Eduardo Vasco

Jornalista especializado em política internacional. Colunista do Diário e do Jornal Causa Operária. Na Causa Operária TV, apresenta o Conexão América Latina às terças-feiras, o Correspondente Internacional às quintas, o Minta você mesmo às sextas e o podcast O Mundo em 1h às segundas. Apresenta ainda o programa Causa Operária, todas as sextas às 12h na Rádio Cultura de Curitiba AM 930.

Como será a reação?

Os humilhados serão exaltados

“Não é a consciência que determina a vida, mas a vida que determina a consciência”

Criar dois, três… muitos Afeganistãos! – Foto: Rahmat Gul/AP

Receba o DCO no Email

Era noite de sábado. Me despedi de Carla Bartz, após uma longa e agradável conversa sobre temas variados, de cinema a política internacional.

Entrei no metrô e, depois de me sentar, apareceu para mim um homem vendendo balas com seus dois filhos pequenos. Pouco depois, um segundo ambulante começou a oferecer seus produtos.

Artigos Relacionados

Ao meu lado, uma mulher de uns trinta anos, claramente da periferia, iniciava uma série de reclamações da destruição do sistema de saúde. Então ouvi de seus lábios: “tem que matar esse Bolsonaro!”

─ Matar o Bolsonaro? Dou dez reais. É desse jeito que eu posso contribuir, disse o vendedor ambulante.

A mulher, algum tempo depois, voltou a reclamar da inflação. “Tem que pedir esmola”, pensou ela, em voz meio alta, falando sobre o preço absurdo do botijão de gás.

Tudo isso acontecia enquanto eu lia um artigo de Edward Said, de título “Palestina: a realidade clara e atual”, datado de 1998.

“Agora em seu sétimo mês, a Intifada atingiu seu estágio mais cruel e sufocante para os palestinos. Os líderes de Israel estão claramente determinados a fazer o que sempre fizeram, ou seja, tornar a vida impossível para este povo que sofre injustamente”, começa o texto.

Não pude deixar de traçar um paralelo entre a situação dos palestinos, e do Oriente Médio em geral, mas também dos povos muçulmanos em outras partes, como no Afeganistão, e a situação dessas pessoas no Brasil, que vêm se tornando maioria da população.

São cerca de 90 milhões de desempregados reais no País, contando o número total de pessoas em idade de trabalhar que não encontram emprego fixo e minimamente digno. Antes do início da pandemia, mais de 220 mil pessoas viviam na rua no Brasil. Desde então, esse número aumentou em um grau ainda incalculável. “Não sabemos quantas pessoas estão em situação de rua, mas com a pandemia, é algo que nos salta os olhos (sic.). O número é expressivo, inclusive de crianças nos sinais pedindo dinheiro. Basta ir à rua e ver”, diz Veridiana Machado, do Comitê Intersetorial de Acompanhamento e Monitoramento da Política Nacional para a População em Situação de Rua (Ciamp-Rua), ao sítio da Fiocruz Brasília.

Na cidade de São Paulo, em julho os roubos aumentaram 7% e os furtos 21% em comparação com o mesmo mês do ano anterior. Os números oficiais, no Brasil inteiro, escondem a verdadeira catástrofe social que assola a população deste país.

Diante de um cenário desesperador como esse, frases como “tem que matar esse Bolsonaro” se disseminam na medida inversa em que a carne chega na mesa do trabalhador. Já ouvi moradores dizerem “Bolsonaro tem que morrer” dentro de uma favela. Era visível como, de alguma maneira, eles sentiam simpatia pelo PCC. Por isso Said se equivoca completamente ao escrever, no mesmo texto, que são “inaceitáveis” os atentados suicidades de homens-bomba palestinos.

O desespero é tão grande, a opressão é tão forte, que, da Palestina ao Afeganistão, inúmeras pessoas buscam nos atentados suicidas a solução para os seus problemas. No Brasil de 2021, a situação vai ficando tão desesperadora que não será grande surpresa se as pessoas começarem a pensar em soluções semelhantes.

Ao fazer baldeação e entrar em um novo trem, um outro homem de trinta e poucos anos começou a pedir esmola aos passageiros. Dizia que cerca de um mês atrás havia caído em um golpe. Um ladrão pedira três pizzas e ele fora fazer a entrega para o iFood. Chegando ao destino, foi surpreendido com uma arma apontada para sua testa. O ladrão levou sua moto.

Há vinte e um dias vê seus filhos olharem para ele com fome e não consegue pagar nenhuma conta, todas atrasadas.

“Não tenho vergonha. Vergonha é fazer as coisas erradas no mundo”, bradou, orgulhoso, dentro do trem.

Me pergunto quanto tempo vai demorar para que ele comece a fazer as coisas erradas, sem vergonha alguma. Porque seus filhos continuarão famintos. Assim como 120 milhões de brasileiros que se encontram em situação de “insegurança alimentar” ─ eufemismo para fome.

As pessoas agem conforme suas necessidades. “Não é a consciência que determina a vida, mas a vida que determina a consciência”, escreveram Marx e Engels em A Ideologia Alemã.

Saindo do trem, a última coisa que ouvi daquele homem foi algo sobre seu sentimento de humilhação. Mas ─ disse ─ “os humilhados serão exaltados”. Deus queira que seja assim. Mas as pessoas não são auto-humilhadas, e sim humilhadas por outrem. Os Palestinos, pelos israelenses. Os afegãos, pelos norte-americanos. Os brasileiros, também. Os afegãos, por vinte anos humilhados, conseguiram a redenção. Os talibãs são exaltados hoje pelo povo. Os brasileiros, e os humilhados do mundo todo, seguirão seu exemplo e se libertarão.

Os que pensam que os talibãs são violentos, que aguardem para ver a reação dos favelados brasileiros quando decidirem se vingar de seus opressores. Os grilhões se quebrarão somente com o barulho da revolta. Não restará pedra sobre pedra do que conhecemos hoje como sociedade burguesa. E não teremos o menor direito de criticar os homens-bomba de Paraisópolis ou do Jacarezinho quando explodirem as mansões e apartamentos dos Jardins ou do Leblon, quando decapitarem não só os Bolsonaros, mas também os Dorias, os Ciros e os Paes da vida.

Estarão errados? Não podemos partir de pressupostos morais para julgar as ações necessárias dos seres humanos. Essas pessoas nunca tiveram direito à educação, à cultura, ao tratamento digno. São mal-educadas, incultas, repugnantes. Quase selvagens. Afinal, foram jogadas na sarjeta da sociedade. Foram jogadas em uma selva, na qual é preciso ser muito bruto para sobreviver. Os que ficam horrorizados com um favelado falando em matar um presidente da República, ou com um jihadista obrigando as mulheres a ficarem em casa, não entendem que essas pessoas foram condicionadas a pensar e a agir dessa forma. E que só irão progredir em seus pensamentos e suas ações quando os grilhões forem quebrados, quando escaparem da selva em que foram jogados. Somente uma nova vida, que construa um novo ser social, irá mudar a consciência dessas pessoas.

Subindo a escada rolante, vi no telão da estação de metrô uma notícia sobre crianças hondurenhas detidas na fronteira entre o México e os EUA. Cheguei ao ponto de ônibus, em frente a um prostíbulo ─ tipo de estabelecimento que, ao contrário de tantos outros, multiplica-se conforme se aprofundam a miséria e o desemprego.

Ao entrar no ônibus, apalpei o traseiro para pegar minha carteira. Ela já não estava mais comigo.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.