Magno Souza visita vítimas do Massacre do Guapoy Mirim Tujury

Banqueiros genocidas

Banqueiros genocidas e a volta ao trabalho presencial

Banqueiros do Itaú/Unibanco, descumprindo acordo com os trabalhadores, vem ameaçando os seus funcionários com comorbidades retornarem ao trabalho presencial

Banco Itaú – Foto Reprodução

Receba o DCO no Email

Os banqueiros golpistas do Itaú/Unibanco estão pressionando bancários com comorbidades a retornarem ao trabalho presencial sem que, conforme determina acordo com as entidades dos trabalhadores, mais de 70% da população esteja totalmente vacinada, além de não dar as mínimas condições de higiene sanitária nas dependências bancárias.

Segundo matéria divulgada no site do Sindicato dos Bancários de São Paulo e região: “por meio de gestores, e escorado pelo departamento médico, o Itaú tem ignorado as condições clínicas individuais e pressionado a retornarem ao trabalho presencial bancários do grupo de risco e com comorbidades graves, como câncer, cardiopatias, lúpus, imunossupressão; e transplantados. Esses trabalhadores têm relatórios médicos recomendando o home office”, e continua denunciando que, “essa pressão para o retorno ao trabalho presencial ocorre mesmo sem o banco estar oferecendo um ambiente seguro nas agências e departamentos – como testagem recorrente, Equipamentos de Proteção Individual (EPI) de ponta, higienização frequente do local de trabalho, troca constante do ar e ambientes livres de aglomeração”. (site spbancarios.com.br 22/10/2021)

Os banqueiros fascistas do Itaú são mestres em perseguir e aterrorizar trabalhadores que tem problemas de saúde. Não é novidade pra ninguém que o banco é recordista em demitir trabalhadores que são afastados por motivo de doenças ocupacionais, é o seu modus operandi.  Assim que termina o prazo de estabilidade do trabalhador afastado por doença, o banco vai e demite, sem dó e sem piedade. Não é por um acaso que os Tribunais do Trabalho, país a fora, estão lotados de processos contra esse tipo de arbitrariedade dos banqueiros do Itaú.

Falta de funcionários, sobrecarga de trabalho, assédio moral e péssimas condições de trabalho é o cotidiano dos bancários do banco Itaú/Unibanco que, além de estarem sofrendo um sistemático ataque às já precárias condições de trabalho, passam por constrangimentos e humilhações aos serem tratados como escravos e os seus direitos jogados na lata do lixo.

Essa política, inclusive, não é exclusividade dos golpistas do Itaú: no Banco do Brasil, por exemplo, a direção da empresa determinou à volta ao trabalho presencial, daqueles que se encontram em trabalho remoto, para aqueles que não tomaram a segunda dose da vacina; o Santander, passando por cima, olimpicamente, do acordo das organizações sindicais dos trabalhadores junto a Fenaban (Federação do Nacional dos Bancos), de restrição no tempo da abertura das agências enquanto durasse a pandemia, determinou a abertura das suas agências em horários normais, o que vem gerando aglomerações gigantescas nas suas dependências bancárias; o Bradesco e a Caixa idem com a volta presencial.

Os banqueiros, os capitalistas e seus governos nunca tiveram como objetivo proteger os trabalhadores e a população do vírus e, sim o contrário: sacrificar o povo para salvar os lucros desses parasitas. Todas as medidas da burguesia sempre foram de “proteger” os capitalistas em detrimento dos direitos dos trabalhadores. E, agora não é diferente, tentam passar a impressão de certa normalidade, sendo que apenas 50% da população tomou a segunda dose da vacina, sendo que para se chegar a tal “normalidade”, segundo dados científicos, o controle da disseminação do Covid-19 só se dará quando mais de 70% da população estiver devidamente imunizada.

É preciso responder com um vigoroso “NÃO” à política dos banqueiros de volta ao trabalho presencial. Volta, somente, quando mais de 70% de toda a população esteja com as duas doses da vacina e, além disso, depois de cumprida essa primeira etapa, exigir que todas as medidas de proteção sanitária sejam tomadas. Para isso, é preciso intensificar as mobilizações de toda a categoria bancária através de atos, paralisações, para enfrentar mais esse ataque aos trabalhadores.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.