Menu da Rede

Veja quem são os principais candidatos do PCO no Sul do País

Eric Menezes

Militante do Partido da Causa Operária. Coordenador do Coletivo de Negros João Cândido. Bancário e membro da Corrente Sindical Causa Operária.

  • Capa
  • Colunistas
  • É proibido festejar! E assim acabou o carnaval…

Carnaval

É proibido festejar! E assim acabou o carnaval…

A novela do carnaval é mais um episódio na extinção dos parcos direitos democráticos da república brasileira!

Festa na rua é o mesmo que passear na rua! – Foto: reprodução.

Receba o DCO no Email

Estamos nos últimos dias do primeiro mês de 2022 e um fato deixa a população trabalhadora cada vez mais atônita: a ausência das festas de carnaval. O carnaval que no Brasil não é uma festa única é, na verdade, um conjunto de festas que culminam numa convulsão social em finais de fevereiro, é responsável por trazer oportunidades únicas para a maioria da população pobre, a oportunidade de uma diversão autêntica, de trabalhar com prazer e até ganhar um pouco mais mas, principalmente, de ir pra e mostrar quem é e estar com quem quer.

Os decretos dos prefeitos e governadores foram bem rápidos em “determinar” o fim das manifestações com o fraquíssimo argumento da “disseminação da pandemia”, do aumento de casos, e pior, continuam culpando a população de ser responsável. Em completa contradição, por outro lado, vemos as festas privadas, as festas de camarotes, de clubes, de casas de shows, ambientes frequentados pela burguesia, plenamente autorizados e já acontecendo!

Esquecendo a política moralista e punitivista adotada pela esquerda, avalizando a direita já experiente na prática, vamos ao ponto central da problemática. Reprimir uma manifestação popular, a maior de todas, aquela em que o povo se prepara para agir de conjunto é um atentado completo aos direitos democráticos, ao direito irrestrito de pensamento e por conseguinte de manifestação – afinal de contas pensar e não poder expressar é o mesmo que não poder pensar.

As festas populares, aquelas que movimentam o setor mais oprimido e numeroso da população brasileira, são uma culminância do exercício das principal aspecto do que se conhece por “liberdades individuais” – que deveria ser irrestrito e inquestionável e resulta no direito democrático citado. As liberdades de livre pensamento, livre expressão, livre locomoção, que estão sendo sumariamente atropelados numa tacada só com a política anti-carnaval.

Para entendermos o tamanho do abuso, basta lembrar como a culminância do carnaval atual se desenvolveu. Foi nas ruas dos bairros operários, nas rodas de samba, nas festas de largo, nas festas religiosas, nas procissões e nas festas de bailes, por exemplo. Hoje, olhar para trás e pensar em proibir as pessoas de irem à rua – muitas vezes a rua de casa, a praça do bairro, a calçada dos vizinhos – de fazer qualquer uma dessas atividades parece ridículo, sem sentido e autoritário. Assim como querer proibir o próprio direito de estar na rua, de ir e vir, de estar em espaços públicos.

O que destaco é que, em primeiro lugar, as festas populares e, principalmente, o carnaval é uma manifestação das pessoas e não deve depender de autorização estatal. É como querer regular se você vai à rua para trabalhar ou para outra coisa como conversar com o vizinho, para sentar na calçada ou para “andar por aí” simplesmente. E não me venham com o argumento de “ah, é muita gente, é uma multidão na rua que precisa ser controlada”.

Usar esse argumento depois de dois anos de pandemia com ônibus, trens e metrôs lotados é um escárnio na cara do trabalhador pobre. Como acentuou um famoso meme “aglomerar no ônibus pode” ou, melhor, como deu o tom político adequado, os trabalhadores chilenos em 2019: se podemos trabalhar, podemos protestar!

Para completar, as festas de carnaval são para o setor mais pobre e explorado da população –  aquele que está aos milhões sem emprego, sem auxílio social, morando em condições sub humanas – uma das poucas oportunidades do ano para juntar a família para tirar uma grana para garantir o sustento de alguns dias vendendo bebidas, alimentos, materiais recicláveis, fazendo um bico nas festas da burguesia. O que torna a política tocada por prefeitos e governadores praticamente de todo o país uma política criminosa que tira o sustento, ainda que parco, de milhões de pessoas nesses três primeiros meses do ano, e não coloca nada em seu lugar.

Como vimos desde o começo da pandemia, para evitar de gastar o orçamento público com o povo pobre trabalhador os governantes adotam uma política autoritária, repressiva e que solapa de vez o resquício de democracia que ainda existe no país. Vimos esta política ao não haver a compra e aplicação de milhões de testes para que o trabalhador que sempre esteve nas ruas e nas aglomerações do trabalho, pudesse testar e se cuidar, além do próprio governo poder criar meios de controle racionais, vimos essa política na não contratação de médicos e técnicos de saúde em uma quantidade realmente grande para agir diferente, já que se dizia que “estamos em guerra contra o vírus” (pura balela). Vimos essa mesma política para decretar o fim das parcas medidas de restrição, quando os empresários decretaram que não dava mais para aguentar as medidas, pois “não dava pra ficar pagando auxílio pra esse povo todo”. A política de não investir no povo e deixar os recursos públicos para serem consumidos pela grande burguesia, pelos monopólios, pelos latifundiários e especuladores financeiros (banqueiros) principalmente.

Querendo fazer, haveria incontáveis formas de garantir eventos em espaços abertos que representariam um risco muito menor, criando diversos pontos de festa pela cidade, reduzindo a capacidade, aumentando o número de funcionários públicos para orientar a população, organizando e dando condição aos trabalhadores, dando um sistema de transporte descente para os bairros periféricos em volume suficiente. Ou seja, muitas das condições que as festas privadas terão e que os governantes, os mesmos profetas da Covid que atacam diuturnamente o trabalhador de ser o disseminador do vírus, farão questão de não intervir.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.