Menu da Rede

Membro da Direção Nacional do PCO. Secretário de Agitação e Propaganda do Partido. Formado em Ciências Sociais.

Mais de um ano de pandemia

São todos genocidas

Os governos não fizeram absolutamente nada para resolver o problema e assistem o povo morrendo aos milhares

No próximo dia 26 de abril, fará exatamente um ano e dois meses que o primeiro caso de contaminação de Coronavírus foi identificado no Brasil, em um cidadão que havia viajado para a Itália. No dia 17 de março de 2020 foi registrada a primeira morte por COVID-19 no País, ou seja, quase um ano e um mês atrás. Isso sem contar, obviamente, que o o contágio já havia começado na China, ainda no final de 2019, e naquele momento já era responsável por centenas de mortes na Europa.

Naquele momento, as primeiras notícias geraram certa histeria no povo. Histeria, como sempre impulsionada pela imprensa burguesa. Iniciou-se, a partir das primeiras mortes, muita propaganda de tipo demagógica: “isolamento social”, “fique em casa”, “use máscara”, “respeite a vida” e coisas do tipo que tinham duas funções: a primeira, fingir que a burguesia se importava com a contaminação do povo e que estava fazendo alguma coisa contra a pandemia; segundo, tocar os corações histéricos e piegas da classe média para que ela servisse como correia de transmissão dessa propaganda.

Artigos Relacionados

Ao mesmo tempo em que a imprensa golpista oficial e parte dos governos ligados à direita tradicional, como é o caso de João Doria (PSDB), faziam essa propaganda, o governo federal, principalmente o próprio Jair Bolsonaro, usava outra tática. Procurou o tempo todo debochar da doença, negando seu real perigo. As palavras igualmente histéricas de Bolsonaro tinham um sentido parecido, mas visavam a atingir outro setor da população, que estava – e está – mais preocupado na falência do seu estabelecimento do que com o contágio do vírus.

Ambos os setores da direita, portanto, estavam fazendo propaganda. O primeiro para convencer de que algo estava sendo feito para combater a pandemia, o segundo de que estava preocupado com a “economia”. No final das contas, ambos os setores golpistas não fizeram absolutamente nada nem para a pandemia nem para a economia.

E como vimos no início do artigo, os governos tiveram mais de um ano para fazer alguma coisa. Não fizeram nada. A única coisa que continuaram fazendo é propaganda, que agora já convence menos pessoas. É bom dizer também que parte dessa propaganda serve para colocar a culpa da transmissão no povo, esse é o significado por trás do fique em casa e agora do tal do lockdown. Vale dizer que o povo, que não perdeu o emprego, continua a trabalhar normalmente durante todo esse período e o lockdown continua, portanto, ser mais propaganda do que uma medida efetiva.

E de fato não há medida efetiva dos governos. Alguém será ingênuo o suficiente para crer que depois de mais um ano não teriam tempo para construir mais hospitais, mais leitos de UTI e enfermarias, adquirir mais e melhores equipamentos como respiradores, organizar um mutirão de testes massivos em toda a população?

Esse mais de um ano de pandemia e quase 360 mil mortes pelo Coronavírus ensinou uma dura lição. Os capitalistas, todos esses que deram o golpe de Estado de 2016, têm uma política consciente de matança da população. Se essa política não fosse consciente, teriam ao menos tomado medidas simples para conter o vírus, sim, porque preparar mais leitos de UTI para receber doente é uma medida simples.

Mas vejamos uma medida ainda mais simples que poderia ter sido tomada. É muito óbvio que uma testagem em massa da população seria uma arma muito importante contra a propagação da doença. Quando falávamos isso no início da pandemia, os governos se escondiam atrás da mentira de que não havia testes o suficiente e que portanto não era possível levar adiante uma política de testagem em massa. Mas e agora?

Agora há testes em farmácias e laboratórios, qualquer um a qualquer hora pode fazer o teste e o resultado sai na hora. Qualquer um a qualquer hora desde que tenha em média um pouco mais de cem reais para pagar o teste.

E aí estamos claramente diante da política consciente de genocídio da população. Uma medida simples e barata, porém bastante eficiente, como a testagem em massa não é feita porque os governos estão deixando as grandes redes de farmácia e os laboratórios particulares encherem os tubos de grana com a venda de testes. E para quem já teve a oportunidade de fazer um, sabe que aquilo deveria custar muito barato, 10 reais talvez? Trata-se de um cotonete e uma plaquinha de plástico com um reagente.

Em muitas cidades é comum a secretaria de saúde ou algum outro órgão montarem uma barraquinha no centro da cidade e em algum bairro de periferia para realização de testes como o de diabetes e outros gratuitamente. Por que não fazem e não fizeram isso com os testes de Coronavírus, ou melhor ainda, por que não passaram de casa em casa testando a população para que se fizesse um isolamento social mais eficiente? A resposta é simples. Os governos genocidas não querem gastar um real a mais com o povo e ao mesmo tempo estão dando o dinheiro para os capitalistas da saúde.

Para finalizar a história macabra, há a vacinação que não avança no País. E mais uma vez, os brasileiros foram obrigados a ouvir muita propaganda e pouca ação.

Esses genocidas tiveram mais de um ano para fazer alguma coisa e não fizeram nada. Estão assistindo ao povo morrer como moscas por uma doença que não é tão agressiva assim, bastaria uma ação enérgica dos governos para frear o número de infectados e mortes. Os primeiros 12 dias de abril já ultrapassaram o número de mortes de todo o mês de julho, o de maior número de mortos em 2020. Mas eles continuam assistindo as cifras aumentarem e não fazem nada a não ser propaganda e uma propaganda canalha que coloca a culpa de tudo o que está acontecendo na vítima, que é o povo.

A verdadeira “ciência” que pode resolver a catástrofe da pandemia – e da miséria – no País é colocar para fora todos esses golpistas, Bolsonaro, Doria e cia.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.