Menu da Rede

“Censura não muda a situação da mulher na sociedade”

  • Capa
  • Colunistas
  • Boulos e os aparelhos privados de hegemonia burgueses

Cooptação e luta popular

Boulos e os aparelhos privados de hegemonia burgueses

Este texto visa contribuir com o debate sobre a presença de uma liderança de esquerda, no caso Guilherme Boulos, na folha de salários do Instituto para Reforma das Relações Estado

Imagem do filme Lion: uma jornada para casa (2016). No capital, a filantropia é a resposta para todos os males. – Foto: Dvulgação

Receba o DCO no Email

Este texto visa contribuir com o debate sobre a presença de uma liderança de esquerda, no caso Guilherme Boulos, na folha de salários do Instituto para Reforma das Relações Estado e Empresa (IREE), conforme noticiou o Diário da Causa Operária.

Nosso intuito aqui é entender o IREE a partir da definição de Aparelho Privado de Hegemonia (APH), conforme formulado pelo filósofo marxista italiano Antonio Gramsci (1891-1937).

No Brasil contemporâneo, este conceito tem servido de base para análises sobre a conjuntura nacional de historiadores como Virgínia Fontes, da Universidade Federal Fluminense (UFF).

Em uma apresentação em São Paulo, no final de 2019, a professora usou o termo de Gramsci para mostrar como a burguesia brasileira tem agido para manter sob controle o Estado e os movimentos populares de acordo com seus interesses.

Em um sentido geral, os APHs são organizações da sociedade civil, como escolas, igrejas, sindicatos, partidos, imprensa e outros.

Essas entidades podem tanto representar os interesses da classe trabalhadora, quanto os interesses da classe dominante, como os sindicatos patronais, por exemplo.

“Essa associatividade está sempre ligada às classes sociais”, alerta Fontes. “Embora nem sempre isso apareça claramente”.

“No Brasil, ao longo do século XX, o Estado foi absolutamente aberto para a expansão dos aparelhos associativos burgueses e totalmente truculento e violento com as organizações populares”, conta.

Após a promulgação da constituição de 1988, a burguesia começou a se organizar de maneira um pouco diferente. Foi quando surgiram as fundações empresariais de base filantrópica e sem fins lucrativos e os institutos liberais multissetoriais.

Este conjunto associativo tem como funções “convencer e formar trabalhadores e lideranças dos trabalhadores”.

“Esses aparelhos empresariais tentam conter e formar lideranças populares principalmente em três áreas: educação, racismo e feminismo”, explica Fontes, mostrando a origem de um fenômeno que o PCO denuncia como identitarismo pequeno-burguês e que é amplamente aceito por boa parte da esquerda.

Para ela, essas pautas são sensíveis porque a burguesia reconhece que “é nelas que a luta contra o capital está, portanto é preciso desarmá-las”, explica.

A pesquisadora oferece inúmeros exemplos e concentra-se em um específico, o Movimento Todos pela Educação. “O empresariado no Brasil organizou entidades da sociedade civil para educar o Estado brasileiro e para definir o que deveria ser a política de educação, prevista na constituição, e como esta política deveria ser formulada, avaliada e implementada”, revela.

“Para enfrentar o capital é necessário entender onde está o capital”, diz. “Quando você entra nos sites desses institutos”, continua, “e são milhares de sites dessa sociedade civil empresarial, eles afirmam que estão transformando o mundo”. “Se está dando tão certo, algo já deveria ter mudado, não é?”, questiona, para confirmar: “isso se chama luta de classes”.

No ambiente político brasileiro, a apropriação de pautas populares pelo capital levou a um resultado nefasto. “Significou corroer completamente a estrutura partidária. Os partidos dobraram-se, por um lado, ao financiamento empresarial e, por outro, à pauta empresarial. A devastação democrática que eles produziram é terrível”.

Fica claro que a existência do IREE segue a cartilha da sociedade filantrópica de base burguesa. O instituto compõe uma rede internacional, com parceiros como o Global Americans. Não por acaso, visa a formação de lideranças que se dizem de esquerda como Guilherme Boulos, com anuência do PSOL, como mostrado no DCO.

O mais grave ainda é a naturalização do debate, como se a cooptação espúria representasse o único caminho possível para a classe trabalhadora, visto que vem camuflada com expressões como “debate democrático e plural”.

Não passa de propaganda e de manipulação.

A matéria sobre a relação entre o IREE e Guilherme Boulos é apenas a ponta do iceberg. Um outro exemplo conhecido é o da deputada Tabata Amaral e da Fundação Lehman.

Eles são o resultado de uma estratégia concreta de cooptação a partir desses aparatos hegemônicos “sem fins lucrativos” e “filantrópicos” que visam influenciar o resultado das eleições e o sistema político partidário no Brasil.

É preciso investigar e expor este sistema de APHs empresariais em sua totalidade.

Para assistir a aula completa da Professora Virgínia Fontes, visite este link do YouTube: https://youtu.be/URXPCbGyKWU

A opinião dos colunistas não reflete, necessariamente, a posição deste Diário.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.