Menu da Rede

Putin:Ações da Europa no setor de energia é “suicídio econômico”

Felipe Maruf Quintas

Mestre e doutorando em Ciência Política pela Universidade Federal Fluminense (UFF)

Brizola Eterno

100 anos de Brizola

Legado de Leonel Brizola pertence ao povo brasileiro

Leonel Brizola – Hora do Povo

Receba o DCO no Email

Gostando-se ou não do Velho Briza, não se pode negar que ele foi um dos últimos grandes políticos brasileiros com ideais sinceros e capaz de colocar o Brasil acima de picuinhas partidárias, em detrimento, às vezes, da própria reputação, como quando se colocou contra o impeachment de Collor. Sua obra deve ser conhecida e reconhecida por todos os brasileiros comprometidos com as causas da soberania e da justiça social, independentemente de filiações partidárias. Seu legado pertence ao povo brasileiro, não a um ou outro partido.

O idealista, contudo, não fez das suas convicções desculpa para a inação. Governador de dois estados, o Rio Grande do Sul e o Rio de Janeiro, mudou para melhor a história de ambos e serviu de inspiração até para os adversários.

No RS, criou mais de 5.500 escolas, distribuiu terras, desenvolveu a agricultura canavieira criando a Agasa (Açúcar Gaúcho S.A.), construiu as hidrelétricas de Jacuí e Charqueadas, lançou o projeto da Aços Finos Piratini, ponta de lança do forte industrialismo gaúcho nos anos 70, fundou a Caixa Econômica do RS e, em parceria com os governadores de Santa Catarina e Paraná, o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE). Além disso, encampou a ITT e começou a estruturar a telefonia gaúcha, servindo de modelo para Carlos Lacerda fazer o mesmo na Guanabara (atual cidade do Rio de Janeiro) com a CTB, transformada em CETEL.

No RJ, criou os CIEP – programa educacional, cultural, social, sanitário e industrial ao mesmo tempo -, que se tornariam modelo dos CEU da Marta Suplicy em São Paulo, o Sambódromo, a Linha Vermelha, encampou várias linhas de ônibus barateando seu custo, abriu várias frentes de crédito pelo Banerj à pequena e média agricultura no interior do estado e implantou o policiamento comunitário, reduzindo os furtos e assaltos em vários pontos da cidade.

No que diz respeito especificamente aos CIEP, a sua maior marca governamental, eles representaram uma mudança de concepção na educação pública. Antes voltada basicamente para a instrução técnica dos jovens, tornou-se, a partir de Brizola, o eixo de estruturação de abrangentes políticas sociais e de desenvolvimento econômico e, sobretudo, humano. Além de aprenderem as disciplinas obrigatórias, os alunos faziam cinco refeições diárias de alta qualidade, compostas de alimentos frescos e saudáveis comprados da pequena agricultura local, praticavam esportes e atividades culturais, obtinham tratamento médico e odontológico, e voltavam para casa de banho tomado. O material de construção dos CIEP era fabricado pelas Fábricas de Escolas, unidades fabris criadas por Brizola, gerando emprego e desenvolvimento industriais no RJ.

Administrador público exemplar, as críticas mais comuns a Brizola são todas infundadas. Ele nunca proibiu a polícia de fazer operações contra o tráfico em morros, apenas exigia ordem judicial, que é o básico do básico num Estado de Direito. Tampouco incentivou a favelização do RJ, pois isso aconteceu em todo o país na época e a política de regularização dos lotes urbanos que ele praticou não diferia em nada da que já vinha sendo feita pelos governos militares com o Profilurb – Programa de Financiamento de Lotes Urbanos. As causas da favelização, aliás, são muito complexas e não dependeram de nenhum governo específico, mas, por questão de espaço, não caberia discuti-las aqui.

Brizola cometeu erros? Claro, como todo mortal. Ele se empolgou demais com o sucesso da Campanha da Legalidade e, involuntariamente, tornou-se um elemento radical e desestabilizador do governo Jango, o que depois ele mesmo reconheceu. Depois de 1964, cometeu o erro de tornar-se líder de guerrilha, mas reavaliou sua posição e iniciou uma autocrítica que culminaria na sua adesão posterior, inscrita na Carta de Lisboa, a uma versão nacionalista da socialdemocracia, exatamente o que Jango propunha e ele não entendera na época. O que faz o gigante não é não cometer erros, mas reconhecê-los e reavaliá-los para fazer diferente e melhor.

Esse pequeno texto não faz nem pretende fazer jus a toda a contribuição de Brizola ao Brasil, mas levanta alguns pontos para que, no centenário dele, a sua obra e o seu legado possam servir de inspiração a um Brasil que perdeu a inspiração.

*A opinião dos colunistas não reflete, necessariamente, a posição deste Diário

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.