Menu da Rede

20211024150250 1635096648042 1 1 (1)

Cristiano Ronaldo chuta jogador. E se fosse Neymar?

Victor Assis

Militante do Partido da Causa Operária desde 2016 e membro do Coletivo de Negros João Cândido. Colunista do Diário e apresentador da Causa Operária TV.

Primeiro de maio

Contra fatos, não há argument…

Ato vitorioso organizado pelo PCO mostrou, na prática, que é possível organizar os trabalhadores, mesmo em tempos de pandemia

Militantes cantam “A Internacional” em ato de primeiro de maio (2020). Foto: Diário Causa Operária –

Receba o DCO no Email

Por Victor Assis

Na última sexta-feira (1º), mais de cem pessoas estiveram presentes no ato de primeiro de maio organizado pelo Partido da Causa Operária (PCO) na cidade de São Paulo. A atividade, que aconteceu em local fechado e foi restrita a convidados, reuniu delegações de todas as regiões do país e até mesmo uma representante do PCO na Europa.

O grande sucesso da atividade, no entanto, não está somente em seus números, mas sim, sobretudo, por ela ter acontecido em circunstâncias muito específicas: no momento em que a epidemia de coronavírus se encontra em uma crescente no Brasil. Os últimos dados oficiais relatam a morte de nada menos que 6.633 pessoas por causa da doença, o que está levando o país para as primeiras posições do sinistro ranking de vítimas fatais da pandemia.

A situação é extremamente grave — talvez, mais do que em qualquer outro momento da história da classe operária brasileira. O alto nível de contágio do coronavírus encontrou, na destruição dos sistemas de saúde em todo o mundo, a condição ideal para causar um grande estrago. Mais do que nunca, os trabalhadores se vêem confrontados com a necessidade histórica de assumir o protagonismo de seu próprio destino.

O chamado é necessário, urgente, desesperado. Pessoas já são enviadas para morrer em casa, outras são largadas à própria sorte nas ruas. E, como se não bastassem os pulmões, sucumbindo à tosse incessante e às paradas respiratórias, a barriga, cientificamente intransigente, inflexível, já começa a roncar. Mas, diante desse quadro, onde foi parar a esquerda? Que se fez dela, que tão prontamente defendia o povo em seus discursos inflamados no parlamento?

A esquerda foi parar embaixo da cama. Antes que o vírus colecionasse seu primeiro milhar de vítimas, as direções da esquerda pequeno-burguesa já haviam trancado seus sindicatos, dispensado seus funcionários, retirado seus militantes das ruas e, finalmente, decretado a quarentena da luta de classes. A luta de classes, contudo, que não conhece qualquer decreto, se intensificou ainda mais — e, na confusão em que a esquerda se meteu, acabou por dissolver todos os que estavam perdidos em uma massa amorfa e profundamente direitista, a qual estão dando o nome de unidade nacional.

Os últimos dois meses têm sido atípicos. Fomos obrigados a assistir dezenas — ou centenas, ou milhares, já perdi as contas — de companheiros que, outrora críticos aos parasitas que hoje respondem pelo nome de centrão, passaram a defender abertamente vigaristas como Luiz Henrique Mandetta. Até mesmo o mais descrente na política de tipo reformista da esquerda nacional recebeu com algum grau de surpresa a notícia de que a Central Única dos Trabalhadores — a poderosa CUT — iria participar de uma operação que envolvia figuras como FHC, além de Rodrigo Maia, João Doria, Wilson Witzel e outros fascistas.

Não, não é loucura. É pura histeria. É a reação da pequena burguesia diante da crise — crise essa que ainda deverá se acentuar bastante. Movidos pelo desespero e pela mais completa falta de princípios — dito de outro modo, pelo distanciamento da ciência social, o marxismo —, tais companheiros perderam completamente a cabeça. E sem a cabeça, já não conseguem mais usar a razão. Rebatem argumentos, teoria, a política e a história com chavões, gritaria, chiliques e apelos ao absurdo.

Com o primeiro de maio classista organizado pelo PCO, no entanto, eis que se abre uma nova oportunidade para que os companheiros encontrem o caminho da luta de classes, o caminho da luta contra a direita. Com o ato, agora está mais do que provado. É possível organizar os trabalhadores, mesmo com a pandemia. É possível e é necessário. Ou melhor, é necessário, por isso possível.

O ato marcou mais um ponto para a luta dos trabalhadores, um ponto a menos para a histeria. A mobilização em plena pandemia é agora um fato, e contra fato não há argumentos. Se bem que, dado o nível de histeria em que se encontram alguns setores da pequena burguesia, a cegueira perante aos fatos hão de permanecer…

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.