos recursos e novos aliados para enfrentar desafios regionais — desde a agressão do Irã e ambições nucleares até o extremismo religioso, incitação e agitação política. Uma estratégia dos EUA que delineia a cooperação potencial em aquisição militar, defesa de mísseis pode dar aos principais aliados e parceiros emergentes os incentivos e ferramentas para enfrentar esses desafios juntos.”

Congresso Judaico Americano

“O Ato DEFEND apresenta uma visão necessária para uma nova arquitetura de segurança no Oriente Médio – uma que se baseia proativamente nos notáveis desenvolvimentos diplomáticos que temos visto entre Israel e parceiros árabes. Ao promover a integração das capacidades de defesa entre nossos aliados e parceiros do Oriente Médio, os Estados Unidos podem incentivar ainda mais esses esforços cooperativos impressionantes. Este projeto de lei contribui para nossas prioridades de segurança nacional, salvaguarda Israel e defende nossos aliados cruciais na região. Mais importante, combate a crescente ameaça militar representada pelo Irã, na sua fonte. “Somos gratos pela liderança de Sens. Ernst, Rosen, Booker, Lankford, e os representantes McMorris Rodgers, Schneider, Bacon, Panetta, Trone e Wagner que estão trabalhando para tornar esta legislação realidade. Além disso, pedimos a todos os Congressos que dêem ao Ato DEFEND a aprovação rápida, justa e necessária que ele merece.”

Fundo de Ação Dos Cristãos Unidos por Israel (CUFI) 

“O Irã é a ameaça central não só para Israel, mas para todos os países da região que se opõem aos objetivos malignos do regime radical de Teerã. Tomar as medidas necessárias em direção a um plano regional de defesa antimísseis é fundamental para combater o Irã e é mais um golpe contra aqueles que se opõem à normalização com Israel.”

Ação FDD 

“A Ação FDD apoia as metas políticas incluídas na Lei de Dissuasão das Forças Inimigas e Na Ativação das Defesas Nacionais (DEFEND). A legislação fornecerá aos EUA e aliados no Oriente Médio uma estratégia coordenada para tecnologias de sistemas de aeronaves não tripuladas. Como parte da extensão dos Acordos de Abraão, os EUA devem continuar a iniciar, desenvolver e melhorar as relações militares entre os EUA, Israel e outros aliados e parceiros dos EUA na região. A defesa integrada contra a ameaça de sistemas de aeronaves não tripuladas deve ser perseguida conjuntamente e esta legislação começaria a estabelecer isso como política dos EUA.”

Hadassah, Organização Sionista Feminina da América
“O apoio dos EUA à defesa de Israel é fundamental para a construção da paz e da prosperidade no Oriente Médio. Hadassah aplaude os senadores Ernst, Rosen, Lankford e Booker e os representantes Trone, Wagner, Bacon, Panetta, McMorris e Schneider por introduzirem a Lei DEFEND, que fortalecerá a defesa cooperativa entre aliados estratégicos no Oriente Médio para proteger Israel e seus vizinhos contra ameaças crescentes do Irã e seus proxies.” (aliados).

Federações Judaicas da América do Norte (JFNA)
“Os Acordos de Abraão são o avanço mais significativo para a paz entre as nações do Oriente Médio e do Golfo Pérsico em décadas, e merecem o apoio mais forte possível dos Estados Unidos. As Federações Judaicas da América do Norte apreciam profundamente a liderança bipartidária do Congresso Abraham Accords Caucus e apoiam fortemente seu esforço para expandir e fortalecer as relações significativas entre Israel e seus vizinhos. Esperamos as valiosas recomendações que esta legislação produzirá para expandir essas relações para além do domínio da cooperação econômica e para ameaças compartilhadas e interesses estratégicos dos EUA na região.”

Instituto Judaico para Segurança Nacional da América (JINSA)
“Os Estados Unidos têm um interesse fundamental em fortalecer os Acordos de Abraão, um dos maiores desenvolvimentos do Oriente Médio em décadas. Como a JINSA recomendou no início deste ano, uma maneira de isso ser feito é aumentando a capacidade dos parceiros mais capazes do Oriente Médio da América de trabalhar juntos para se defender contra ameaças compartilhadas no domínio aéreo, especialmente a crescente ameaça de mísseis e drones representada pelo Irã e seus proxies terroristas. Aplaudimos a Câmara e o Senado Abraham Accords Caucuses por sua liderança na introdução da Lei DEFEND, que será um passo importante para garantir que os acordos alcancem todo o seu potencial.”

Conselho Atlântico
“O Ato de Dissuasão das Forças Inimigas e Ato de Defesas Nacionais (DEFEND) de 2022 representa uma iniciativa bipartidária crítica, liderada pelos Caucus do Senado e da Câmara dos Deputados, para promover e aprofundar a coordenação regional de mísseis cooperativos e de defesa aérea entre os principais aliados e parceiros dos EUA no Oriente Médio. O projeto de lei ressalta o contínuo imperativo e a priorização do engajamento dos EUA na região e, além disso, mostra a crescente capacidade do processo de normalização para transformar as relações regionais e a integração da segurança.”

Sionismo, um movimento de pilhagem

O sionismo é um movimento de extrema-direita que visa um Espaço Vital para o povo judeu, centrada no território da Palestina. O criador do movimento sionista é Theodor Herzl, considerado o “Visionário do Estado de Israel”, mencionado na Declaração de Independência , também é conhecido como “o pai espiritual do Estado judeu”, que deu concretude ao movimento sionista.

Theodor Herzl

Em seu livro intitulado “O Estado Judeu” [1], Herzl propõe:

Entre as objeções importantes, figura a de que a miséria dos judeus não é a única do mundo. Eu creio que, em todo caso, devemos por mãos à obra para fazer desaparecer um pouco da miséria, ainda que se trate, por enquanto, somente da nossa própria. Além disto, pode-se dizer que não devemos introduzir novas diferenças entre os homens nem erigir novas barreiras mas que, em vez disto, deveríamos fazer desaparecer as antigas. Estou convencido de que aqueles que pensam assim são amáveis sonhadores: mas o pó de seus ossos terá sido dispersado pelos quatro ventos enquanto a ideia da pátria ainda florescerá. A fraternidade universal não é sequer um belo sonho. O inimigo é necessário para os mais altos esforços da personalidade. Como? Dado que os judeus já não terão nenhum inimigo em seu próprio Estado e como, vivendo folgadamente, se debilitariam e deteriorariam, justamente então o povo judeu iria desaparecer por completo? Creio que os judeus sempre terão muitos inimigos, como qualquer outra nação. Mas, quando estiverem radicados em sua própria terra, jamais poderão ser dispersos pelo mundo inteiro. Não se pode repetir a diáspora enquanto não se destruir toda a cultura deste mundo. A cultura atual dispõe de recursos suficientes para se defender“. (grifos nossos)

Herzl, detinha um plano que foi posto em prática baseado na pilhagem e no saque de todos os recursos do povo judeu do mundo inteiro:

“A Jewish Company se encarregará da liquidação de todas as fortunas dos judeus imigrantes e organizará a vida econômica no novo país. Como já se disse, a emigração dos judeus não deve ser concebida como repentina, mas será um processo gradual, que durará décadas. Primeiro, irão os mais pobres e lavrarão pela primeira vez a terra. Seguindo um plano preestabelecido, construirão estradas, pontes, ferrovias e uma rede telegráfica, regularão os cursos dos rios e estabelecerão eles mesmos seus lares. Seu trabalho criará, inevitavelmente, possibilidades de comércio; o comércio fará surgirem mercados, e os mercados atrairão novos imigrantes para o país. Todos chegarão por vontade própria, por sua própria conta e risco. O trabalho que investirem na terra fará o valor da mesma subir. Os judeus não tardarão em dar-se conta de que se abriu diante deles um campo novo e duradouro, onde poderão exercitar seu espírito empreendedor, que até então havia sido odiado e desprezado”. (HERZL, 1997).

Como é possível ser visto, há um plano claro e evidente de escravizar os judeus mais pobres para dar lugar aos judeus dominantes, de pele clara e traços europeus. Trata-se de um projeto eugenista e inclui a substituição de uma população por outra, operando desde o início um sistema opressor e de exploração da mais-valia, sem dissimulação de economistas clássicos como David Ricardo:

“Se quisermos edificar, não construiremos habitações lacustres desoladas, mas edificaremos conforme o estilo usado atualmente. Levantaremos construções mais arrojadas e confortáveis que as conhecidas até agora. Porque dispomos de meios que não existiram durante a história. Nossas camadas economicamente inferiores serão seguidas àquela terra pelas imediatamente superiores. Os que se encontram mais próximos do desespero irão primeiro. Seus guias serão nossos intelectuais médios, que são perseguidos por toda parte e que produzimos em excesso”. (HERZL, 1997).

O Protocolo Herzl também prepara o momento para organizar o novo Estado, com base em adesão de outros Estados e ter soberania contra o antissemitismo e garantias oficiais para organizar as suas livres formas de exploração, e intenção de impor a cultura judaica ao mundo, não somente deu entorno:

Então, se os governos se mostrarem dispostos a conceder ao povo judeu a soberania de algum território neutro, a Society entabulará discussões sobre o território que haverá de ser tomado como possessão. Dois países devem ser levados em consideração: Palestina e Argentina. Em ambos os países foram feitos notáveis tentativas de colonização, baseadas no princípio equivocado da infiltração paulatina dos judeus. A infiltração tem que acabar mal, pois chega inevitavelmente o instante em que o governo, sob a pressão exercida pela população que se sente ameaçada, proíbe a imigração de judeus. Por conseguinte, a emigração só tem sentido quando sua base for nossa soberania garantida. A Society of Jews entabulará negociações com as atuais autoridades supremas do país, e sob o protetorado das potências europeias, se a estas o assunto parecer plausível. Podemos proporcionar enormes benefícios ao atual governo, assumindo uma parte das dívidas públicas, construindo vias de comunicação, que nós mesmos precisamos, e muitas outras coisas. Mas o simples nascimento do Estado judeu será proveitoso para os países vizinhos, posto que, em larga ou em pequena escala, a cultura de uma região eleva o valor das regiões que a rodeiam“. (HERZL, 1997, grifos nossos).

Em todo manual se encontrará a planificação da economia, com base na exploração máxima do trabalho, mas travestida em benfeitorias aos trabalhadores que ele chama de “braçais”, até mesmo estabelecendo jornada de trabalho de 7 horas, mas deixando claro que os trabalhadores braçais não participam da vida política do país e está livre para ampliar a jornada de acordo com a demanda, já que a Jewish Company é uma sociedade por ações que visará ampliar a capacidade de comunicações e mobilização da força de trabalho para sustentar a burocracia do Estado, livre para o empreendimento.

Para concluir, não existem sionistas de esquerda

Diante do projeto geopolítico de Herzl, não resta dúvidas que o sionismo é um movimento de extrema-direita, voltado à ocupação de territórios alheios, por todos os meios disponíveis, seja por propaganda, colonização, diplomacia, difusão de ideologia, comunicações e sistemas de transportes e, principalmente, a substituição de população por outra. É com base em Herzl, entre outros ideólogos mobilizados economicamente pela compulsão pela acumulação, que Israel se tornou a grande joia para organizar crimes e justificá-los, como a aliança militar contra o Irã, cercando o país dos persas, a fim de pilhá-lo. O judaísmo militante sionista nunca quis somente a Palestina, mas, o mundo, as riquezas, as pessoas e avançará ad infinitum se o mundo não se insurgir contra a ditadura sionista imperialista.

No próximo artigo (o próximo para o Blog Internacionalismo) escreverei sobre a resposta do Irã e os planos anti-imperialistas para derrotar a ditadura sionista, uma resposta necessária para impor maior crise ao regime de exceção, genocida e de pilhagem de Israel.

Notas

[1] HERZL, Theodor Herzl. O Estado Judeu [1895]. Edição comemorativa ao 49º Aniversário do Estado de Israel – Maio de 1997. Tradução: Dagoberto Mensch. Digitado por: Iba Mendes

* A opinião dos colunistas não reflete, necessariamente, a opinião deste Diário

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais

Uma política para a CUT e os sindicatos diante do recorde de fome

É a fome!

alexandre moraes stf 913.jpg

O PCO não está só na luta pelas liberdades democráticas

STF fora do controle popular é ditadura!

10 mil contra 11

pm rj

Parar as chacinas, dissolver a Polícia

“Garimpeiro não é bandido, é trabalhador”

Os “amigos da onça” são uma ameaça contra Lula

A disputa  é pelo comando do golpe e não para impedí-lo

Ficou provado que “centrais de brinquedo” não mobilizam ninguém

Querem “roubar” o candidato dos trabalhadores

Romper a paralisia e reverter o fiasco do 1º de Maio

Policial não é trabalhador

Todos na rua, por Lula ou nada!

Revogar a reforma trabalhista tendo Alckmin à frente?

CSN, garis, professores x Conclat: dois caminhos, duas políticas

De São Paulo a Dubai, de Budapeste a Islamabad e de 1915 a 2022

O Brasil é favorito na copa?

Criminalização do nazismo é desculpa para incriminar o comunismo

Para arrancar os 33,24% convocar uma greve nacional da Educação

33,24% seminário

Doria e prefeitos armam golpe contra reajuste de 33,24%

lulajá

Não apoiar Lula por conta de seus aliados é um erro a ser evitado

Contra o golpe do reajuste de 0% para o piso dos professores

conferência sindical mesa

Conferência aprovou luta contra reformas e por Lula presidente

O golpe de Boulos e do PSOL contra o PT e em favor da direita

alckmin e doria firmam parcerias entre estado e município

Os ataques de Doria aos professores e o fracasso da frente ampla

Iniciar uma campanha militante e de massas em torno de Lula

Agora! Natália Pimenta no Pânico da Jovem Pan

Todos na Paulista: é Lula contra Bolsonaro e toda a direita

Petistas reagem à chapa com Alckmin e chantagem do PSB

Às ruas por Lula presidente com vice das lutas populares

ato paulista 7:11:21

Dia 12 é na Paulista por Fora Bolsonaro e Lula presidente

carteira vazia

Recessão e inflação: defender os salários com “gatilho”

alckmin e aceio paulista

Nós professores não queremos Alckmin. Nenhum trabalhador quer!

A esquerda que se opõe às ideias e à luta revolucionária

Contra o roubo dos salários, lutar pelo “gatilho salarial”

Unir já toda a esquerda e o povo por Lula presidente!

20 novembro

Neste sábado: abaixo o massacre do povo negro, Lula presidente!

Bloco Vermelho presta apoio a Cuba e convoca ato de solidariedade

“Plenária Vermelha”: uma vitoria contra a politica de capitulação

lula pco abc

Plenária Nacional do Bloco Vermelho agrupa contra a frente ampla

Mais de 150 assinaturas convocam Plenária Lula Presidente

cartaz plenária nacional

Dirigentes do PT, PCO, CUT e PCPB convocam Plenária Nacional

Aprender da derrota diante de Doria em SP

Servidores/SP: é preciso ir além da “pressão” parlamentar

Uma Plenária Nacional por Fora Bolsonaro e Lula presidente

A “esquerda” que luta contra a candidatura de Lula

“Centrais” golpistas atacam a CUT para defender carrascos do povo

PSOL decide não ter candidato mas não aprova apoio a Lula

Inflação dispara e mostra tendência geral de agravamento da crise

Fora todos os carrascos dos trabalhadores dos atos da esquerda!

Gilmar Mendes libera grandes empresas de pagar trabalhadores

Crise divide a direita e votação da “reforma” é adiada

BolsoDoria quer privatizar Sabesp, Petrobras e portos

Globo escancara o golpe da 3ª via e transmitirá primárias do PSDB

Quem vai deter Bolsonaro?

Dia 7/9, tomar as ruas contra a ditadura de Bolsonaro e Doria

BolsoDoria quer limpar o caminho para Bolsonaro desfilar

As lições do dia 18/8 e a mobilização de 7 de setembro

Por ruas ainda mais vermelhas, sem a direita, por fora Bolsonaro

Wilson Witzel depõe hoje na mais nova sessão da CPI da Covid

Direita manobra e mantém mecanismos ditatoriais mesmo sem LSN

1º de Maio na Sé: vitória da mobilização contra a paralisia

Mais um passo na privatização da CEF

Contra as demissões é preciso ocupar a LG

Presença de Lula ‘enfraquece’ a direita

Com Lula, por um governo dos trabalhadores

24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais

Uma política para a CUT e os sindicatos diante do recorde de fome

É a fome!

alexandre moraes stf 913.jpg

O PCO não está só na luta pelas liberdades democráticas

STF fora do controle popular é ditadura!

10 mil contra 11

pm rj

Parar as chacinas, dissolver a Polícia

“Garimpeiro não é bandido, é trabalhador”

Os “amigos da onça” são uma ameaça contra Lula

A disputa  é pelo comando do golpe e não para impedí-lo

Ficou provado que “centrais de brinquedo” não mobilizam ninguém

Querem “roubar” o candidato dos trabalhadores

Romper a paralisia e reverter o fiasco do 1º de Maio

Policial não é trabalhador

Todos na rua, por Lula ou nada!

Revogar a reforma trabalhista tendo Alckmin à frente?

CSN, garis, professores x Conclat: dois caminhos, duas políticas

De São Paulo a Dubai, de Budapeste a Islamabad e de 1915 a 2022

O Brasil é favorito na copa?

Criminalização do nazismo é desculpa para incriminar o comunismo

Para arrancar os 33,24% convocar uma greve nacional da Educação

33,24% seminário

Doria e prefeitos armam golpe contra reajuste de 33,24%

lulajá

Não apoiar Lula por conta de seus aliados é um erro a ser evitado

Contra o golpe do reajuste de 0% para o piso dos professores

conferência sindical mesa

Conferência aprovou luta contra reformas e por Lula presidente

O golpe de Boulos e do PSOL contra o PT e em favor da direita

alckmin e doria firmam parcerias entre estado e município

Os ataques de Doria aos professores e o fracasso da frente ampla

Iniciar uma campanha militante e de massas em torno de Lula

Agora! Natália Pimenta no Pânico da Jovem Pan

Todos na Paulista: é Lula contra Bolsonaro e toda a direita

Petistas reagem à chapa com Alckmin e chantagem do PSB

Às ruas por Lula presidente com vice das lutas populares

ato paulista 7:11:21

Dia 12 é na Paulista por Fora Bolsonaro e Lula presidente

carteira vazia

Recessão e inflação: defender os salários com “gatilho”

alckmin e aceio paulista

Nós professores não queremos Alckmin. Nenhum trabalhador quer!

A esquerda que se opõe às ideias e à luta revolucionária

Contra o roubo dos salários, lutar pelo “gatilho salarial”

Unir já toda a esquerda e o povo por Lula presidente!

20 novembro

Neste sábado: abaixo o massacre do povo negro, Lula presidente!

Bloco Vermelho presta apoio a Cuba e convoca ato de solidariedade

“Plenária Vermelha”: uma vitoria contra a politica de capitulação

lula pco abc

Plenária Nacional do Bloco Vermelho agrupa contra a frente ampla

Mais de 150 assinaturas convocam Plenária Lula Presidente

cartaz plenária nacional

Dirigentes do PT, PCO, CUT e PCPB convocam Plenária Nacional

Aprender da derrota diante de Doria em SP

Servidores/SP: é preciso ir além da “pressão” parlamentar

Uma Plenária Nacional por Fora Bolsonaro e Lula presidente

A “esquerda” que luta contra a candidatura de Lula

“Centrais” golpistas atacam a CUT para defender carrascos do povo

PSOL decide não ter candidato mas não aprova apoio a Lula

Inflação dispara e mostra tendência geral de agravamento da crise

Fora todos os carrascos dos trabalhadores dos atos da esquerda!

Gilmar Mendes libera grandes empresas de pagar trabalhadores

Crise divide a direita e votação da “reforma” é adiada

BolsoDoria quer privatizar Sabesp, Petrobras e portos

Globo escancara o golpe da 3ª via e transmitirá primárias do PSDB

Quem vai deter Bolsonaro?

Dia 7/9, tomar as ruas contra a ditadura de Bolsonaro e Doria

BolsoDoria quer limpar o caminho para Bolsonaro desfilar

As lições do dia 18/8 e a mobilização de 7 de setembro

Por ruas ainda mais vermelhas, sem a direita, por fora Bolsonaro

Wilson Witzel depõe hoje na mais nova sessão da CPI da Covid

Direita manobra e mantém mecanismos ditatoriais mesmo sem LSN

1º de Maio na Sé: vitória da mobilização contra a paralisia

Mais um passo na privatização da CEF

Contra as demissões é preciso ocupar a LG

Presença de Lula ‘enfraquece’ a direita

Com Lula, por um governo dos trabalhadores

Blogues

Uma política para a CUT e os sindicatos diante do recorde de fome

É a fome!

alexandre moraes stf 913.jpg

O PCO não está só na luta pelas liberdades democráticas

STF fora do controle popular é ditadura!

10 mil contra 11

pm rj

Parar as chacinas, dissolver a Polícia

“Garimpeiro não é bandido, é trabalhador”

Os “amigos da onça” são uma ameaça contra Lula

A disputa  é pelo comando do golpe e não para impedí-lo

Ficou provado que “centrais de brinquedo” não mobilizam ninguém

Querem “roubar” o candidato dos trabalhadores

Romper a paralisia e reverter o fiasco do 1º de Maio

Policial não é trabalhador

Todos na rua, por Lula ou nada!

Revogar a reforma trabalhista tendo Alckmin à frente?

CSN, garis, professores x Conclat: dois caminhos, duas políticas

De São Paulo a Dubai, de Budapeste a Islamabad e de 1915 a 2022

O Brasil é favorito na copa?

Criminalização do nazismo é desculpa para incriminar o comunismo

Para arrancar os 33,24% convocar uma greve nacional da Educação

33,24% seminário

Doria e prefeitos armam golpe contra reajuste de 33,24%

lulajá

Não apoiar Lula por conta de seus aliados é um erro a ser evitado

Contra o golpe do reajuste de 0% para o piso dos professores

conferência sindical mesa

Conferência aprovou luta contra reformas e por Lula presidente

O golpe de Boulos e do PSOL contra o PT e em favor da direita

alckmin e doria firmam parcerias entre estado e município

Os ataques de Doria aos professores e o fracasso da frente ampla

Iniciar uma campanha militante e de massas em torno de Lula

Agora! Natália Pimenta no Pânico da Jovem Pan

Todos na Paulista: é Lula contra Bolsonaro e toda a direita

Petistas reagem à chapa com Alckmin e chantagem do PSB

Às ruas por Lula presidente com vice das lutas populares

ato paulista 7:11:21

Dia 12 é na Paulista por Fora Bolsonaro e Lula presidente

carteira vazia

Recessão e inflação: defender os salários com “gatilho”

alckmin e aceio paulista

Nós professores não queremos Alckmin. Nenhum trabalhador quer!

A esquerda que se opõe às ideias e à luta revolucionária

Contra o roubo dos salários, lutar pelo “gatilho salarial”

Unir já toda a esquerda e o povo por Lula presidente!

20 novembro

Neste sábado: abaixo o massacre do povo negro, Lula presidente!

Bloco Vermelho presta apoio a Cuba e convoca ato de solidariedade

“Plenária Vermelha”: uma vitoria contra a politica de capitulação

lula pco abc

Plenária Nacional do Bloco Vermelho agrupa contra a frente ampla

Mais de 150 assinaturas convocam Plenária Lula Presidente

cartaz plenária nacional

Dirigentes do PT, PCO, CUT e PCPB convocam Plenária Nacional

Aprender da derrota diante de Doria em SP

Servidores/SP: é preciso ir além da “pressão” parlamentar

Uma Plenária Nacional por Fora Bolsonaro e Lula presidente

A “esquerda” que luta contra a candidatura de Lula

“Centrais” golpistas atacam a CUT para defender carrascos do povo

PSOL decide não ter candidato mas não aprova apoio a Lula

Inflação dispara e mostra tendência geral de agravamento da crise

Fora todos os carrascos dos trabalhadores dos atos da esquerda!

Gilmar Mendes libera grandes empresas de pagar trabalhadores

Crise divide a direita e votação da “reforma” é adiada

BolsoDoria quer privatizar Sabesp, Petrobras e portos

Globo escancara o golpe da 3ª via e transmitirá primárias do PSDB

Quem vai deter Bolsonaro?

Dia 7/9, tomar as ruas contra a ditadura de Bolsonaro e Doria

BolsoDoria quer limpar o caminho para Bolsonaro desfilar

As lições do dia 18/8 e a mobilização de 7 de setembro

Por ruas ainda mais vermelhas, sem a direita, por fora Bolsonaro

Wilson Witzel depõe hoje na mais nova sessão da CPI da Covid

Direita manobra e mantém mecanismos ditatoriais mesmo sem LSN

1º de Maio na Sé: vitória da mobilização contra a paralisia

Mais um passo na privatização da CEF

Contra as demissões é preciso ocupar a LG

Presença de Lula ‘enfraquece’ a direita

Com Lula, por um governo dos trabalhadores

Movimentos

Uma política para a CUT e os sindicatos diante do recorde de fome

É a fome!

alexandre moraes stf 913.jpg

O PCO não está só na luta pelas liberdades democráticas

STF fora do controle popular é ditadura!

10 mil contra 11

pm rj

Parar as chacinas, dissolver a Polícia

“Garimpeiro não é bandido, é trabalhador”

Os “amigos da onça” são uma ameaça contra Lula

A disputa  é pelo comando do golpe e não para impedí-lo

Ficou provado que “centrais de brinquedo” não mobilizam ninguém

Querem “roubar” o candidato dos trabalhadores

Romper a paralisia e reverter o fiasco do 1º de Maio

Policial não é trabalhador

Todos na rua, por Lula ou nada!

Revogar a reforma trabalhista tendo Alckmin à frente?

CSN, garis, professores x Conclat: dois caminhos, duas políticas

De São Paulo a Dubai, de Budapeste a Islamabad e de 1915 a 2022

O Brasil é favorito na copa?

Criminalização do nazismo é desculpa para incriminar o comunismo

Para arrancar os 33,24% convocar uma greve nacional da Educação

33,24% seminário

Doria e prefeitos armam golpe contra reajuste de 33,24%

lulajá

Não apoiar Lula por conta de seus aliados é um erro a ser evitado

Contra o golpe do reajuste de 0% para o piso dos professores

conferência sindical mesa

Conferência aprovou luta contra reformas e por Lula presidente

O golpe de Boulos e do PSOL contra o PT e em favor da direita

alckmin e doria firmam parcerias entre estado e município

Os ataques de Doria aos professores e o fracasso da frente ampla

Iniciar uma campanha militante e de massas em torno de Lula

Agora! Natália Pimenta no Pânico da Jovem Pan

Todos na Paulista: é Lula contra Bolsonaro e toda a direita

Petistas reagem à chapa com Alckmin e chantagem do PSB

Às ruas por Lula presidente com vice das lutas populares

ato paulista 7:11:21

Dia 12 é na Paulista por Fora Bolsonaro e Lula presidente

carteira vazia

Recessão e inflação: defender os salários com “gatilho”

alckmin e aceio paulista

Nós professores não queremos Alckmin. Nenhum trabalhador quer!

A esquerda que se opõe às ideias e à luta revolucionária

Contra o roubo dos salários, lutar pelo “gatilho salarial”

Unir já toda a esquerda e o povo por Lula presidente!

20 novembro

Neste sábado: abaixo o massacre do povo negro, Lula presidente!

Bloco Vermelho presta apoio a Cuba e convoca ato de solidariedade

“Plenária Vermelha”: uma vitoria contra a politica de capitulação

lula pco abc

Plenária Nacional do Bloco Vermelho agrupa contra a frente ampla

Mais de 150 assinaturas convocam Plenária Lula Presidente

cartaz plenária nacional

Dirigentes do PT, PCO, CUT e PCPB convocam Plenária Nacional

Aprender da derrota diante de Doria em SP

Servidores/SP: é preciso ir além da “pressão” parlamentar

Uma Plenária Nacional por Fora Bolsonaro e Lula presidente

A “esquerda” que luta contra a candidatura de Lula

“Centrais” golpistas atacam a CUT para defender carrascos do povo

PSOL decide não ter candidato mas não aprova apoio a Lula

Inflação dispara e mostra tendência geral de agravamento da crise

Fora todos os carrascos dos trabalhadores dos atos da esquerda!

Gilmar Mendes libera grandes empresas de pagar trabalhadores

Crise divide a direita e votação da “reforma” é adiada

BolsoDoria quer privatizar Sabesp, Petrobras e portos