Menu da Rede

Bolsonaro lança Programa Habitacional: Minha Casa, Minha Milícia

  • Capa
  • Nordeste
  • Nordeste saiu às ruas pelo fora Bolsonaro

Atos em mais de 70 cidades

Nordeste saiu às ruas pelo fora Bolsonaro

Unificados partidos, movimentos sociais em toda a região realizaram atos pelo Fora Bolsonaro vermelhos nas capitais e em dezenas de cidades do interior

Ato Fora Bolsonaro em Recife. – reprodução.

Receba o DCO no Email

O sábado (24) foi cheio de atos Fora Bolsonaro por todo o Nordeste, foram registrados atos em mais de 70 cidades. As capitais e cidades polo concentraram a maior parte dos protestos, algo natural tanto pelo tamanho das cidades, quanto pela maior presença das organizações políticas.

Assim como nos últimos atos convocados pela frente Fora Bolsonaro – frente composta pelos partidos de esquerda, pelos sindicatos e centrais sindicais e pelos movimentos sociais – foram grandes manifestações, realizadas, em geral, nas regiões centrais da cidade em locais tradicionais na realização de protestos nos últimos anos e foram fundamentalmente vermelhas, deixando claro o caráter popular e a presença dos trabalhadores e de suas organizações de luta nas manifestações.

Artigos Relacionados

Na Bahia, houve novamente uma grande manifestação em Salvador que reuniu milhares de pessoas na região central da cidade (marcha da praça do Campo Grande em direção à Praça Municipal, passando pela avenida sete de Setembro), mesmo sobe uma persistente chuva a manifestação ocorreu na parte da manhã tendo início às 9 horas (concentração) e encerrado por volta das 13 horas em frente à prefeitura. Houve atos também em Feira de Santana, Alagoinhas, Barreiras e Porto Seguro.

Em Sergipe, a capital Aracaju também teve ato pelo Fora Bolsonaro. Realizado na parte da tarde com concentração às 15h no bairro do Grageru, saindo em marcha em direção ao bairro Treze de Julho, encerrado na região da praia Formosa às 18 horas. Além dos partidos de esquerda, sindicatos e movimentos sociais e estudantis, estiveram presentes trabalhadores rurais, como do MPA, do interior do Estado.

Em Alagoas, novamente houve atos em Marceió, Arapiraca, Palmeira dos Índios, União dos Palmares e Delmiro Gouveia, cidades tradicionais em manifestações dos trabalhadores no Estado. Na capital, o ato foi pela manhã, com concentração às 9h na orla da Pajuçara e seguiu até o posto 7, encerrado por volta das 13h. Além dos partidos, sindicatos e da juventude, destaque para trabalhadores do campo MST, FNL, MPA que sempre têm forte presença no Estado. Também se destacaram manifestantes cobrando o também alagoano e atual presidente da Câmara federal, Arthur Lira, por continuar a política de engavetamentos de pedidos de impeachment contra o presidente ilegítimo Jair Bolsonaro.

Em Pernambuco, na capital Recife teve ato Fora Bolsonaro e, aparentemente, foi maior que o anterior aproveitando um belo dia de sol, milhares de trabalhadores e estudantes tomaram as ruas do centro da cidade, seguindo o trajeto histórico das manifestações populares. A concentração foi novamente na Praça do Derby às 10 horas, seguindo pelas principais avenidas do centro, como a Conde da Boa Vista, e encerrando na Av. Guararapes por volta das 13:30h. A grande manifestação foi essencialmente vermelha, apesar de algumas bandeiras verde e amarela, e passou pelos mesmo trajeto em que, no dia 29 de maio a PM de João Câmara atacou os manifestantes e cegou duas pessoas. Dessa vez não houve violência explícita por parte da polícia, mas o fato foi relembrado durante a manifestação.

Houve também protesto no interior em Caruaru, Garanhuns, Palmares, Petrolândia, Petrolina, São José do Egito e Serra Talhada.

Na Paraíba, houve ato pelo Fora Bolsonaro em Campina Grande, Patos, Sousa e Cajazeiras. A capital João Pessoa concentrou milhares de pessoas no mercado municipal da Mangabeira, por volta das 9 horas e marcharam em direção ao bairro Bancários, encerrando por volta das 13 horas na Praça da Paz.

No Rio Grande do Norte, as principais manifestações foram em Natal, Parnamirim e Caicó. No interior os atos foram na parte da manhã e, de certa forma, serviram de preparação para o ato na capital que foi na parte da tarde. Em Natal a concentração foi às 15 horas, entre as avenidas Salgado Filho e Nevaldo Rocha e depois seguiram em marcha para a praça Mirassol, encerando às 18 horas. Destaque para os sindicatos e trabalhadores dos correios que protestaram contra a privatização da empresa, mais um crime do governo Bolsonaro.

No Piauí, a principal manifestação foi na capital Teresina, convocada para a praça Rio Branco às 8 horas, saindo em marcha pelas regiões do centro, inclusive pelo palácio do governo estadual (palácio de Karnak) e finalizando por volta das 13 horas na Praça da Liberdade.

No Ceará, mais de uma dezena de cidades tiveram atos pelo Fora Bolsonaro, sendo os principais em: Acaraú, Aracati, Baturité, Caucaia, Crateús, Icó, Iguatu, Itaiçaba, Juazeiro do Norte, Maracanaú, Morada Nova, Pentecoste, Quixadá, Sobral e Tianguá.

Na capital Fortaleza, houve uma grande manifestação vermelha com a presença das principais organizações de esquerda e movimento estudantil. O ato ocorreu na parte da tarde, com concentração na Praça Portugal às 15h e seguiu pela região até a praia de Iracema, encerrado por volta das 18:30h.

No Maranhão, a principal manifestação foi na capital São Luis. Realizada na parte da manhã, a concentração foi no centro na Praça Deodoro por volta das 9 hroas. Às 10h seguiu-se uma marcha pelas ruas do centro, encerrando no Terminal da Praia Grande.

Em toda região nordeste os atos foram massivos, populares, com a presença das organizações da esquerda (partidos PT, PCO, PSOL, PCdoB, PCB, UP), centrais sindicais (CUT, CTB, CSP) e presença fundamental de categorias de trabalhadores organizados como (servidores públicos, bancários, ecetistas, petroleiros, trabalhadores da educação etc), movimentos sociais (MST, MTST, MPA, FNL, UNE, UBES, organizações do movimento negro etc.) e carregaram fundamentalmente a reivindicação do “Fora Bolsonaro”, da candidatura do ex-presidente Lula, contra a fome e o desemprego, pelo fim das privatizações, pelo auxílio emergencial.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.