Menu da Rede

Antônio Carlos Silva

Militante do Partido da Causa Operária (PCO) desde as suas origens. Membro do Comitê Central do Partido, secretário Sindical e coordenador da Corrente Nacional Sindical Causa Operária.

Professor do Ensino Público do Estado de São Paulo, atua na oposição da Apeoesp.

Foi candidato a diversos cargos pelo PCO em eleições regionais e nacionais, levando a propaganda revolucionária às grandes massas.

Participa do conselho editorial do Jornal Causa Operária, do qual é colunista.

Apresenta os programas Resumo do Dia e Resumo da Semana, na Causa Operária TV. Também é âncora do programa Comando de Greve.

Membro da Direção Nacional do PCO, Secretário Sindical do partido. Professor.

Em SP, no Anhangabaú

Dia 7/9, tomar as ruas contra a ditadura de Bolsonaro e Doria

A tarefa, agora, é impulsionar a mobilização, contra as duas alas da direita golpista. Fascistas, inimigos do povo e defensores do interesses do imperialismo

Na última semana, o governador paulista, João Doria (PSDB), anunciou – sem qualquer  amparo legal – que iria proibir a realização de protestos da esquerda no dia 7 de setembro.

Isso, depois de entregar a Avenida Paulista para os bolsonaristas realizarem manifestação em favor do golpe militar, deixando claro que o principal inimigo do tucano é o povo trabalhador organizado e que luta contra o regime de escravidão que o PSDB e toda a direita, unida a Bolsonaro, impõem ao povo brasileiro, de forma ainda mais acentuada, desde que armaram e realizarmo-nos o golpe de Estado de 2016, com a derrubada da President Dilma Rousseff.

Artigos Relacionados

O governador – que se elegeu em “dobradinha” com o candidato da fraude, Jair Bolsonaro, como “BolsoDoria” – quer impor que a esquerda, as organizações dos trabalhadores, da juventude, nos negros, das mulheres, enfim dos mais diversos setores explorados, não possam se manifestar no dia 7 de setembro em nenhum lugar do Estado de São Paulo.

Dessa forma, que “limpar as ruas” para que Bolsonaro e toda a onda de reacionário que o apóia, possa desfilar livremente.

Doria  – o farsante – e seu PSDB, que finge fazer oposição Bolsonaro, mas votam unidos tudo que seja contra o povo trabalhador, gostaria, inclusive, de decidir que dia os verdadeiros opositores do golpe de Bolsonaro podem sair às ruas. Assim, anunciou uma data que já foi “reservada” pelos seus amigos do ultra reacionário MBL (Movimento Brasil Livre), que apoiou Doria e Bolsonaro nas eleições de 2018, como estando reservada para “protestar” contra Bolsonaro, mas a favor de suas medidas de ataque aos trabalhadores, como as “reformas” e privatizações.

A decisão evidencia que longe de ser um obstáculo à ditadura que Bolsonaro e seus milicos querem impor – como querem fazer crer certos setores da esquerda pequeno burguesa – Doria e sua frente ampla apenas disputam o comando da ditadura, mas comungam da mesma política, como já ficou demonstrado à exaustão em outros episódios e acontecimentos decisivos em que essa direita tradicional se juntou a Bolsonaro para derrotar os trabalhadores.

O episódio confirma o acerto da luta contra a política de frente ampla e pela derrota da tentativa desses setores se infiltrarem nos atos da esquerda, para – de fato – apoiarem Bolsonaro.

Fica claro também o caráter covarde e reacionário da política de setores da esquerda, como o deputado Marcelo Freixo, ex-estrela do PSOL e hoje no PSB, que defendeu que a esquerda não saia às ruas no dia 7 de setembro, mostrando a sua “coragem de ser covarde”, tão ao gosto de Doria e da “terceira via” que, de fato, defendem juntos.

Está 100% comprovado que a chamada terceira via não serve absolutamente de nada quando se trata de defender os direitos democráticos do povo e seus interesses contra os golpistas, e que partidos e políticos da direita tradicional, como o PSDB e seus aliados, não defendem democracia nenhuma. São, acima de tudo, defensores do regime golpista – que edificaram -, que capitulam sistematicamente diante de Bolsonaro e atuam em sintonia com ele quando se trata de atacar o povo, os interesses nacionais e defender os interesses do grande capital “nacional” e imperialista.

Acertadamente, depois de reunião em que participamos, o Movimento Fora Bolsonaro decidiu que o ato seria no Anhangabaú, independentemente da vontade do governo, no dia 25, e no dia 26, representantes do movimento anunciaram em entrevista coletiva , na sede do Sindicato dos Bancários de São Paulo, a decisão adotada e que essa não seria revista, uma que o governo, que não tem autoridade para vetar manifestação nenhuma, o que inclusive contraria a própria Constituição Federal.

A tarefa, agora, é impulsionar a mobilização, contra a ditadura de Bolsonaro e de João Doria. Ambos representam dois lados da mesma moeda. Fascistas, inimigos do povo e defensores da ditadura. 

A situação comprova, uma vez mais, o quanto a esquerda precisa se desvincular da direita disfarçada de “centro” político, do principal setor da burguesia, e ir no sentido contrário do que vêm fazendo grupos como PCdoB e PSOL, que defendem a frente ampla com essa direita golpista. A aliança com a burguesia apenas fortalece Bolsonaro e torna toda esquerda um alvo fácil para os golpistas.

Isso é ainda mais necessário quando, os setores da burguesia ligados a Doria tentam um golpe em 2022 para derrotar Lula e Bolsonaro, esmagando a esquerda e colocando o principal setor da burguesia golpista no governo.

A mobilização precisa ser tanto contra Bolsonaro quanto contra Doria. A esquerda precisa sair às ruas agora, mobilizar e garantir que a briga não seja entre PSDB e Bolsonaro, mas entre Lula, de um lado, e Bolsonaro, Doria e todos os golpistas, de outro; isto é, entre os trabalhadores e o regime golpista de conjunto.

Esta é a função principal dos atos do dia 7 de setembro, que a “terceira via” quer evitar.

É preciso arregaçar as mangas e passar à  uma ampla convocação dos trabalhadores e da juventude, nos locais de trabalho, estudo e moradia, principalmente, nos bairros operários e locais de grande concentração.

Realizar uma intensa atividade com milhões de panfletos, dezenas de milhares de cartazes, carros de som  e tudo mais que for preciso para lotar o Anhangabaú. Da mesma forma, é preciso realizar essa agitação em todas as capitais e realizar andes atos que evidencia a disposição de luta dos setores mais organizados da classe trabalhadora e de todos os explorados, nas ruas, única forma de derrotar a terceira etapa do golpe que eles querem impor.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.