Menu da Rede

pco (1)

Tentam calar o Coletivo de Negros João Cândido

  • Capa
  • Moradia e Terra
  • “Titula Brasil” de Bolsonaro é a privatização dos assentamentos

Antipolítica agrícola

“Titula Brasil” de Bolsonaro é a privatização dos assentamentos

Programa do governo favorece o avanço do latifúndio, a privatização da terras e põe fim a política de reforma agrária.

Titula Brasil, uma farsa a favor do agronegócio – Foto: Reprodução

Receba o DCO no Email

O programa Titula Brasil, de Bolsonaro, tem por objetivo transformar os assentamentos em pequenas propriedades privadas. Esse programa, ao contrário do que possa parecer, não fará a necessária reforma agrária, apenas colaborará para o avanço do agronegócio sobre essas terras. Esmagado pela inevitável concorrência do latifundiário, que recebe apoio subsidiário do Estado e controla todo mercado agrícola, o pequeno proprietário será obrigado a vender suas propriedades, caindo na armadilha da privatização e concentração das terras.

O Movimento dos Sem Terra (MST)defende uma reforma agrária verdadeira, com a posse comum das terras e uma agricultura cooperada e coletiva. O movimento é contra a mercantilização das terras, um bem comum. “Somos contra esse processo de privatizar os bens comuns”, disse Antônia Ivoneide, dirigente do setor de produção do MST.

O programa Titula Brasil retira a responsabilidade de titulação e regularização fundiária do Ministério da Agricultura e do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária(Incra) e transfere para as prefeituras, cuja maioria dos prefeitos são ligados a partidos de latifundiários e bolsonaristas, o que facilitará a regularização da grilagem de terras. O próprio Incra, comandado por reacionários a serviço do latifúndio, está forçando as famílias de assentados a aceitar a titulação privada das terras através do Título de Domínio(TD). Com esse título, sem apoio do Estado e sem condições de concorrer no mercado agrícola, o assentado inevitavelmente venderá as terras, ficando novamente na condição de sem terras, sem rumo. “O que está por trás de tudo isso, é o grande interesse do agronegócio de se apropriar das terras públicas. Porque é muito mais fácil nas prefeituras, a pressão ser ali direto, do que o próprio nível federal”, explica Antônia Invoneide, a dona Neném.

O MST diz não ser contra a titulação, mas defende para os assentamentos da Reforma Agrária Popular a Concessão de Direito Real de Uso (CDRU), uma garantia das terras às famílias assentadas.

“O Movimento discute que a CDRU é importante pros assentados, porque legitima como título definitivo a posse do assentado, dá segurança jurídica e garante a posse regulamentada, e também a sua permanência na terra. Ser dono da terra não significa que precisa ter um título privado. O que importa pra nós é ter essa terra como nossa, mas como posse, e estar garantido dentro do processo da Reforma Agrária”, explica Ivoneide. Essa CDRU é um título importante, definitivo, pois a família assentada tem o direito assegurado pela posse da terra, direito de herança (passar de pai para filho) e também acesso aos créditos e demais benefícios referentes à Reforma Agrária. Optar pela titulação das terras é consolidar a longo prazo a privatização delas e, por consequência, a perda de vários benefícios necessários para a permanência e sobrevivência do assentado nessas propriedades, um patrimônio pelo qual se lutou por décadas.

O MST vem discutindo esse processo de titulação com as famílias assentadas desde 1998, a fim de que a titulação venha acompanhada de segurança jurídica e permanência dos direitos e acessos a créditos. Ao se tornar um pequeno produtor, que é o objetivo do governo, o assentado perde muitos direitos e não terá condições alguma para enfrentar os grandes produtores. Antônia Ivoneide alerta ainda que a escolha pela titulação das terras, além de promover essa privatização, fará com que “os jovens, as crianças de hoje, e as pessoas que estão vivendo nos assentamentos percam o direito de herança da terra, e o direito de permanecer com a posse da terra.”

Com o intuito de evitar a privatização dessas propriedades conquistadas por anos de luta, com muito sangue e suor, o MST produz materiais informativos, realiza debates e estimula a escolha pela Concessão de Direito Real de Uso (CDRU).

“Nós temos um grande trabalho de resistência com a nossa base, para informá-la e formá-la. Não no sentido de negar o título. Todas as famílias têm direito ao título. Mas não um título que empenhe a terra num banco ou um título que uma empresa privada possa se apropriar, para se apropriar da terra”, alerta a dirigente nacional do MST na Paraíba, Dilei Schiochet.

Esse projeto Titula Brasil é mais uma ferramenta a serviço do agronegócio, não colabora com a Reforma Agrária, com a agricultura familiar e nem combate o latifúndio, um dos grandes responsáveis pelo atraso do País. Ao lado da falta de demarcação das terras indígenas, quilombolas e a destruição da política de fiscalização ambiental, dar um título ao assentado e retirar todos os direitos e benefício necessários para a sua viabilidade econômica é uma política de engodo, uma farsa, uma estratégia de desmonte das políticas agrárias iniciadas a partir do golpe de 2016 e intensificadas agora com o governo fascista de Bolsonaro.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.