Menu da Rede

Paulo guedes

Ministério de Paulo Guedes acumula perda de 16 auxiliares

  • Capa
  • Sem terra
  • Impedir o despejo das famílias do Projeto Mangabeira

Porto Seguro (BA)

Impedir o despejo das famílias do Projeto Mangabeira

Os ataques da direita e do judiciário golpista representam uma enorme ofensiva contra os trabalhadores da cidade

Uma das 200 famílias que vivem dentro do Projeto Mangabeira – Imagem reprodução

Receba o DCO no Email

Nesse momento, 200 famílias que ocupam uma área do município de Porto Seguro, Extremo Sul da Bahia, correm o risco de serem jogadas nas ruas da cidade em um dos piores momentos da pandemia de coronavírus e da falta de leitos de UTI´s no hospital da região. A área em questão é o pré-assentamento Projeto Mangabeira ocupando a área há 17 anos e com toda a infraestrutura de uma comunidade rural, como água, luz e escola.

Na área habita quase mil pessoas, com cerca de 200 casas de alvenaria, além de inúmeras roças que são o ganha pão de centenas de famílias, muitas o único recurso.

A ordem de despejo veio do juiz Fernando Paropat, da 2° Vara Cível de Porto Seguro a pedido da grileira de terra Vanessa Dasilio Coser, que se diz proprietária da área, mas não possui nenhuma documentação que prove, tanto que a própria CDA (órgão responsável pela questão fundiária no estado da Bahia) já provou que é terra pública em processo de regularização para a transformação da área em um projeto de assentamento, o Projeto Mangabeira.

 

Expulsão das famílias para beneficiar a especulação imobiliária

 

Como dissemos anteriormente, as famílias estão no local há 17 anos e nunca foram sequer intimadas por ninguém na justiça ou na ocupação até recentemente, quando foi construído o anel viário que passa pela pré-assentamento Projeto Mangabeira e leva ao litoral norte de Porto Seguro, uma região de enorme especulação imobiliária e de grande potencial turístico onde vive a elite da cidade.

A construção ocorreu em 2015 e desde então as famílias começaram a receber intimações da justiça através dos “proprietários” que não possuem nenhuma documentação que comprove a posse dessa área.

Não é por acaso que na região está se construindo uma quantidade grande de condomínios de luxo e resorts, incluindo um que está na entrada do pré-assentamento. Ou seja, querem jogar as 200 famílias nas ruas e destruir suas casas e todos os seus pertences para contribuir nos lucros de pessoas interessadas na grilagem de terras e na especulação imobiliária. Isso com total apoio do judiciário golpista.

 

É preciso impedir da maneira que for necessária o despejo das famílias

 

O Projeto Mangabeira é uma área de extrema importância econômica e social para o município de Porto Seguro e representa uma grande vitória para a população pobre e trabalhadora. No seu entorno possui outras áreas de ocupação da mesma situação e com a direita e os patrões de olho para mais despejos. Somado essas áreas podem representar cerca de 800 famílias.

Caso a direita da cidade com o apoio do judiciário e da polícia militar consiga expulsar as famílias do Projeto Mangabeira haverá uma grande pressão no sentido de expulsar as famílias de outras ocupações, funcionando como um efeito dominó.

Nesse sentido é preciso que os trabalhadores e as organizações de esquerda (partidos políticos, sindicatos, movimentos sociais) da cidade impeçam da maneira que for necessária e com os meios necessários a reintegração de posse.

A direita conta com total apoio do governo fascista de Jair Bolsonaro que trata os moradores de ocupações e assentamentos como bandidos a serem combatidos enquanto dá todo apoio aos piores bandidos e estes sim roubam a terra: os patrões e a grileiros de terras públicas, neste caso ligados a especulação imobiliária.

É preciso uma grande mobilização das famílias do Projeto Mangabeira e das organizações de esquerda que devem dar apoio incondicional às famílias, não somente com notas de repúdio, mas com recursos para realização de uma enorme campanha contra os despejos e mobilizando seus militantes e simpatizantes para estarem no local no momento do despejo.

Esse momento é de grande importância para derrotar a direita e os patrões da cidade que querem jogar a maior parte dos trabalhadores nas ruas, destruindo sua fonte de renda e casas, para aumentar o número de desempregados na cidade e reduzir o salário dos trabalhadores.

Os culpados por essa barbaridade é o judiciário e a direita que está incentivando esse tipo de medida realizada pelo governo Bolsonaro. Isso porque se estabeleceu dentro do governo total apoio aos ataques aos movimentos de moradia e de luta pela terra.

Não ao despejo das famílias do Projeto Mangabeira!

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.