Menu da Rede

Conferência aprovou luta contra reformas e por Lula presidente

Ascânio Rubi

Ascânio Rubi é um trabalhador que gosta de pensar. Autodidata, tem interesse por várias áreas do conhecimento, sobretudo as ligadas à linguagem. Fisicamente, é meio parecido com um certo velho barbudo, de quem toma emprestada a foto ao lado.

LINGUÍSTICA IDENTITÁRIA

A quem serve o “racismo linguístico”?

É difícil "higienizar" o vocabulário na marra, por mais que a esquerda pompom se esforce nesse sentido, mas, se a empreitada fosse bem-sucedida, que ganhos teriam os negros?

Loja embarca na versão identitária da história das palavras – UOL/ Reprodução

Receba o DCO no Email

No último dia 21 de novembro, Dia da Consciência Negra, boa parte da imprensa se dedicou a reproduzir cartilhas identitárias que vêm disseminando listas de palavras e expressões supostamente racistas da língua portuguesa. O espírito dessas matérias é sempre o mesmo: o texto dirige-se diretamente ao leitor, em tom professoral, e o adverte de que os termos devem ser extirpados do seu vocabulário.

Um desses textos, da BBC Brasil, publicado na Folha de São Paulo, acabou gerando confusão porque os leitores questionaram as fontes da matéria. A reportagem tratava como conhecimento certo o que não passava de versões fantasiosas da origem das expressões.

Quem tem um mínimo de conhecimento de língua sabe que encontrar a origem das palavras é uma tarefa muito complexa a que se dedicam alguns estudiosos, os quais são os primeiros a advertir da dificuldade de chegar a resultados seguros e, mais importante ainda, do risco de cair em esparrelas ou anedotas curiosas sem nenhum fundamento. Digamos que a reportagem caiu no tão falado “negacionismo”, pois, em vez de buscar ouvir os linguistas e historiadores, rendeu-se à propaganda identitária.

Quem já não assistiu a um vídeo de um homem negro supostamente africano dizendo estranhar o fato de tudo o que tem a palavra “negro” em português ser negativo? Há vários anos, a história circula com diferentes personagens dizendo a mesma coisa. Então vêm as interpretações de que “lista negra”, “mercado negro” e até “magia negra” fazem referência a pessoas de pele negra, o que só convence os ingênuos e os ignorantes. O adjetivo “negro” está associado à ausência de luz (“noite negra”), portanto à morte e também àquilo que se faz às escuras, não às claras (daí a ideia de mercado negro ou paralelo).

A expressão “inveja branca”, usada no sentido de “inveja boa”, “sem maldade”, também entrou nessas listas, pois associar o “branco” a uma “coisa boa” seria racismo. A apresentadora Ana Maria Braga teve de pedir perdão nas redes sociais por ter usado essa expressão, sob pena de ser cancelada por atitude racista ou até processada por injúria racial coletiva ou qualquer coisa do gênero. A cor “branca”, nesse caso, nada tem a ver com cor da pele; “branco” é a ausência de cor (veja-se a expressão “passar em branco”, que não é “positiva”), como se a inveja fosse desbotada de seu sentido negativo.

Até o verbo “denegrir”, que já existia no latim, passou a ser uma referência racial, segundo a etimologia identitária. Na verdade, está ligado à ideia de manchar um tecido (escurecer por mancha) e é dessa ideia de “manchar” que vem o seu sentido negativo.

Um dos exemplos mais curiosos talvez seja o da palavra “criado-mudo”, que os identitários vêm afirmando ser uma referência a um escravo (ou “escravizado”) que passava a noite mudo ao lado da cama de seu senhor para auxiliá-lo na eventualidade de este precisar urinar ou defecar. Consta que guias turísticos já vêm propagando essa história também.

A loja de móveis Etna, alguns se lembrarão, fez uma campanha publicitária há alguns anos, na qual divulgava essa anedota e assegurava à clientela que passaria a vender “mesas de cabeceira”, não mais “criados-mudos”. Tudo indica, porém, que “criado-mudo” seja uma simples tradução do inglês “dumbwaiter”, que é uma mesa de serviço portátil ou mesmo um elevador de transporte de refeições. Independentemente da origem, no entanto, a maioria das pessoas nunca tinha ouvido falar nessa história e, por óbvio, não estava sendo racista ao chamar a mesinha de “criado-mudo”.

Sem entrar no mérito de cada um dos “verbetes”, fica a pergunta: a quem interessa essa campanha? Do ponto de vista prático, é muito difícil “higienizar” o vocabulário na marra, por mais que a esquerda pompom se esforce nesse sentido, mas, caso essa empreitada fosse bem-sucedida, que ganhos teria a população negra oprimida? Difícil dizer.

O que parece mais plausível é que essas supostas interpretações sirvam para “comprovar” a tese do racismo estrutural, cujo subproduto é dividir as pessoas segundo um critério racial, invisibilizando a real divisão da sociedade, que se expressa na luta de classes.

A opinião dos colunistas não reflete, necessariamente, a posição deste Diário.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.