Menu da Rede

Por que defendemos Lula presidente

  • Capa
  • Economia
  • Recorde no valor do aluguel e a política deliberada de despejos

Crise econômica e social

Recorde no valor do aluguel e a política deliberada de despejos

Com o aumento dos valores dos aluguéis, mas famílias terão que se virar para viver sem um teto, mas trabalhadores serão empurrados para a informalidade e a mendicância.

Combate ao despejo no Quilombo Campo Grande, no município de Campo do Meio, Minas Gerais, durante a pandemia. – Foto: Gean Gomes-MST/Fotos Públicas.

Receba o DCO no Email

Em mais uma etapa do peso que a crise econômica impõe à população, O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) subiu 4,1% em maio, acumulando 37,04% de alta nos últimos 12 meses, segundo levantamento realizado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Também chamado de “inflação do aluguel”, esse indicador econômico apura informações sobre a variação de preços entre o dia 21 do mês anterior e o dia 20 do mês de coleta. O IGP-M é amplamente usado no cálculo de reajuste de tarifas de luz e telefone, contratos de aluguel de imóveis e até em contratos de prestação de serviços, como planos de saúde e educação privada.

Essa alta mensal é a maior desde novembro de 2002, quando vivíamos o final do nefasto governo FHC. Já a taxa acumulada nos últimos 12 meses foi a maior desde junho de 1995, ainda no começo da destruição econômica promovida pelos governos federais do PSDB. Esse índice ganhou o apelido de “inflação do aluguel” porque está previsto como referência na maioria dos contratos deste tipo.

Artigos Relacionados

Aluguéis mais caros, mais trabalhadores sem teto

Essa nova alta no valor dos aluguéis vai jogar cada vez mais pessoas para situações de vida precárias. Vale destacar que a pandemia está no seu pior momento no País e governos que se apresentaram como “científicos” não hesitaram em jogar os cães de guarda da burguesia para cima da população pobre. Sob o comando dos governadores, a Polícia Militar comandou o despejo de milhares de famílias, enquanto repetiam cinicamente o mantra do “fique em casa” na televisão.

A população sem teto cresce a olhos vistos nos grandes centros urbanos, assim como o número de trabalhadores ambulantes e pessoas pedindo esmolas. Enquanto a esquerda ficou relutando em sair às ruas, a direita não parou de jogar o povo na miséria. Segundo dados do Tribunal de Justiça de São Paulo, nos primeiros três meses de 2021 aumentaram em 79% o número de pedidos de despejo, uma tendência que tende a crescer ainda mais.

E o salário, cada vez mais mínimo

Na última quarta-feira, a Câmara dos Deputados aprovou um reajuste inferior à inflação para o salário mínimo, estacionando nos atuais R$1.100, pois o valor já está em vigência por medida provisória desde janeiro. Para se ter uma base de comparação, segundo o DIEESE, o salário mínimo necessário para arcar com as despesas mensais dos trabalhadores deveria ser de R$5.330,69 em abril deste ano.

O método usado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) acompanha a evolução dos gastos necessários com habitação, alimentação, vestuário, transporte e higiene, ou seja, apenas as necessidades básicas. A discrepância entre os valores necessários e aqueles em vigência é aumentada progressivamente com a política explícita de desvalorização do salário mínimo adotada pelos governos a partir do golpe de 2016.

Dia 29/5 vamos às ruas

Não existe solução para os problemas dos trabalhadores que não passe pela mobilização popular nas ruas. Desde o começo da pandemia, o PCO lançou um programa consequente para o combate à pandemia, que incluía a proibição dos despejos, dos cortes de água e luz. Necessidades básicas e que certamente seriam atacadas como foram diante da crise econômica.

Dia 29/5 vamos às ruas para exigir que a população tenha acesso ao que é seu por direito. Exigimos vacinação já para toda a população, um auxílio emergencial de um salário mínimo por pessoa, a redução da jornada de trabalho para 35 horas semanais sem redução de salários. Não podemos ficar de braços cruzados esperando por um milagre, que não virá do STF nem do Congresso Nacional. Só o povo pode conquistar essas reivindicações!

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.