alckmin e lula

Rui Costa Pimenta critica aproximação de Lula com Alckmin

A imunização como artifício

Burguesia “monitora” vacinação de trabalhadores nas fábricas

As empresas "ainda não sabem o que irão fazer" com aqueles indivíduos que, por alguma razão, não se apresentarem para o trabalho portando papéis que demonstrem estarem imunizados

Trabalhadora fabril durante a pandemia – Reprodução

Receba o DCO no Email

Nas últimas décadas as relações entre Capital e Trabalho têm se modificado cada vez mais em desfavor dos trabalhadores. A burguesia vem aproveitando cada oportunidade, cada pretexto que a crise, engendrada pelo próprio capitalismo, produz para debilitar o proletariado em sua correlação de forças na luta de classes.

Mesmo as tecnologias de produção mais avançadas, que deveriam proporcionar mais tempo livre àquele proletariado, servem como instrumento de obsolescência do trabalho vivo, do elemento humano, em contraposição ao maquinário, aos robôs e computadores, essa espécie de exército de escravos, que vão expulsando dia a dia os operários de dentro das unidades de produção. Outras táticas, como a terceirização, as deslocações industriais, também vem sendo adotadas pelo patronato com esse mesmo propósito. Mais recentemente, uma verdadeira campanha de guerra psicológica está sendo movida pelos patrões para intimidar os trabalhadores. A falta de vacinas, além de permitir um maior desvio do caixa do Estado para os capitalistas, pode servir como desculpa para a dispensa dos trabalhadores. Para sermos mais diretos, é isso que a burguesia pretende utilizar contra os trabalhadores. As empresas “ainda não sabem o que irão fazer” com aqueles indivíduos que, por alguma razão, não se apresentarem para o trabalho portando papéis que demonstrem estarem imunizados. Segundo matéria do jornal O Globo, empresas já estão controlando a imunização dos funcionários porém “não sabem” como agir se houver recusa sistemática de se proteger do vírus.

O sórdido da situação é que se por um lado a burguesia coloca essa faca no pescoço dos seus empregados, por outro, nem essa mesma burguesia, nem os governos por ela instalados fizeram um esforço sério para fornecer imunização para a população. Até agora, menos de vinte por cento (18,5%) da população receberam as duas doses recomendadas das vacinas Coronavac, Astrazeneca, Pfizer ou a dose única da Janssen, segundo números fornecidos pelo IBGE. Enquanto isso, aos trabalhadores se continua exigindo que façam uso dos transportes públicos lotados e precarizados, aglomerem-se nos pontos de ônibus (lembremo-nos das “estações tubo” de Curitiba), nos veículos, nos locais de trabalho, nas escolas e creches.

Nesse momento, nos países centrais, como a França de Macron, a população se levanta em aberta resistência contra a política do “passaporte sanitário” que europeus e estadunidenses percebem como uma agressão aos seu direitos, uma imposição do tipo Big Brother sobre os indivíduos. Não surpreende que esse movimento, dos chamados “antivacs”, esteja sendo capitalizado politicamente pela extrema-direita na Europa e America do Norte. Em se tratando da burguesia e sua política de rapina, na luta pelo espólio do Estado, todos os artifícios estão dados. Não se sabe como as empresas e fábricas atuaram quanto à vacinação dos funcionários; mais uma coisa é certa: a política dos capitalistas não serve aos empregados.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.