Paulo guedes

Ministério de Paulo Guedes acumula perda de 16 auxiliares

Crise Econômica

29 de 58 fábricas suspendem produção de veículos

Diversas montadoras estão com suas atividades temporariamente suspensas e trabalhadores em lay-off. Há previsão de demissões em massa.

O País tem 2 milhões de capacidade de produção de veículos ociosa – Reprodução

Receba o DCO no Email

Segundo a Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores), a situação da indústria automobilística no Brasil é crítica. Há uma crise no fornecimento de componentes, que se soma à queda da demanda interna, efeito da pandemia do coronavírus, que ocasionou a suspensão total ou parcial das fábricas de produção de veículos. Já são 29 fábricas de um total de 58.

Entre os meses de janeiro e fevereiro, ápice da crise da falta de oxigênio em Manaus, pelo menos quatro fabricantes da Zona Franca paralisaram temporariamente suas atividades. O toque de recolher imposto pelo governo estadual ocasionou a redução de turnos de serviço.

Artigos Relacionados

Especialistas assinalam que cerca de 300 mil veículos não serão produzidos este ano. Ainda, estima-se que 60% a 70% dos 105 mil empregados diretos no setor automobilístico estão em casa. A queda na produção e paralisação de atividades pioraram as estimativas da economia brasileira. As projeções do Produto Interno Bruto (PIB) vêm sendo reduzidas mês a mês.

O boletim Focus, que é um relatório produzido pelo Banco Central do Brasil (BC) sobre a economia brasileira, publicado em 29 de março, prevê apenas 1,18% de crescimento para este ano.

A Volkswagem foi a primeira montadora que anunciou o fim da produção no Brasil, no mês de março. Na sequência, Volvo e GM disseram que a falta de componentes acarreta queda na produção. O último levantamento da Anfavea revela que estavam paradas:  Mercedes, Renault, Scania, Toyota, Volkswagen, Volkswagen Caminhões e Ônibus, BMW, Agrale, Honda, Jaguar e Nissan.

Já a estimativa de vendas caiu de entre 2,4 milhões e 2,3 milhões para 2,1 milhões. No ano anterior, 1,95 milhões de veículos foram vendidos. Por sua vez, uma consultora, Bright Consulting, cortou sua estimativa de 2,45 milhões para 2,38 milhões.

Dados do Sistema de Contas Nacionais do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), de 2018, destacam que a fabricação de automóveis, caminhões, ônibus e autopeças representam 0,9% do PIB brasileiro e 6,7% do PIB da indústria de transformação; 0,4% do emprego total do país e 4,1% do emprego da indústria; além de 1,4% dos salários da economia e 8,8% dos salários do setor industrial.

O IBGE assinala que a produção industrial brasileira já havia recuado 0,7% em fevereiro. Em relação à produção de veículos, houve queda de 7,2%. A capacidade de produção do País é de 4,8 milhões de veículos e atualmente são produzidos a metade disso. Há mais de dois milhões de capacidade ociosa.

Fica cada vez mais evidente que há um processo geral de demissões dos trabalhadores industriais.

A montadora da GM anunciou em março a parada de suas plantas em São Caetano do Sul (SP) e Gravataí (RS) por falta de componentes eletrônicos. Na cidade de São José dos Campos (SP), 600 trabalhadores foram colocados em lay-off por dois meses – eles se somam a outros 368 funcionários que já estavam com contratos suspensos desde o ano passado.

A crise econômica capitalista se agrava no Brasil. A pandemia do coronavírus é um fator que acelerou o problema econômico e aprofundou seus efeitos na sociedade.

O desemprego bate às portas de amplas parcelas da classe operária. Somente a retirada da empresa Ford lançou 12 mil trabalhadores diretos no desemprego e outros 60 mil indiretos. As demais empresas automotivas que estão paralisadas não vão demorar até se decidirem por fechar suas unidades no Brasil.

Os trabalhadores sempre pagam o preço como nos contextos de crises capitalistas. Os patrões não pretendem arcar com os custos da crise, que resulta na diminuição de sua taxa de lucro. Querem colocar os custos da crise nas costas do povo trabalhador.

É preciso que os sindicatos do ramo metalúrgico e a Central Única dos Trabalhadores (CUT), maior organização operária da América Latina, organizem os trabalhadores num movimento de ocupação das fábricas. Os empregos e sustento das famílias devem ser garantidos. Não se pode permitir que os capitalistas lancem milhares de operários na miséria.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.