Google e Twitter questionam Moraes de bloquear perfis do PCO

Campanha salarial

Comando dos bancários entrega as reivindicações aos banqueiros

Categoria deve se organizar em torno de Comitês de Luta para levar suas reivindicações até às últimas consequências

É preciso intensificar a mobilização por Lula presidente em todas as categorias – Foto: Reprodução

Receba o DCO no Email

No último dia 15 de junho, o Comando Nacional dos Bancários entregou, para a Fenaban (Federação Nacional dos Bancos), a minuta com as reivindicações da categoria bancária, definidas na 24ª Conferência Nacional dos Bancários, realizada em São Paulo entre os dias 10 e 12 de junho.

A categoria bancária se prepara para mais uma campanha salarial em meio ao golpe, em que os direitos mais elementares dos trabalhadores estão sendo liquidados pelas instituições do Estado. Executivo, legislativo e judiciário agem em uníssono, em plena ofensiva contra os direitos dos trabalhadores e de ataques às condições de vida de toda a população.

A política do aloprado Ministro da Economia, Paulo Guedes, e do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, representantes diretos dos banqueiros nacionais e internacionais, visa implantar um violento ataque às condições de vida das massas e que afeta diretamente a categoria bancária.

Fim da CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas), terceirizações, privatização das Estatais, fim das aposentadorias, tanto para homens quanto para mulheres, prevalência do negociado sobre o legislado, arrocho salarial, desemprego etc. Ou seja, estão transformando os trabalhadores em escravos.

Com o agravamento da crise capitalista, os patrões e seus governos buscam impor uma ofensiva contra os interesses das massas trabalhadoras no Brasil e em todo o mundo. Nessas condições, a arma dos trabalhadores bancários, nesta campanha salarial, é organizar uma gigantesca mobilização para derrotar o governo golpista, os banqueiros, inimigos do povo e da classe trabalhadora, e ir às ruas contra a ofensiva reacionária dos banqueiros.

Os banqueiros, um dos principais financiadores do golpe de Estado no País, mesmo com toda a crise, inclusive com o aprofundamento desta, com a pandemia do coronavirus; estão lucrando absurdos e, mesmo sendo o setor da economia que mais lucra, se recusam a atender as mínimas reivindicações dos bancários.

Para combater a ofensiva dos banqueiros é necessário por em prática uma das pautas de luta aprovada na Conferência dos bancários que é a formação, em todos os locais de trabalho, dos Comitês de Luta.

A criação dos Comitês, com boletins e jornais próprios, é fundamental para a retomada da luta e organização concreta dos bancários. Sua formação parte da luta em cada setor, departamento e agência como canal de denúncia e oposição às ameaças, ao autoritarismo, ao arbítrio e terror nos locais de trabalho, resgatando a solidariedade entre os bancários frente aos problemas específicos e gerais e reforçando a unidade entre os trabalhadores.

Os Comitês promovem e aprofundam as discussões no interior dos bancos, formulando táticas e estratégias de luta em torno das reivindicações, incentivando, ainda, o surgimento de novas lideranças. Eles não se opõem ao sindicato, mas, ao contrário, reconhecem-no como elo unificador das lutas sindicais. Se a direção do sindicato é combativa e autêntica, há uma nítida integração entre Direção e Comitê. Ao mesmo tempo, se a Direção é pelega, aos Comitês compete combatê-la e expulsá-la do sindicato.

Os Comitês de Luta são, pois, instrumento de pressão das bases sobre as direções sindicais e, por isso, decisivas para a desburocratização, democratização e fortalecimento dos sindicatos, contribuindo para a consolidação, no seio da categoria, de uma organização sindical massiva, democrática e classista.

Os Comitês de Luta não devem ser encaradas como prolongamento das direções sindicais no interior da empresa, mas, ao contrário, como organizações que, partindo dos locais de trabalho, se submetem não às direções, mas às decisões da categoria.

Somente através das organizações, que tenha como base a participação de toda a categoria nas próximas lutas que estão por vir, que os trabalhadores irão arrancar as suas reivindicações, tais como: estabilidade no emprego; não às terceirizações; piso salarial de R$ 6.600; não às privatizações dos bancos públicos; reajuste automático toda a vez que a inflação alcançar 3%; aumento real de salário; dentre outras reivindicações aprovadas pela categoria nos seus congressos que devem se somar à luta imprescindível por Lula presidente.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.