Menu da Rede

freixo

A esquerda “raiz” e a esquerda “nutella”

Literatura

Conhecer Hélio Neri

"O Hélio é assim... ler seus poemas é escutar sua voz aguda, tranquila, amistosa, firme... voz de companheiro de luta, digno de confiança"

Livro Vida inútil – Foto: Reprodução

Receba o DCO no Email

Faz algum tempo, sempre que me encontrava com amigos poetas e editores alternativos, alguém dizia: você precisa ler Hélio Neri! Fui buscar e precisava mesmo. No início de 2021, o Hélio entrou em contato comigo e me deu a oportunidade de escrever a orelha de Vida útil, seu novo livro de poesias, lançado logo agora, no segundo semestre, pela Corsário-Satã. Mas como seria ir além daquela necessidade e arriscar, em poucas palavras, uma forma de ler sua poesia, já que ler, no caso, quer dizer interpretar? Sua poesia é hermética, cheia de versos obscuros, carregados de figuras de linguagem e efeitos sonoros? Longe disso, sua poesia não é difícil de ler e é, justamente aí, que ela ganha sua dificuldade.

Quando ouvi pela primeira vez a canção “Dívidas”, de Paulinho da Viola, do álbum Memórias cantando, de 1976, senti algo parecido quando li, quase meio século depois, a poesia do Hélio. Na canção são narradas as desventuras de algumas pessoas, moradoras do morro – a canção não especifica qual deles, o que lhes dá universalidade entre os explorados pela burguesia em quaisquer partes do mundo –, às voltas com a cobrança de dívidas, contraídas nas modestas mercearias da comunidade. No último, verso o poeta diz “era menino, mas me lembro muito bem”. Na época, tinha eu quatorze anos e me lembro do quanto aquela crônica era plena de sentido, embora eu não soubesse compreendê-la com facilidade. Agora, com mais de cinquenta anos, sinto o mesmo lendo os versos do Hélio: como ler suas crônicas? De que modo, nelas, a poesia surge?

Não se pode responder a isso de modo ligeiro, mas posso arriscar, pelo menos, seguir duas trilhas abertas para mim pela poesia do Hélio, que gostaria de partilhar. Tudo cabe na literatura… os poetas podem insistir na metalinguagem, mostrando a poesia dos próprios códigos em que ela se manifesta, enquanto outros preferem a fruição das palavras, construindo seus temas por meio da declamação quase musical dos versos, muitas vezes improvisados… há os poetas das formas fixas, compondo sonetos, haikai, madrigais, entre tantas delas, e há os poetas que fazem versos conversando conosco. O Hélio é assim… ler seus poemas é escutar sua voz aguda, tranquila, amistosa, firme… voz de companheiro de luta, digno de confiança. Penso que tal impressão de firmeza vem da sinceridade com que o Hélio fala do mundo e da realidade miserável descrita por ele, facilmente vulgarizada na boca dos demagogos. Ele não se exalta, não descamba a vociferar contra o sistema… ele descreve a mazela humana gerada pelo capitalismo sem subterfúgios; sua denúncia, antes de comover, traz a consciência política expondo os motivos das revoluções. Esta é a primeira trilha: seu tom de voz, sua entonação poética tão bem articulada com seu social realismo.

O outro caminho é traçado por sua crônica. Tematizar o mundo não é simplesmente falar das coisas cotidianas; trata-se de fazer recortes dessa realidade, construindo-a por meio das escolhas realizadas. Alimentados por sua voz ao mesmo tempo que a justificam, seus recortes incidem nas mazelas sociais mais contundentes não por serem raras e ocasionais, como são as exceções, mas por serem regra frequente.

Por fim, o que faz da arte do Hélio poesia além da denúncia social, da entonação de poeta e da sinceridade? Não consigo definir arte – creio que ninguém consegue – para demonstrar objetivamente minhas impressões; consigo sugerir, contudo, meus modos de ver a beleza de uma poesia cujo um dos temas principais é a desumanização. Essa beleza, penso eu, vem, paradoxalmente, da humanização do poeta e, por decorrência, de todos aqueles que, tão imersos na peste emocional do capitalismo quanto ele, dela se curam para combatê-la.

A opinião dos colunistas não reflete, necessariamente, a posição deste diário.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.