Menu da Rede

Sol Negro também escurece os EUA

  • Capa
  • Cidades
  • Seca no RS: agricultores temem não ter água para beber

Pior seca em 17 anos

Seca no RS: agricultores temem não ter água para beber

Efeitos do golpe: governo deixa pequenos agricultores sem auxílio na pior seca em 17 anos

Agricultores são deixados a sorte – Reprodução

Receba o DCO no Email

– Brasil de Fato

A falta de água está causando estragos em todas as regiões do estado. Não só os cultivos agrícolas destinados à comercialização estão registrando expressivas perdas, mas também a própria subsistência de muitas famílias está em risco.

Artigos Relacionados

Segundo Plinio Simas, representante do Movimento dos Pequenos Agricultores do RS (MPA/RS), a situação da agricultura familiar tem um estado preocupante: está faltando água para as pessoas beberem. Além disso, ele relata que as culturas que as famílias plantam para se alimentar estão também muito ameaçadas, de forma que o problema de passarem fome pode ser iminente.

“O que mais nos preocupa é a questão da alimentação. Mandioca, batata e feijão: a própria subsistência dos agricultores que está muito ameaçada. Mais do que isso, ao que tudo indica a estiagem irá continuar por longo período”, disse.

Pior seca em 17 anos

Segundo a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater) do RS, esta é a pior seca do estado nos últimos 17 anos. Mais de cinco mil famílias de agricultores estão sem acesso à água até para uso nas casas.

De acordo com o “Informe de Evento Adverso N°1” publicado pela entidade com levantamento do efeito da estiagem no estado, a falta de chuvas já compromete a contribuição do setor primário na economia gaúcha.

“Há o fato de que já são mais de oito mil localidades e mais de 207 mil propriedades atingidas pelos efeitos da estiagem no estado, além de cerca de 10,5 mil famílias com dificuldades ao acesso à água”, informa o relatório.

Além disso, afirma que a estiagem provoca perdas nas mais diversas atividades agropecuárias. Até o momento, foram atingidos os cultivos de cerca de 115 mil produtores de grãos (soja, milho e feijão) e aproximadamente 23,5 mil produtores de leite.

Ainda conforme Douglas Cenci, presidente da Federação dos Agricultores Familiares/RS (Fetraf/RS), há a estimativa de que 70 mil famílias de pequenos agricultores estejam sofrendo com a seca, especialmente nas regiões Centro e Norte do estado.

Visita de ministra não trouxe esperanças

Nesse contexto, foi realizada a visita da ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), Tereza Cristina, ao Sul do país. Nesta quarta e quinta-feira (12 e 13), a ministra esteve visitando o Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná para averiguar a situação da estiagem. Segundo fonte consultada pela reportagem, a visita não trouxe propostas concretas para amenizar o problema.

Segundo Plinio Simas, a vinda da ministra à região só trouxe promessas, mas nada de políticas públicas. Ele afirma sentir que há uma desconfiança por parte do governo federal com relação ao estado dos agricultores, o que julga não ser correto visto que a seca já é reconhecida, inclusive com centenas de municípios que já declararam estado de emergência.

“Nós do MPA estamos apreensivos com esse descompromisso com todos os trabalhadores, mas em especial com os agricultores. Estão sem políticas públicas pra ajudar, ainda mais agora com essa estiagem muito grave”, afirma.

Segundo o pequeno agricultor, as famílias do campo, no momento, precisam das políticas para ter um mínimo amparo, seja através de crédito emergencial, para se alimentar ou para produzir alimentos, ou mesmo com relação às dívidas. “É isso que a agricultura espera”, afirma.

Tanto entre seus pares, como na avaliação do MPA, há a consideração de que as ações dos governos estadual e federal, até agora, são insuficientes. O movimento relata que já faz mais de um mês que essa situação está ruim, algo que é reconhecido pelos próprios órgãos de governo, e até o momento não percebem nenhuma política eficaz de socorro à essa população.

Dessa forma, eles esperam que a visita da ministra possa ser uma sinalização de que o governo vai encarar a situação de uma forma séria daqui pra frente, apesar de lamentar o grande “descompromisso” com a agricultura familiar e com o desenvolvimento rural da região

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.