Menu da Rede

RCP: “Lugansk vive um governo operário”

Golpistas contra quilombolas

Sergipe: Polícia Federal Persegue Lideranças Quilombolas

Em 2017, como deputado, Bolsonaro se referiu a uma comunidade quilombola afirmando que “o afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas."

Assim como as populações indígenas, as comunidades quilombolas possuem direito à reservas territoriais e apoio estatal. – Foto: Ana Carolina A. Fernandes

Receba o DCO no Email

Notícias informam que ao menos cinco líderes de ancestralidade quilombola foram intimados pela Polícia Federal em Sergipe para comparecerem e prestarem depoimentos em Aracaju, SE. As intimações partiram da Delecor (Delegacia de Combate à Corrupção e Crimes Financeiros da PF) em Aracaju. 

Segundo a Polícia Federal, a suposta razão para as intimações é o superintendente regional do Incra, Victor Alexandre Sande Santos, que não é servidor concursado do Incra, mas que, entretanto, foi nomeado para o cargo de superintendente duas vezes pelo golpista Jair Bolsonaro. 

Artigos Relacionados

No país em que o governo federal dá dinheiro de presente aos grandes capitalistas, onde milionários se tornaram ainda mais ricos mesmo com a pandemia e com a crise do sistema capitalista, Alexandre Santos, seguindo os passos bolsonaristas de perseguição aos mais pobres e vulneráveis, peticionou junto à PF uma solicitação de investigação contra outras três servidoras do Incra que disponibilizaram créditos financeiros para cerca de 2 mil famílias em  territórios de reservas quilombolas e que vivem em situação de insegurança alimentar ou vulnerabilidade social. Enriquecer os milionários pode! Ajudar os quilombolas vulneráveis não pode!

Em pronunciamento, após intimar as lideranças quilombolas por telefone, ou seja, um ato não oficial de intimação, a Polícia Federal afirmou que foram recebidas supostas denúncias de envio irregular de verbas públicas para comunidades quilombolas e que está averiguando a veracidade das denúncias. Fato é que os milhões desviados para bancos, os inúmeros perdões a dívidas fiscais resultantes de calotes de empresas bilionárias, nada disso é razão de intimação pela PF na residência de um bilionário. Ao contrário, quem não pode é o quilombola que está passando fome receber auxílio monetário para se alimentar.  

Membros da Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais e Quilombolas (CONAQ) se pronunciaram e descreveram toda a situação como extremamente constrangedora. A liderança do Quilombo de  Caraíbas, que tem cerca de 250 famílias, disse: “eu vejo uma situação de falta de respeito conosco. Somos lideranças, devemos satisfação à comunidade que a gente representa. Nós não fomos intimadas da forma que a gente entende que o Estado deve fazer. Foi uma ligação por telefone. A polícia não conseguiu falar comigo, falou com outra pessoa, que me avisou. Isso é constrangedor para nós, lideranças. Se fosse um governador, um prefeito, qualquer autoridade que eles consideram numa sociedade, seria assim? Nós também somos autoridades na nossa comunidade e merecemos esse respeito”

É importante ressaltar que esse ato de perseguição executado pelo estado como mais uma política bolsonarista aconteceu nas proximidades do dia da Consciência Negra e, de acordo com o líder quilombola Xifroneze Santos: “Nesse período nós costumávamos receber do Estado certificações de territórios, decretos de políticas públicas, hoje a gente recebe uma ‘cassação’. Isso dá visibilidade ao tamanho do racismo estrutural que estamos sofrendo. Está visível para todos o que estamos sofrendo.”

Os recursos começaram a ser repassados em 2018 e  até a atualidade compreenderam cerca de R$ 11 milhões durante o período de 3 anos de duração do projeto, resultando em um total de 2.015 famílias beneficiadas em 13 territórios quilombolas. Este valor, dividido entre as famílias, dá uma média de R$5.400,00 por família e o depósito do auxílio não era mensal e, em geral, aconteceu o repasse de apenas uma parcela, em 2018.

Como declarou ao UOL o doutorando Diosmar FIlho, especialista em Políticas Públicas, pela UFF, o governo Brasileiro “busca a criminalização das servidoras do Incra e em seguida uma perseguição contra quem recebeu o benefício”. 

Em 2017, como deputado, Bolsonaro se referiu a uma comunidade quilombola afirmando que “o afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas. Não fazem nada. Eu acho que nem para procriar eles servem mais”. Atualmente, como presidente, ceifa todos os poucos direitos destas comunidades.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.