Menu da Rede

Paulo guedes

Ministério de Paulo Guedes acumula perda de 16 auxiliares

  • Capa
  • Economia
  • Necessidades básicas viram artigos de luxo

Gás de cozinha

Necessidades básicas viram artigos de luxo

Mais de 3 milhões de família já não conseguem comprar o item mais básico para cozinhar alimentos

Bujão de gás – Foto: Reprodução

Receba o DCO no Email

Dados da pesquisa PNAD Contínua – Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílio, que são pesquisas realizadas pelo IBGE por amostra de famílias, e que divulgam os estudos trimestralmente, revelaram que no segundo trimestre de 2021 houve uma alta de 27% das famílias brasileiras que estão usando lenha para cozinhar. São mais de 3 milhões de famílias sem condições de comprar gás de cozinha, o GLP, já que os aumentos dos derivados do petróleo, cotados aos níveis internacionais, em dólar, sobem sem parar.

O Nordeste é onde se concentra o maior número de famílias usando fogão a lenha. São 4,8 milhões de lares, e o Sudeste foi a região onde mais cresceu o uso do fogão a lenha no país. Já são mais de 2,9 milhões de lares cozinhando seus alimentos com lenha. Vale lembrar que esse crescente uso de lenha para cozinhar faz com que venha aumentando o número de acidentes com queimaduras. Isto é devido que as pessoas estão cozinhando com lenha por necessidade e não tem o costume de usar fogão a lenha, ou melhor, cozinha no fogo de lenha, pois obviamente se não tem dinheiro para comprar gás de cozinha, não tem dinheiro para construir um fogão a lenha.

Uma comparação importante de fazer é que em 2001, no governo FHC – PSDB, o GLP custava em média R$18,69, o que equivalia a 10,38% dos R$180,00 de salário mínimo da época. Hoje, no governo Bolsonaro, sem partido e ex-PSL, esse percentual equivale a 8,88%, com o GLP a R$97,40 em SP, e o salário mínimo a R$1.100,00.

Em dezembro de 2012, o GLP custava R$44,70, 0,05% do salário mínimo de R$788,00. 

Em relação ao consumo de carne para 2021, o IBGE pontuou que o consumo de carne será o menor da série histórica desde 1996, quando chegou ao ápice em 2013 no governo Dilma – PT, com o consumo de 96,7 Kg de carne por pessoa ao ano. Em 2020, o consumo foi de 36 kg por pessoa, quarto ano de queda iniciado com o golpe. No entanto, o diretor de Política Agrícola e Informações da Conab – Companhia Nacional de Abastecimento, Sergio De Zen, refere que não é preciso se preocupar, pois o consumo geral do brasileiro se mantém no nível de vários países, incluindo países desenvolvidos como a União Europeia, cujo consumo foi de 89,3 quilos por habitante, média dos últimos cinco anos. Na Austrália, ficou em 101,2 quilos; nos Estados Unidos, em 116,8 quilos… não sabemos informar que tipo de contas o Sr. O diretor fez para chegar a esta conclusão.

Até o consumo de ovos caiu, proteína que a população estava usando para substituir a carne. No início de 2021 era previsto que o consumo de ovos continuaria subindo, devido a alta no preço das carnes, no entanto no último mês houve uma queda no consumo que causou desvalorizações que foram registradas em todas as regiões produtoras acompanhadas pelo CEPEA – Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada. Para elevar as vendas, produtores recorreram a descontos para desencalhar os ovos, que são perecíveis e estragam rapidamente ainda mais no calor.
Em relação ao desemprego, isto é, pessoas maiores de 14 anos que estão aptos a trabalhar e não têm um emprego, neste sentido não se considera desempregado quem está na informalidade, temos no Brasil atualmente 74,9 milhões de pessoas; São 5,6 milhões de pessoas são desalentadas, isto é, desistiram de procurar emprego após longo período fora do mercado de trabalho; Outras 30,2 milhões de pessoas não têm trabalho formal, isto é, carteira assinada; e mais 24,8 milhões de pessoas trabalham por conta própria.

No geral, a política neoliberal dos governos de extrema-direita estão a cada dia gerando mais miséria, o Brasil voltou a ficar abaixo da linha da pobreza. O número de pessoas abaixo da linha da pobreza triplicou, chegando a 27 milhões de pessoas, 12,8% da população brasileira. Esse levantamento foi feito pela FGV- Fundação Getúlio Vargas, que também apontou que muitas famílias tentam sobreviver com o valor de R$246,00 (US$43,95) por mês.

Apesar de a imprensa capitalista não fazer grande alarde, a inflação sobe dramaticamente, o litro de leite mais barato em um atacado na região do ABC Paulista na semana passada, era de R$4,09. Apesar de tudo isso, a previsão de aumento do salário mínimo para 2022 não corresponde à reposição da inflação, nem está sendo discutido aumento de salário real para os trabalhadores.

O PCO, vem colocando a necessidade de discutir e através de mobilizações gerais dos trabalhadores, reivindicar um salário que contemple verdadeiramente as necessidades dos trabalhadores brasileiros. Segundo o DIEESE, no mês de agosto de 2021, o salário mínimo deveria ser de R$5.583,90, para uma família de quatro pessoas, pais e dois filhos, sendo que todos usariam saúde e ensino público.

Outra reivindicação necessária, é a diminuição de horas de trabalho para 35h semanais, sem diminuição dos salários, como forma de gerar ofertas de empregos.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.