Cerca de 800 militares ucranianos se rendem em Azovstal

Ditadura contra os operários

Sindicatos denunciam violência do governo colombiano

Em abril, foram relatados 1.089 casos de violência policial, 726 prisões arbitrárias, 27 mortos e seis atos de violência sexual

Trabalhadores – Reprodução

Receba o DCO no Email

CUT São Paulo Sindicatos e entidades representativas de trabalhadores de todo o mundo realizaram nas últimas segunda e terça (22 e 23) um fórum internacional (Foro #PazVidaDemocracia) sobre a situação política da Colômbia. A ideia foi dar visibilidade à violência do governo colombiano contra trabalhadores na repressão de movimentos populares. O governo de Iván Duque Marquéz vem atacando manifestantes que se levantam contra o pacote neoliberal proposto pelo político.

Em 28 de abril, o Esquadrão Anti-Motim (Esmad) atacou violentamente um protesto contra a privatização do sistema de saúde no país. Milhões foram às ruas, mesmo diante dos riscos da pandemia de covid-19. Também foi realizada uma greve nacional, apesar da intensa campanha contrária da imprensa comercial. Durante os atos, a Federação Colombiana de Trabalhadores da Educação (Fecode), uma das organizações que lideraram a mobilização, relatou 1.089 casos de violência policial, 726 prisões arbitrárias, 27 mortos e seis atos de violência sexual.

Denúncia internacional

Cinco meses depois, em 28 de setembro, estudantes da Universidade Industrial de Santander, em Bucaramanga, a 400 quilômetros da capital, foram reprimidos violentamente enquanto realizavam um ato pacífico com as mesmas pautas. “As organizações sindicais do mundo vêm denunciando para a Comissão Interamericana de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos (OEA) esta face do governo de extrema direita de Iván Duque, mostrando com profusão, em filmagens feitas por cidadãos em celulares, a violência absurda da polícia e do exército”, afirma o secretário de Relações Internacionais da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), do Brasil, Roberto von der Osten.

Em nota, a Contraf-CUT lembrou que “na Colômbia, assim como no Brasil, os trabalhadores enfrentam um governo neoliberal que ataca direitos do povo, menospreza o meio ambiente, não respeita direitos humanos e usa a repressão policial de forma violenta, pretendendo abafar as vozes das oposições”. Outra similaridade é a utilização do Judiciário para perseguir opositores, nos moldes da Operação Lava Jato contra políticos progressistas.

Lawfare

“O fórum denunciou ainda que, na Colômbia, ocorrem seguidas ações de lawfare. Os dez governadores da oposição, diversos senadores, deputados e vereadores, estão sofrendo processos administrativos e judiciais”, completa a confederação brasileira. O conceito de lawfare entrou no glossário jurídico brasileiro com os mais de 20 processos contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ele foi inocentado de todos, mas os objetivos do grupo político que sequestrou parte do Judiciário foram alcançados. Com isso, um governo de extrema direita foi eleito e Lula foi preso, sendo assim impedido de concorrer ao pleito em 2022.

O secretário regional da UNI Américas (sindicato global), Marcio Monzane, destacou que os sindicatos brasileiros possuem experiência graças aos últimos anos de revezes diante do atual governo. “Os dirigentes sindicais brasileiros sabem dos impactos do lawfare numa eleição e podem ajudar muito no controle do processo”, disse, sobre uma ação da entidade no sentido de organizar uma missão de observação para as próximas eleições do país.

Assim como no Brasil, a Colômbia passa por um processo de empobrecimento devido às políticas neoliberais, afirmam os sindicalistas. “No último dia do fórum, os palestrantes relataram que é um exemplo para o mundo o que ocorre na Colômbia. Podemos ver o que acontece quando um governo coloca o modelo econômico acima das pessoas. A sociedade empobrece muito”, afirmou o dirigente da Contraf-CUT.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.