Raposas e galinhas festejam a democracia

Metalúrgicos

Volks vai cortar o salário dos trabalhadores

Contra a crise, greve com ocupação da empresa

Volkswagen paralisa produção e reduz salários, maiores lucros com menores salários – Foto: Reprodução

Receba o DCO no Email

A Volkswagen do Brasil vai dar férias coletivas, a partir de segunda-feira,  aos 4,5 mil trabalhadores da produção em São Bernardo, no ABC paulista. Será por período de dez dias e no retorno irá reduzir a jornada e os salários alegando falta de peças, principalmente as eletrônicas. A notícia foi dada pelo sindicato dos metalúrgicos do ABC.

A jornada será reduzida em 24% e os salários em 12% “por prazo indeterminado”, tudo dentro do acordo coletivo assinado em 2020 com validade até 2025.

Esta é a segunda vez que ela paralisa a produção por falta de peças, no mês passado já havia paralisado a produção e dispensado 2,5 mil trabalhadores dos dois turnos. 

O representante dos trabalhadores da Volks de São Bernardo, José Roberto Nogueira da Silva, diz que a falta de política industrial e de desenvolvimento no país tem levado à desestruturação da cadeia produtiva nacional. E que esse problema afeta não só a indústria automobilística mas também os trabalhadores.

A Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores) diz que de janeiro a maio 16 fabricantes suspenderam a produção por falta de peças e semicondutores, deixando de ser produzidos 150 mil veículos.

Todos sabemos que a crise capitalista afeta todo mundo, a produção para por falta de peças nas linhas de montagem, o comércio se reduz com a falta de consumo resultando na elevação dos níveis de estoque, trabalhadores são demitidos reduzindo ainda mais o consumo e o desemprego atinge níveis estratosféricos. 

Mas curiosamente os lucros aumentam, como vemos noticiado na imprensa burguesa e imperialista, onde o número de bilionários aumentam enquanto que pelo lado dos trabalhadores impera a fome e miséria levando estes a morar nas ruas em quantidade jamais vista.

Não há dúvidas que o sistema encontra-se em plena decadência e prestes a sucumbir de uma vez por todas, e quer levar os trabalhadores ao fundo do poço, se suas organizações assim o permitir, coisa que estamos vendo que sim.

A direção do sindicato dos metalúrgicos de São Bernardo SP, ao noticiar o acordo com a Volks, aceitando redução dos salários por tempo indeterminado, está deixando claro que defendem os lucros das empresas à custa da fome e miséria dos trabalhadores.

O diretor administrativo do sindicato dos metalúrgicos do ABC, Wellington Messias Damasceno, defende que a negociação foi de menor impacto para o trabalhador, pois a montadora queria suspender o turno inteiro.

Uma demonstração de subserviência ao capital, e com o pretexto do mal menor para os trabalhadores, aceita a redução de salários já bastante defasados pela crise e pela inflação, para diminuir a fome e a miséria. O que significa mais miserável ou menos miserável? Dá para quantificar isso? Os lucros não caem, mas os salários se reduzem, que política é essa para um sindicato? De que lado ele está afinal? Os trabalhadores precisam responder a essas perguntas para ficar bem situados na política.

O capitalismo sempre explorou o máximo dos trabalhadores, pagando sempre o menor valor possível e com isso criou impérios de empresas que hoje pertencem à casa de trilhões o patrimônio delas. Elas lucram ainda mais com os esquemas de aplicações financeiras, e com menores investimentos na produção, que é o que melhoraria o salário dos trabalhadores.

Como tudo na vida tem um final, agora é a hora do sistema capitalista dar adeus à existência, abrindo caminho para o poder dos trabalhadores.

Ao contrário do que pregam as direções sindicais, os prejuízos com a crise tem que ficar com os capitalistas e não com os trabalhadores. Afinal a crise é fruto das ações dos capitalistas, eles que organizam a produção e tem total controle sob o estado burguês, eles são quem provocam as crises, e nada mais justo que arquem com as consequências dela.

A política mais correta para a atuação dos trabalhadores é a de não aceitar redução de salários nem de empregos. Nos período de prosperidade aumentam os lucros, durante as crises jogam as contas para o trabalhador pagar, muito desonesto isso não acham?

Se ameaçam fechar as fábricas, tudo bem, que vão embora e deixem os trabalhadores assumirem ela e continuar com seus empregos e salários. Se não for por bem, que seja pela ocupação da fábrica pelos empregados e com greve, que podem continuar a produzir sem os capatazes de costume e com lucros.

Defendemos que as fábricas sejam ocupadas, as jornadas de trabalho sejam reduzidas para no máximo 35 horas semanais, isso contribui para aumentar a quantidade de empregados, reduzindo o desemprego, tudo sem redução nenhuma de salários.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.