Menu da Rede

Conferência aprovou luta contra reformas e por Lula presidente

  • Capa
  • Economia
  • “Bolsa banqueiro” passa de 4,5 trilhões no governo Bolsonaro

Dívida alimenta banqueiros

“Bolsa banqueiro” passa de 4,5 trilhões no governo Bolsonaro

A política econômica é aplicada para privilegiar banqueiros e rentistas e poderá fazer a dívida pública explodir.

A coordenadora da Auditoria Cidadã da Dívida denuncia bancos e o esquema da dívida eterna – Foto: Wikimedia

Receba o DCO no Email

A dívida pública brasileira ultrapassou a marca de R$ 4,5 trilhões, com pagamento de juros mais altos e prazos menores, registrando um aumento de 2,6% em setembro. Como os “investidores” desconfiam da capacidade do governo em continuar com a política de austeridade que privilegia os pagamentos de juros e a rolagem da dívida, as Letras Financeiras do Tesouro (LFTs) colocadas no mercado têm carregado uma remuneração (juros) maior e prazos menores que 12 meses. O custo médio desses papeis passou a 8,54% ao ano em setembro e o prazo médio da dívida pública passou para 3,83 anos. (Folha de SP, 27/10/20)

As instituições do mercado financeiro, bancos e grandes fundos, pressionam o governo a manter a rigidez da política de contenção de gastos sociais e redução de gastos com a máquina governamental para que sobre mais dinheiro para as operações financeiras. Por isso reclamam constantemente da possibilidade de alguma ação governamental em manter políticas de transferência de renda, como o Bolsa Família ou o Auxílio Emergencial, mas em nada reclamam quando os beneficiários são os próprios bancos, como o pacote de R$ 1,2 trilhão entregue pelo governo em 23/3/20 para garantir liquidez visando o empréstimo a empresas atingidas pela pandemia. Nesse caso os bancos não emprestaram quase nada e passaram “a lucrar ainda mais com a remuneração da sobra de caixa, feita diariamente e com toda generosidade pelo Banco Central aos bancos”. Os benefícios garantidos aos bancos têm garantido altos lucros ao setor, que acaba de anunciar lucros acima de R$ 40 bilhões no primeiro semestre, escondendo lucros ainda maiores debaixo de balanços maquilados. (Auditoria Cidadã da Dívida, 20/10/20)

Artigos Relacionados

Um dos esteios da política de contenção dos gastos tem sido a PEC 32, conhecido com o a PEC da Morte, que instituiu um teto para os gastos sociais e a redução dos mesmos pelo prazo de 20 anos. Essa política se complementa com a política agressiva de privatizações que está destruindo a Petrobras, está fatiando a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil. Nos estados essa política já tem provocado prejuízos à sociedade com a privatização dos serviços de saúde, colocados nas mãos de Organizações Sociais privadas.

Para evitar a crítica de que as contas públicas estão saindo do controle, o coordenador-geral de Operações da Dívida Pública, Luis Felipe Vital, ao anunciar o resultado da dívida pública, fez de tudo para tentar justificar o seu crescimento, argumentando que tudo estava previsto. Justificou tanto que ficou óbvio que estava escondendo algo. (Brasil 247, 27/10/20)

O tamanho da dívida não é um fator, em si, que explique problemas na gestão da economia. Mas se a dívida não é feita para promover investimentos e ações anticíclicas, ela se alimenta somente para o pagamento de juros e para a manutenção de privilégios aos rentistas. É o que ocorre com o Brasil que se vê a mercê do capital financeiro e dos bancos.

No caso da dívida externa, que já foi a grande vilã dos países atrasados na década de 1980, esta cresceu 3,21% em setembro, atingindo R$ 245,89 bilhões de reais, marcadamente por causa da desvalorização da moeda nacional.

Com a prorrogação da crise econômica, quer por conta da manutenção da pandemia e a possibilidade de novos ciclos de recrudescimento do vírus, no exterior e no país, e também por dificuldades do sistema econômico capitalista em se recuperar no próximo ano, a dívida poderá assumir outro papel, mostrando a incapacidade da política econômica em controlar o desemprego e a inflação.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.