Cerca de 800 militares ucranianos se rendem em Azovstal

Equipes desfalcadas

Médicos da cidade de São Paulo anunciam greve para esta quarta

Se a Prefeitura e a Secretaria de Saúde não se manifestem sobre o plano de reposição das equipes, a decisão pela paralisação, definida em assembleia, será mantida para quarta-feira

Frente da UBS Santa Cruz – Reprodução

Receba o DCO no Email

─ CUT ─ Médicos e médicas da atenção primária à saúde, que atendem nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs) de São Paulo, devem entrar em greve nesta quarta-feira (19), caso um acordo não seja fechado ainda hoje (17) com a prefeitura de São Paulo e a Secretaria Municipal de Saúde. A decisão pela paralisação foi tomada em assembleia no último dia 13 diante do desfalque de profissionais de saúde nas UBSs e da falta de condições de trabalho e de atendimento à população.

De acordo com a infectologista e dirigente do Sindicato dos Médicos de São Paulo (Simesp), Juliana Salles, entre as reivindicações da categoria está a desobrigação do comparecimentos dos profissionais aos finais de semana e feriados. No dia 7 de janeiro, a gestão de Ricardo Nunes (MDB) divulgou que as unidades de saúde iriam funcionar também aos sábados devido à alta procura por pessoas com sintomas gripais. O anúncio foi feito à imprensa antes mesmo da comunicação aos profissionais da saúde. 

Reivindicações

“(Nós exigimos) em primeiro condições de atenção à população. E isso passa por tudo, por mais mão de obra, reposição dos trabalhadores afastados, não só dos médicos, pagamento das horas extras que (eles) estão fazendo e negociação dessas aberturas nos finais de semana e à noite. A prefeitura simplesmente divulga pela mídia, mas não faz um plano de contingência. Ela não negocia isso com os trabalhadores e as unidades, e não organiza antes. Então, simplesmente joga uma responsabilidade em cima dos trabalhadores, não faz contratação”, contesta.

No dia 7 de janeiro, o Simesp enviou um ofício sobre a assembleia, realizada no dia anterior, à secretaria municipal de Saúde e ao Sindicato das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos do Estado de São Paulo, que representa as 14 organizações sociais de saúde que gerenciam a atenção primária no município.

Na ocasião, foi discutido o desabastecimento de insumos, a falta de pagamento da hora extra pelo trabalho em feriados e dias fora do estipulado em contrato e a descaracterização da atenção primária de saúde em São Paulo. 

O que dizem os órgãos

A representação das organizações sociais disse que deliberou o reajuste pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) de 10,42% em três vezes frente ao reajuste de 15% solicitado pelo Sindicato dos Médicos. A entidade patronal acrescenta ainda que outras reivindicações da categoria, como a extinção do banco de horas, não são factíveis para inclusão na convenção coletiva, tendo em vista as características de custeio do sistema filantrópico. Já a secretaria municipal de Saúde afirma, em comunicado, que atendeu boa parte das reivindicações enviadas anteriormente pelo sindicato. O órgão cita o o pagamento de 50% do banco de horas extras e das horas extras na folha mensal. Assim como para plantões extras dos servidores efetivos. 

A pasta afirma também que recentemente contratou 280 novos profissionais e autorizou as organizações sociais de saúde a contratarem mais médicos e enfermeiros. No comunicado, a gestão municipal argumenta que os estoques de insumos estão regularizados e que autorizou as organizações a adquirirem itens emergenciais.

Por outro lado, o Simesp revela que tem recebido inúmeras denúncias dos profissionais da atenção primária que são obrigados a comparecer aos sábados, e sobre o não pagamento das horas extras nesses dias. A ausência de equipe adicional para atendimento dos pacientes também é uma queixa frequente dos profissionais, segundo o sindicato. Principalmente devido ao grande número de profissionais afastados. Um boletim, divulgado pela secretaria no dia 13 de janeiro, mostra que 3.193 profissionais já haviam sido afastados. Até 1.403 tiveram o diagnóstico confirmado para a covid-19 e 1.683 foram afastados com síndrome gripal. O total é o dobro do registrado no dia 6, quando a pasta contabilizava 1.585 profissionais afastados.

Informações contestadas

“Tem um monte de gente sendo afastada rapidamente e não há condições de reposições desses profissionais. E com isso a população que anseia ser atendida, e que não tem os profissionais ali, também fica revoltada e com razão. Então os profissionais querem que tenha o número de trabalhadores, condições, insumos e medicação adequadas para poder atender a população”, destaca Juliana. 

As UBSs são a porta de entrada ao Sistema Único de Saúde (SUS). A dirigente do Simesp lembra que as elas não são unidades de pronto-atendimento e que oferecem outros serviços que estão sendo comprometidos pela demanda gerada pela pandemia e pelo surto de gripe.

“Ela trata de uma série de doenças crônicas, faz prevenção e promoção à saúde, o que está sendo comprometido pela atual demanda de covid há mais de dois anos. Isso terá consequências graves em índices de qualidade de vida, como mortalidade materna e infantil, em doenças contagiosas, em doenças crônicas como pressão alta e diabetes. Isso tudo se não for tratado direito gerará um volume de sequelas”, observa. 

O Sindicato dos Médicos cobra uma reunião com a prefeitura e a Secretaria Municipal de Saúde para tratar sobre a reestruturação das equipes desfalcadas e um plano de reposição dos profissionais afastados. Caso os órgãos públicos não se manifestem até essa segunda, a decisão da greve deverá ser mantida.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.