Menu da Rede

A farra das empresas de ônibus com dinheiro público

Carmen Diniz

Jurista, mestre em Direito Penal e Criminologia. Coordenadora do Capítulo Brasil do Comitê Internacional Paz Justiça e Dignidade aos Povos e do Comitê Carioca de Solidariedade a Cuba.

  • Capa
  • Colunistas
  • Paulo Freire e Cuba: educação e libertação

100 anos do educador

Paulo Freire e Cuba: educação e libertação

Pedagogo pregava que o indivíduo deveria aprender a "ler o mundo"

Paulo Freire – Foto: Reprodução

Receba o DCO no Email

Neste 2021, ano do centenário do patrono da Educação Brasileira, Paulo Freire, chegamos a esse 15 de outubro – Dia do Professor – aos trancos e barrancos no caos da pandemia e do pandemônio.

Uma vez que esse texto reflete as bases do Comitê Carioca de Solidariedade a Cuba é inevitável que se inclua aqui a educação cubana. Não há como entender a Revolução Cubana sem a contribuição seminal da educação. Essencial ao país, foi a educação que alterou profundamente a realidade cubana a partir da Revolução em Cuba e que tirou a população da inércia em que vivia. Antes dela, até 1958 o país contava com um milhão de analfabetos (além de outro tanto de analfabetos funcionais), meio milhão de crianças sem escola, um ensino fundamental que só chegava à metade da população e 10 mil professores desempregados. Tudo isso em uma população de 6,5 milhões de habitantes. Triste quadro presente ainda nos países neocolonizados da América Latina. É sabido que a Revolução cubana conseguiu transformar radicalmente essa situação especialmente com a Campanha Nacional de Alfabetização que em somente um ano (1961) declarou o país como Território Livre do Analfabetismo.

Aqui não se está enaltecendo Cuba em prejuízo de nossa realidade, mas sim para demonstrar a importância dos profissionais da educação brasileira que tem como seu patrono um gigante como Paulo Freire e de quem temos o maior orgulho. Ele, um admirador da Revolução Cubana – como não poderia deixar de ser..

Paulo Freire sempre disse que criar um projeto de sociedade é diferente de simplesmente alfabetizar. Não é ensinar a ler senão contribuir para que o indivíduo consiga “ler o mundo”, se autotransformando e se conscientizando . A partir daí a transformação social será concomitante e complementar como autodeterminação dos povos. O indivíduo passa a ter a leitura política da realidade. Paulo Freire e José Martí, o patrono da Revolução cubana, apesar de não terem sido contemporâneos, coincidem em muitas coisas: ambos desmontam o mito do eurocentrismo e lutam pela descolonização do pensamento, por pedagogias emancipatórias e reconhecimento das ideias do nosso subcontinente.
Cuba comprovou que é possível desenvolver uma educação com alto nível de qualidade – mesmo com precários investimentos. Por isso trazemos a educação cubana ao texto. Não para fazer uma comparação com nossa realidade e reforçar nosso permanente “complexo de vira-latas” como dizia o escritor, mas sim para ressaltar a possibilidade. A base da sociedade cubana é a educação. Sem ela, Cuba seria como qualquer outro país da região. Colonizado e explorado pelo capital – e disso nós entendemos bem.

Tudo isso aqui exposto em poucas linhas almeja estimular nossos homenageados a se inspirar nas mudanças que precisamos urgentemente. Precisamos de Freire, de sua pedagogia própria para superar a colonialidade pedagógica como ATO POLÍTICO. Pedagogia libertadora e humanizadora de toda a sociedade , descolonizando o pensamento. Pedagogia e escola para produzir indivíduos críticos Porque “Educar é um ato de amor “segundo Freire.
O compromisso dele – e do cubano José Martí – é com a vida digna de todos. A experiência de ser no mundo e a possibilidade de ser mais.

RECEBAMNOSSOS EDUCADORES POR PARTE DO COMITÊ CARIOCA DE SOLIDARIEDADE A CUBA OS PARABÉNS PELA NOBRE ESCOLHA QUE FIZERAM NA VIDA, NOSSORECONHECIMENTO POR SEU TRABALHO VALIOSO E QUE SAIBAM QUE ESTAMOS JUNTOS NA LUTA PELA TRANSFORMAÇÃO DA NOSSA SOCIEDADE – QUE VIRÁ, SEM DÚVIDA !

A opinião dos colunistas não reflete, necessariamente, a posição deste diário.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.