Menu da Rede

fábrica gm general motors coronavírus

Pior novembro em venda de carros em cinco anos

Antonio Vicente Pietroforte

Antonio Vicente Seraphim Pietroforte, formado em Português e Linguística, é professor titular de Semiótica da FFLCH-USP, atuando nos cursos de graduação em Letras e em cursos de pós-graduação. É autor de 11 livros de ensaios semióticos, 8 livros de poesia, 3 romances, 2 volumes de contos; fez os roteiros de duas novelas gráficas e organizou 4 antologias.

Literatura

Ricardo Escudeiro e a luta continua

Poesia do Ricardo, por fim, vai além das lembranças de animes e mangás, tampouco sua luta não é aquela disseminada em academias burguesas

A implantação de um trauma e seu sucesso – Divulgação

Receba o DCO no Email

Quem é professor sabe muito bem que os dias de prova são os piores: pior para os alunos que não se prepararam, estudando suficientemente; pior para o professor, quando esquece um livro, jornais, uma revista qualquer, que ajudem a passar o tempo tedioso da espera dos exames. Assim, certo dia de prova, em que me lembrava tardiamente de não haver trazido nada para ler, sou abordado, antes de entrar na faculdade, por um rapaz gentil e sorridente, com um livro nas mãos para me presentear e, sem saber, salvar-me da morosidade das próximas horas. O rapaz era o poeta e editor Ricardo Escudeiro. O trabalho, seu segundo livro de poesia, Rachar átomo e depois, lançado em 2016, pela editora Patuá. Dali em diante, nos tornamos amigos; busquei por seu primeiro livro, Tempo espaço retratos, 2014, Patuá; em 2019, foi a vez de A implantação de um trauma e seu sucesso, o terceiro livro, ainda pela Patuá, agora em cooperação com a editora Fractal, dirigida pelo próprio Escudeiro, quem, nas biografias resumidas nos finais dos livros, nunca escondeu duas profissões além de poeta e agitador cultural: metalúrgico e professor.

Sobre sua poesia, deixo as indicações de seus livros para quem for buscar por eles; quero, em seguida, falar antes de sua postura poética, o que não deixa de ser, a seu modo, falar indiretamente de sua poesia. O Escudeiro, faz menos de um ano, ingressou na pós-graduação em criação literária, em nível de mestrado, sob minha orientação nos cursos de Letras da FFLCH-USP. Em seu trabalho, ele discute os temas associados, via de regra, à chamada literatura periférica, contrapondo-se ao esperado dela seja por leitores pequeno burgueses, sempre dispostos a não ver na periferia nada além de miséria e violência, seja pela crítica identitarista pautada por conceitos ingênuos ou confusos de classe social, etnia, gênero.

Lendo os poemas d’A implantação de um trauma e seu sucesso, pensei ter reconhecido menções ao Hyoga, personagem do anime Cavaleiros do Zodíaco, o cavaleiro da constelação de Cisne. As artes marciais são tematizadas com frequência na poesia do Escudeiro, menções a socos, chutes, jabs já apareciam nos livros anteriores. O que me chamou atenção, contudo, na referência ao cavaleiro de Cisne, não foi a alusão às artes marciais, mas a personagem por meio do qual ela é feita. O Ricardo é negro e é poeta da periferia, ele costuma apresentar-se assim, sua poesia, entretanto, coerente com seu projeto de pós-graduação em criação literária, dá novos sentidos aos temas das literaturas negra e periférica. Para prosseguir, cabe indagar que temas seriam esses.

Segundo o Escudeiro, e eu pude verificar isso também, já se insinua na literatura da periferia alguns tópicos, com os quais se espera caracterizá-la, seja enquanto estilo literário seja enquanto expressão das lutas sociais do proletariado. Entretanto, quando ela se torna mais um produto da indústria cultural, via editoras comerciais, insinuam-se, dessa vez insidiosamente, valores burgueses, que projetam nas culturas de periferia seus usuais preconceitos de miséria intelectual, isto é, de falta de cultura própria, de bandidagem para as personagens masculinas, de prostituição, para as femininas… não raro, em discursos políticos oportunistas, típicos dos partidos pequeno-burgueses. O Ricardo Escudeiro – e ao lado dele vale mencionar, pelo menos, Lilia Guerra, Hélio Neri e o Caco Pontes –, contrariamente a isso, faz uma poesia que não é facilmente identificada com a literatura periférica, não porque não seja um produto seu, mas porque vai de encontro a tais temas insidiosos, que procuram transformar os cidadãos periférico em ladrões, traficantes, sequestradores e prostitutas. Ou seja, a burguesia projeta seus próprios valores de bandidagem e prostituição em outras classes sociais, imaginando que todos se comportem como ela.

Evidentemente, sua poesia não se resume aos registros de personagens de desenhos animados vespertinos, em princípio, pensados para entreter crianças; vale lembrar, a propósito dessa arte também há muitos preconceitos, nessas animações, pelo contrário, são feitas discussões interessantes sobre classes sociais, sexualidade, amizade e companheirismo bem menos superficiais do que em novelas e seriados de televisão burguesas, com seus eternos dramalhões sem luta de classes. A poesia do Ricardo, por fim, vai além das lembranças de animes e mangás, tampouco sua luta não é aquela disseminada em academias burguesas, destinadas a modelar o sebo dos desocupados; trata-se, isto sim, de aprender a lutar para se defender dos avanços fascistas e da repressão do aparato policial… a luta expressa na poesia de alguém com as vivências de metalúrgico, professor e estudante, acostumado a enfrentar as costumeiras pancadarias na hora de fazer valer quaisquer reivindicações, inclusive, as reivindicações da poesia.

A opinião dos colunistas não reflete, necessariamente, a posição deste diário.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.