Jogo sujo: Novo processa Lula por fazer campanha eleitoral

Por tempo indeterminado

Bahia: professores da rede municipal deflagram greve

Categoria reivindica reajuste salarial de 33,24% à prefeitura, que oferece 6%

Trabalhadores devem lutar por Lula presidente – Foto: Reprodução

Receba o DCO no Email

O início deste ano foi marcado pela agitação dos professores por seus direitos, pois logo no começo do ano, foi anunciado que o acumulado da pandemia em relação ao piso nacional dos professores seria o aumento de 33,24%.

Essa noticia mexeu diretamente com os professores que, em muitos estados, um exemplo é o de São Paulo, estavam com mais de oito anos sem reajuste. A defasagem dos vencimentos dos professores frente à crise e à inflação motivou os docentes a sair a campo para lutar pelos seus salários.

Tivemos diversas greves desde o mês de janeiro e, agora, é a vez dos professores municipais da Bahia. Os Professores da rede municipal de Salvador iniciaram, na última quinta-feira (19), uma greve por tempo indeterminado. Fizeram uma assembleia com os profissionais da Rede Municipal de Ensino na Praça Municipal às 9h e, com isso, iniciaram as greves.

O presidente da Associação de Professores Licenciados do Brasil (APLB), da seção de Salvador, Rui Oliveira, informou que a categoria pede, além do reajuste salarial de 33,24%, melhores condições de trabalho e correções que correspondem às perdas inflacionárias. Segundo também a APLB, a adesão no primeiro dia de greve foi de 90% das escolas, número extremamente positivo.

Alguns professores conseguiram algum tipo de reajuste com as greves pontuais que tiveram. Porém, diante da situação inflacionária e a defasagem dos salários, é preciso um movimento nacional de luta pelos 33,24% e um gatilho quando a inflação alcançar o patamar de 5%, pois mesmo os que receberam o reajuste do piso, infelizmente logo vão voltar ao mesmo patamar de miséria.

“Tem seis anos que o governo municipal não concede reajuste. As perdas inflacionárias chegam a 54%. Então, o poder de compra foi reduzido pela metade, o que a gente comprava há seis anos, hoje não compramos nem pela metade. O governo ofereceu 6% de reajuste, mas a categoria não aceita”, explicou Rui.

É preciso um amplo movimento não somente dos professores mas de todos os trabalhadores que vem amargando perdas substanciais. Somente a luta contra o golpe de 2016 que aprofundaram a política neoliberal pode ter um fim consequente.

Nesse sentido, é preciso radicalizar a greve dos professores e intensificá-la visando torná-la nacional. Ademais, é imprescindível que a mobilização tome a palavra de ordem Lula presidente. Ou seja, adquira um caráter político claro. Essa é a única forma de colocar em xeque a política neoliberal de esmagamento dos trabalhadores e, consequentemente, combater o avanço do golpe no País.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.