Menu da Rede

Análise Sindical entra no ar em instantes

Antonio Vicente Pietroforte

Antonio Vicente Seraphim Pietroforte, formado em Português e Linguística, é professor titular de Semiótica da FFLCH-USP, atuando nos cursos de graduação em Letras e em cursos de pós-graduação. É autor de 11 livros de ensaios semióticos, 8 livros de poesia, 3 romances, 2 volumes de contos; fez os roteiros de duas novelas gráficas e organizou 4 antologias.

  • Capa
  • Colunistas
  • As adaptações para os quadrinhos: inovação ou picaretagem

Clássicos da Literatura

As adaptações para os quadrinhos: inovação ou picaretagem

Obras vêm sendo adaptados porcamente por motivos comerciais

Adaptação de “Moby Dick”, por Bill Sienkiewicz – Imagem: Reprodução

Receba o DCO no Email

No universo dos quadrinhos, alguns artistas se arriscam na adaptação de contos ou romances para a linguagem da HQ. Nesse tópico – um tópico bastante próximo dos quadrinhos comerciais –, cabe indagar qual seria a utilidade pedagógica das adaptações dos clássicos da literatura, sejam eles nacionais ou estrangeiros, para o ensino dessa mesma literatura. A esse respeito, há, pelo menos, duas posturas levadas adiante: (1) as adaptações são o resultado de demandas do artista, lançado ao desafio de traduzir a linguagem verbal da literatura para a linguagem verbo-visual dos quadrinhos, preservando sua liberdade criativa, inclusive a de interferir nas narrativas de origem; (2) as adaptações são malandragens endossadas pelas editoras, buscando, em supostas facilitações pedagógicas da literatura via HQs, apenas vender inescrupulosamente quadrinhos de má qualidade. No último caso, a liberdade criativa é nula; a adaptação deve ser “realista” e a mais próxima possível da narrativa de origem.

Vulgarmente, a prosa literária é identificada apenas a seus significados. Segundo quem acredita nisso, a manifestação da prosa nas línguas humanas teria importância menor ou, até mesmo, nenhuma importância, pois toda prosa, desse ponto de vista, seria limitada às tramas inventadas. Ora, isso é estupidez! O valor da literatura está, justamente, na utilização das línguas enquanto arte, seja na poesia, seja na prosa. Machado de Assis ou Guimarães Rosa não se resumem às tramas concebidas em seus contos e romances; o que faz deles grandes nomes da literatura é o trabalho com a língua portuguesa. Isso é óbvio, menos para os editores comerciantes e para alunos e professores preguiçosos, que não gostam de ler.

Há excelentes adaptações da literatura para os quadrinhos: (1) Bill Sienkiewicz adaptou, com maestria, o clássico da literatura Moby Dick, de Herman Melville; (2) Guido Crepax transformou em quadrinhos os romances Drácula, de Bram Stoker, O Médico e o Monstro, de Robert L. Stevenson, Justine – os Infortúnios da Virtude, de Sade, A Vênus das Peles, de Sacher-Masoch, História de O, de Pauline Reage, e vários contos de Edgar Allan Poe; (3) Marcatti fez uma adaptação excelente da Relíquia, de Eça de Queiroz, e está adaptando Os Miseráveis, de Victor Hugo.

Em todas essas adaptações, os artistas interferiram nas tramas, valendo-se dos textos originais como pontos de partida para a criação artística. Em termos pedagógicos, aqueles exemplos servem para discutir os desdobramentos da arte e da criatividade e não para diluir, desonestamente, o ensino das línguas e de suas literaturas. O que as editoras comerciais promovem não é o diálogo semiótico entre as linguagens literárias e a linguagem das histórias em quadrinhos; seus objetivos resumem-se a facilitar a vida dos maus alunos. Com tais procedimentos, não é ensinada literatura e nem história em quadrinhos; ler HQs, para esses preguiçosos, seria supostamente mais fácil do que ler livros… trata-se de se eximir de ensinar e de aprender.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.