Burguesia não está disposta a deixar Lula governar para o povo

Sanguessugas dos trabalhadores

TST quer demissão por justa causa para quem não se vacinar

Para passar por cima dos direitos individuais de opção e análise de risco das vacinas experimentais, TST caminha para o fim dos direitos trabalhistas dos empregados

Parece que muita gente está com saudades dos tempos dos direitos inexistentes sobre o próprio corpo, exclusivo para o trabalho. – Divulgação Geral – Internet

Receba o DCO no Email

Há muitas décadas foi determinada no Brasil o uso exclusivo do corpo dos trabalhadores para o sistema geral da sociedade, sob ideologia para sustentação do modo de produção capitalista. Nos momentos de crise de segurança alimentar da sociedade, a burguesia falava em solidariedade, mas nunca em nada que simulasse a realidade das classes sociais, escondendo que o direito à alimentação e ao teto fossem fundamentais. Nessa hora o coletivo nada falava, mas os méritos individuais, as conquistas de um trabalhador aqui e outro acolá.

Os tempos foram passando e com muita luta e organização, traições cá e lá, sacrifícios, lutas dos trabalhadores, direitos foram adquiridos e durante um tempo isso foi tolerado pelos patrões, em razão das condições gerais.

Artigos Relacionados

Nas últimas décadas, o avanço tecnológico e o acúmulo de riquezas da burguesia nacional, a crise mundial e a atuação do imperialismo no Brasil começaram a exigir a derrocada desses direitos adquiridos, uma ação reacionária para conduzir os trabalhadores à máxima exploração, criando massa de desempregados, assumindo a força do capitalismo financeiro e a destruição de nossa indústria e empregos nacionais.

“Pior que tá, não fica”, dizia Tiririca quando se elegeu deputado. Mas ficou e parece que ficará cada vez pior se nada for feito, se a classe trabalhadora não se organizar para desmotivar novos atos destruidores, novos esmagamentos, novas propostas que agora chegam novamente no corpo do trabalhador, assim como foi na escravidão oficial do século retrasado. A Burguesia mostra intensa saudade e não faz mais questão de esconder essa vontade.

Diante de uma pandemia custosa à sociedade, sob um governo de características fascistas, com Bolsonaro e os golpistas a todo momento sabotando a vacinação em massa da população, com apoio descarado da Burguesia nacional que tenta transparecer respeito científico, o TST, Tribunal Superior do Trabalho, estuda um documento do MPT, Ministério Público do Trabalho, para aceitar as demissões patronais dos empregados que não queiram se vacinar como sendo por Justa Causa, quando o trabalhador fica manchado e sai da empresa sem o mínimo direito, nada, mão na frente e outra atrás, além de risco de responsabilização pelo adoecimento de colegas, o que agrava mais ainda sua situação.

O Guia Técnico Interno do MPT sobre Vacinação da Covid-19, elaborado e apresentado publicamente pelo MPT em 28 de janeiro de 2021, conclui que o empregado que se recusar após tentativa de dissuasão para a vacinação sem justificativa médica atestada, coloca em risco de morte os colegas do ambiente de trabalho e compromete a política de saúde pública, com fundamento no artigo 482 da CLT, h, combinado com o artigo 158, II, parágrafo único, alínea “a”, pois deve-se observar o interesse público, já que o valor maior a ser tutelado é a proteção da coletividade.

Para justificar o fim do direito do trabalhador sobre seu próprio corpo, os patrões agora se passam por coletivistas. Mas na hora que a propriedade do burguês é de interesse coletivo ou os modos de produção nitidamente são do interesse coletivo, o argumento desaparece e vira até crime.

Para atender ao Capital, a pandemia virou oportunidade de esmagamento dos direitos dos trabalhadores, dedicando sua energia unicamente aos interesses do capital, desrespeitando o direito fundamental sobre si mesmo diante do saber e crença de cada um. Podemos concordar que a vacina deve ser ofertada a todos os cidadãos, argumentar de modo sustentado por estudos sérios, mas jamais poderíamos obrigar alguém ou fazer disso desculpa para oprimir mais ainda os trabalhadores. O TST nunca pensou no coletivo da sociedade, pensa somente no coletivo da Burguesia e dos donos dos meios de produção, seus comandantes e sua razão de existir. Trabalhadores, uni-vos!

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.