Bolsonaro veta auxílio e condena agricultores à inanição

Para por abaixo o regime

A CUT precisa convocar a mobilização nos bairros operários

A população não pode esperar 45 dias para novas manifestações, é preciso realizar novos atos nacionais em agosto e ir aos bairros populares, às fabricas e mobilizar

Com os trabalhadores em movimento, as manifestações crescerão e aumentará a crise do regime – Reprodução

Receba o DCO no Email

As manifestações deste dia 24 marcaram o quarto dia de atos nacionais pela derrubada do governo Bolsonaro. Foram centenas de milhares de pessoas nas ruas, exigindo Fora Bolsonaro e também Lula Presidente. Contudo, por outro lado, a imprensa burguesa aumentou sua pressão contra o movimento, realizando uma forte campanha pela inserção da direita nas manifestações e alegando que o movimento já estaria se “cansando” devido ao “número de atos”.

Esta campanha cínica, vista sobretudo no jornal Folha de S.Paulo, pressiona justamente o setor mais vacilante da esquerda, aquele que desde o primeiro momento se colocou contra as manifestações, e agora defende a frente ampla no interior do movimento. Assim, partidos como PCdoB, engrossam a campanha de que as manifestações deveriam ocorrer novamente só depois de 45 dias, desmobilizando toda população.

Este tipo de posição só consegue exercer uma pressão sobre o movimento graças à falta de mobilização por parte dos sindicatos. Com a ausência das principais categorias, ou seja, do principal setor da classe operária organizada, nas manifestações, a frente ampla consegue agir com muito mais facilidade no interior do movimento.

Felizmente, no último dia 24 a Central Única dos Trabalhadores (CUT) decidiu tomar uma posição mais firme quanto as manifestações, e mobilizou uma parcela do seu aparato, levando bandeiras, representantes de importantes categorias, e organizando um maior bloco nas ruas de várias cidades do país. A ação da CUT acompanhou a radicalização do próprio movimento e os enfrentamentos contra a frente ampla vistos em atos anteriores.

A CUT dessa vez convocou uma parcela dos metalúrgicos do ABC, como também organizou os Petroleiros e os Ecetistas para estarem mobilizados nas manifestações. Uma outra medida importante, foi o anúncio da greve dos servidores públicos para o dia 18 de agosto, dando um passo decisivo rumo a uma maior mobilização da categoria e elevando as possibilidades de uma verdadeira greve geral contra o governo Bolsonaro.

Todas estas medidas foram importantes, contudo, precisam ser fortalecidas durante este próximo período. As manifestações chegaram em uma nova etapa, de um lado a população está cada vez mais radicalizada, e disposta a conquistar nas ruas a derrubada do governo e a eleição do e-ex-presidente Lula. Por outro lado, a direita também aumentou o tom, e por meio da imprensa burguesa e a frente ampla, estão realizando uma forte campanha de desmobilização e de estruturação da terceira via no interior do movimento.

Para barrar a ação da burguesia golpista, o único caminho é intensificar a mobilização. A CUT, por isso, como a única central de fato dos trabalhadores brasileiros, precisa tomar a frente e iniciar uma grande campanha de rua. É necessário lançar milhões de panfletos para todo país, iniciar nos centros urbanos como também nas comunidades uma campanha de mobilização, junto à classe trabalhadora. Até o momento isso não foi feito, contudo a mobilização dos trabalhadores representará o ponto de virada das manifestações.

Assim, os sindicatos precisam colocar seus sindicalistas nas portas de fábrica, conversando com os trabalhadores, convocando plenárias abertas nos locais de trabalho, nos bairros e realizando uma forte campanha de agitação política em torno das principais revindicações da população brasileira. Dessa maneira, os trabalhadores terão a chance de participar ativamente do movimento.

É preciso ficar claro que se a CUT verdadeiramente se mobilizar, o regime golpista pode vir abaixo. A explosão social e a indignação por parte dos trabalhadores é enorme, nem mesmo as pesquisas realizadas pela imprensa burguesa são capazes de disfarçar a enorme impopularidade de Bolsonaro, ao mesmo tempo que Lula, a figura mais atacada pelo golpe de estado e vista como candidato dos trabalhadores, cresce a cada semana. Além disso, o desemprego, a fome e a miséria crescem a níveis inéditos no século, sem falar do grande genocídio realizado pelo governo, que matou mais de meio milhão de pessoas com a pandemia. Para os trabalhadores, a expectativa é de um chamado de sua principal organização, a CUT.

Dessa forma, com a CUT intensificando sua mobilização, nada poderá conter as manifestações. É preciso também destacar a importância de um chamado à greve geral. Acompanhando a mobilização dos servidores neste dia 18, uma greve geral por tempo indeterminado será fundamental para impulsionar o movimento. Com os trabalhadores em movimento, não apenas as manifestações crescerão, como também a frente ampla será barrada nas ruas, e a política de infiltração da burguesia será com muito mais facilidade impedida de ocorrer caso nas manifestações haja uma sólida base operária.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.