Juiz de MG barra piso da enfermagem e seu salário aumenta 18%

Petrobrás

Unificar os trabalhadores para enfrentar a crise e os golpistas!

Negociação com bolsonaristas, representantes de abutres internacionais, que entregaram a Rlam, em igualdade de condições somente com greve

Refinaria Landulpho Alves – Foto: reprodução

Receba o DCO no Email

Os petroleiros da refinaria Landulpho Alves (Rlam), que entraram em greve na última quinta-feira (18), após a direção da Petrobras chamar o Sindipetro da Bahia, encerraram a paralisação.

Em seu portal na internet, no mesmo dia em que se deu inicio à greve, a Federação Única dos Petroleiros (FUT) anunciou que a estatal esboçou o desejo de abrir negociações, apesar de não mostrarem qual seria o tema que seria discutido.

A direção do Sindipetro-                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                              BA, para justificar a paralisação que começou muito forte, inclusive com manifestações de apoio dos petroleiros de todo o país, o coordenador do sindicato, Jairo Batista disse que, diante da possibilidade colocada pela direção da estatal, “para realizar uma greve legal é preciso haver um impasse negocial e diante do comunicado da Petrobrás externando sua vontade de exaurir a negociação, o sindicato, aconselhado, inclusive por sua assessoria jurídica, decidiu pela suspensão da greve e retorno à mesa de negociação”. Porem, não há impasse, a Rlam foi anunciada como vendida, foi privatizada, este é o ponto em questão. A não ser que tenha algo concreto e que prove o contrário, mesmo porque não há nenhum indício de isso tenha ocorrido, neste caso o recuo se apresenta como uma capitulação.

Mas parece que a privatização da refinaria é algo menor, de acordo com a sequência do artigo onde dez: “o Sindipetro informa que o estado de greve está mantido e que a decisão de suspender o movimento paredista é uma tentativa de avançar na pauta de reivindicações da categoria, especialmente no que diz respeito aos trabalhadores próprios e terceirizados da Rlam e seus terminais, que vivem um clima de insegurança e apreensão devido ao anúncio da venda da refinaria ao fundo árabe Mubadala. A entidade sindical, que é rigorosamente contra a venda da Rlam, quer garantir a manutenção dos direitos, empregos, benefícios e salários desses trabalhadores e discutir as contratações e o futuro dos atuais contratos de trabalho, do fim dos assédios aos trabalhadores e da garantia de um ambiente laboral saudável, caso não consiga evitar a conclusão do processo de venda da Rlam, apesar dos esforços que vêm sendo feitos nesse sentido.

Não se pode dar de barato o patrimônio do povo brasileiro que o Bolsonaro, bem como seus asseclas estão fazendo, ou seja, querem aumentar o contingente de desempregados e se desfazer de todo o patrimônio do povo brasileiro. Portanto, a greve deveria ter continuado. A direção dos petroleiros da Bahia disseram que, se não tiverem avanço nas negociações retornarão à  greve. Ou seja, é deixar passar uma oportunidade de ouro, a de negociar em iguais condições, quer entregar a Petrobras, os trabalhadores não irão deixar, por isso estão de braços cruzados.

Nem é preciso dizer que o governo, aos poucos está entregando todos os ativos da Petrobras, mas também está em seu plano a entrega de praticamente, todo o patrimônio do povo brasileiro, como os bancos, a exemplo da Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil, onde estão fechando inúmeras agências e postos e preparando para demitir uma avalanche de trabalhadores, Correios, Casa da Moeda, Serpro, Eletrobrás, Datamec, etc.. Mesmo com todo esse ataque, apesar de ter ocorrido lutas dos trabalhadores, uma serie de sindicatos preferiram aderir a ideia de ficar em casa e deixar os trabalhadores à própria sorte, a exemplo do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos que fizeram “assembleias” virtuais, a exemplo de uma das maiores empresas da categoria, a Embraer demitiu mais de 2.500 trabalhadores.

É Preciso da unificação das lutas dos servidores, bem como, todo o apoio das demais entidades sindicatos dos trabalhadores, das organizações populares e sociais, com a coordenação da CUT par impor uma derrota a tamanha brutalidade que o governo fascista de Bolsonaro está fazendo ao povo brasileiro.

Greve com ocupação das instalações

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.