Menu da Rede

Acompanhe o Resumo do Dia na COTV

Joao Vitor Dauzaker

Redator e colunista do Diário Causa Operária. Dirigente do Partido da Causa Operária. Estudante de Letras na FFLCH-USP e coordenador nacional da Aliança da Juventude Revolucionária (AJR).

Identitarismo

Reescrever a história do Brasil

O verdadeiro inimigo da população indígena hoje é o latifúndio

índio yanomamis atacados em Roraima – Reprodução

Receba o DCO no Email

No final deste mês de agosto incendiaram, ou tentaram sem muito sucesso — ainda bem — a estátua de Pedro Álvares Cabral no Rio de Janeiro. O protesto é, em tese, contra o marco temporal para demarcação de terras indígenas. 

O marco temporal é um projeto absurdo, um ataque dos latifundiários aos indígenas que pode anular mais de 300 terras indígenas com apenas uma canetada. Bolsonaro está, inclusive, pressionando para que seja aprovado o projeto em favor dos latifundiários. 

É preciso protestar contra o avanço do latifúndio sobre os indígenas, mas atacar estátuas não é uma luta e não irá beneficiar a luta de nenhum oprimido. A luta contra estátuas, se é que podemos chamar isso de luta, é vazia. Seu único sentido é desviar o foco contra os verdadeiros inimigos dos povos indígenas e dos que reivindicam a terra no Brasil para algo simbólico, abstrato, sem real propósito. Não se trata de uma verdadeira luta. 

Acontece, no entanto, que queimar a estátua do homem considerado o descobridor do Brasil tem significado mais profundo. Os identitários já atacaram a estátua de Borba Gato, com o objetivo de fazer um ataque aos bandeirantes. Uma estátua de um homem que viveu nestas terras há 300 anos. 

Primeiro rejeitaram o que os bandeirantes realizaram no Brasil. Agora querem atacar aquele que é considerado o descobridor das terras que viriam a se tornar Brasil, que viria a se tornar a nação que vivemos hoje. 

Cabral foi um soldado, um navegador. Não colonizou nada, nem realizou nenhum genocídio. Esse ataque, neste sentido, não é uma luta contra a opressão, mas contra a nacionalidade brasileira. Estão dizendo que o que ocorreu no Brasil não deveria acontecer, mas esclarecemos, não se trata de Borba Gato e os bandeirantes, mas do próprio Brasil. Querem transformar a história nacional em crime contra a humanidade e isso só pode servir ao imperialismo. 

Qual a ideia que querem transmitir? Que o Brasil não deveria existir ou que querem escrever a história do Brasil a sua moda. São fanáticos iguais aos fanáticos religiosos e querem acabar com a história nacional por um motivo moral. São contra o Brasil porque o único Brasil que existe é este que temos hoje. 

Eis o lema dos identitários, que está ficando cada vez mais claro. 

Há alguns mais radicais que falaram que devemos erradicar a cultura brasileira porque ela é o que é. 

Os métodos dos identitários, como atacar estátuas, mudar nome de rua, ter uma linguagem “inclusiva” não são métodos de luta do povo; só existem na universidade. Trata-se de uma política pelega, orientada conforme os interesses de uma ínfima minoria. É mais ou menos assim: enquanto Djamila Ribeiro pode fazer propaganda para a Prada e comprar uma bolsa que custa R$ 16.000 a esmagadora maioria do povo negro continua sofrendo a extrema violência policial nos bairros e favelas do Brasil. 

É uma luta contra símbolos, não contra algo concreto, contra o regime político. Não querem combater o imperialismo e seus representantes no país, mas subir na vida. 

Trata-se de uma política destinada a satisfazer o carreirismo de uma parcela extremamente adaptada ao regime político e que não se importa com os interesses da maioria do povo oprimido. 

Neste caso, enquanto colocam fogo numa estátua, não fazem nada em defesa dos indígenas que estão sendo atacados diariamente pelos latifundiários. Cabral não é repressor de indígena nenhum, mas os latifundiários são os responsáveis pelos ataques as aldeias. 

Será muito mais produtivo organizar um ataque aos garimpeiros que atacam os índios, ir para Roraima e defender os indígenas yanomami que recentemente tiveram suas terras invadidas por pistoleiros que mataram cinco dos seus do que incendiar qualquer estátua.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.