Menu da Rede

Conferência aprovou luta contra reformas e por Lula presidente

  • Capa
  • Economia
  • Internet é pretexto para a entrega da Amazônia aos EUA

Crime de lesa-pátria

Internet é pretexto para a entrega da Amazônia aos EUA

Sob pretexto de levar internet para zonas rurais, governo Bolsonaro quer entregar a Amazônia para o imperialismo

Fabio Faria, ministro das Comunicações, e capitalista estadunidense Elon Musk, dois inimigos do Brasil – Foto: Reprodução/Twitter

Receba o DCO no Email

O ministro das Comunicações do governo Bolsonaro, Fábio Faria, anunciou em suas redes sociais, bem ao gosto da política entreguista e antinacional de Bolsonaro, uma parceria entre o governo brasileiro e a empresa estadunidense SpaceX, do bilionário Elon Musk. O objeto desta “parceria” é de uma importância estratégica fundamental: a Amazônia.

O pretexto é o fornecimento de internet para a região mais carente deste serviço, justamente a região da Amazônia brasileira, levando internet a áreas e escolas rurais. Trata-se, no entanto, de um diversionismo. Não é do interesses do governo Bolsonaro e do golpe universalizar a acesso à internet no país, ao contrário, todos os seus passos levam à privação completa para as grandes massas da população pobre de todos os bens e serviços e até mesmo dos bens mais fundamentais para a população como a alimentação.

Artigos Relacionados

O país, com o governo Bolsonaro, é o país da fome.

E mesmo se fosse esse o real interesse, não seria necessário contratar tal empresa imperialista para realizá-lo. O verdadeiro motivo da parceria é bem outro e também foi citado, embora não de maneira tão explícita, pelo ministro, que é também membro e representante da família Abravanel (genro de Silvio Santos), e preposto de setor importante dos monopólios de comunicação. Segundo Faria, em seu encontro com Musk, tiveram a oportunidade de conversar sobre a “preservação da Amazônia” utilizando a rede de satélites da empresa imperialista para supostamente monitorar a região amazônica em relação a desmatamento ilegal e incêndios. O ministro pretende implementar tal parceria em 2022.

No entanto, o governo Bolsonaro se destacou como um dos que mais obstruiu a defesa da Amazônia nos mais variados aspectos. Em 2021, o corte de gastos no Ministério do Meio Ambiente foi da ordem de 35%, o que deixou praticamente inoperante as ações de fiscalização, que combatem as queimadas ilegais na Amazônia, dentre outros aspectos.

O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) também foi alvo dos cortes. O instituto que gerencia cerca de 20% das águas brasileiras e cerca de mais de 9% do território nacional sofreu cortes e necessitaria do triplo de verbas destinadas para cumprir as funções. Também 600 servidores do Ibama acusaram o então ministro Ricardo Salles de paralisar o órgão, além de muitas outras iniciativas contra a preservação ambiental na Amazônia. Assim, cai por terra a ideia de que a parceria governo Bolsonaro e Musk tenha alguma coisa a ver com preservação do que quer que seja.

Trata-se evidentemente de mais um engodo. Objetivamente o que se está pretendendo é a privatização do sistema de defesa da Amazônia, tema estratégico para a soberania nacional. Um tema de defesa dos mais importantes é vilipendiado, a soberania nacional ultrajada pelo Ministério das Comunicações, simplesmente por utilizar a justificativa falsa de que se trata de levar internet e melhorar o monitoramento, e tudo isso com a anuência da imprensa capitalista nacional e dos próprios militares.

A Amazônia sempre foi cobiçada pelo imperialismo, que tem por objetivo explorar seus imensos recursos, privando o povo brasileiro deles. Sucessivos projetos do imperialismo que defendiam e propagavam a ideia de internacionalização da Amazônia, devido à falta de cuidados dispensados pelo governo à floresta, uma forma vil que o imperialismo detinha e ainda detém para pressionar no sentido de que o controle da Amazônia passe para as suas mãos, utilizando sempre como justificativa questões ambientais, levaram os setores de defesa do país a criarem o Sistema de Vigilância da Amazônia (SIVAM) e seu sistema aéreo Sistema de Proteção da Amazônia, ou SIPAM para proteger o espaço aéreo e monitorar a parte brasileira.

Foi um esforço do estado brasileiro, durante décadas, de investimento de tecnologia para a montagem do sistema de monitoramento, do qual fazem parte enormes antenas de radar, sistemas de comunicação, bem como de modernas aparelhagens eletrônicas, além da integração com o satélite brasileiro de sensoriamento remoto, que permite fiscalizar o desmatamento na Amazônia.

Esse sistema sempre fora sabotado pelo imperialismo. Agora a proposta do governo é simplesmente transferir esse sistema para as mãos do imperialismo estadunidense. É uma agressão brutal à soberania brasileira.

A Amazônia e suas riquezas estão sendo oferecidas para que o capital internacional possa explorar livremente, posto que será também o responsável pela vigilância. E está sendo dada não para qualquer capital, mas para o setor mais violento da burguesia imperialista estadunidense.

O bilionário Elon Musk é o mesmo que ajudou no golpe na Bolívia para roubar o lítio do país a fim de alimentar sua indústria de carros elétricos. Como um monopolista, ele é associado ao governo dos EUA, portanto aos serviços de inteligência dos EUA. Questionado sobre o caso da Bolívia, Musk respondeu há pouco tempo que “vamos dar golpe em quem quisermos”. O que está ocorrendo é entregar a vigilância e a segurança da Amazônia aos maiores inimigos do Brasil.

Assim, o governo Bolsonaro e de todos os golpistas que tomaram o poder em 2016 demonstra mais uma vez que é um governo capacho do imperialismo, dos mais serviçais que o país já teve até hoje, uma espécie de governo de ocupação colonial, que atua contra os interesses nacionais. O discurso antissistema de Bolsonaro é apenas talismã para os asseclas mais fanatizados. A realidade, porém, é bem outra, trata-se de um governo dos mais comprometidos e submetidos aos interesses do imperialismo, notadamente o estadunidense, de toda a história brasileira.

O tema da Amazônia reafirma ainda mais essa verdade, um governo que não apenas não se contrapõe nem minimamente aos desmandos do imperialismo, como também é a ponta de lança do imperialismo para lesar todo o povo brasileiro. É preciso rechaçar completamente essa medida gravíssima, a Amazônia brasileira é do povo brasileiro, é do Brasil. Fora imperialismo do Brasil, tirem as garras da Amazônia.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.