Doutrina de choque
Mostrando o caráter global da investida do imperialismo contra a classe operária de conjunto, o governo indiano praticamente destrói os direitos de trabalhadores
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
modi-bolsonaro
Modi, primeiro-ministro indiano, e seu amigo Bolsonaro. Foto: Alan Santos/PR |

Nessa semana o governo da Índia, encabeçado pelo primeiro-ministro de extrema-direita Narendra Modi, impôs um duro ataque à população do país asiático. Destruiu quase todos os poucos direitos trabalhistas da população indiana sob o pretexto, sempre o mesmo, de “alavancar a economia”.  

O governo aproveitou-se da miséria do povo, que perde os seus empregos massivamente durante a crise do coronavírus, e o recrudescimento do regime político sob o pretexto do “isolamento social”, para fazer algo muito semelhante ao que houve no Brasil após o golpe de Estado de 2016. Que é nada menos que colocar em marcha uma destruição das condições de vida da população. 

Principalmente destruindo a base de toda condição de vida do povo, que é bombardear seus direitos fundamentais. Na índia, Modi deixou apenas quatro das cláusulas trabalhistas, sendo duas delas a obrigação da classe patronal de depositar o salário dos trabalhadores e “proibindo a escravidão”. 

A primeira se fosse rasgada seria uma convulsão generalizada, mas a segunda chama a atenção. Se um trabalhador, trabalha por salário irrisório, sob a exaustão da fome e de doenças múltiplas, subnutrido… como não taxar esse cidadão de um verdadeiro escravo que ganha uma esmola para não morrer de fome, de vez? Essa clausula de “proibir escravidão” não é um direito, com esse ataque, ela é um restolho de uma lei que é mais peça de propaganda que qualquer outra coisa. 

O que se pode tirar de lição desse caso da Índia é de que não é uma estratégia apenas que serviu ao Brasil. O jugo neoliberal é internacional, a opressão desmedida de jogar todo o peso da crise econômica, em bancarrota total com a pandemia, nos ombros dos trabalhadores atinge todo globo terrestre. O ataque do imperialismo, que usa de governos capachos como o de Modi na Índia e o de Bolsonaro no Brasil, é em direção a toda classe operária mundial. 

É necessário uma reação da classe operária mundial para combater a pandemia e a crise capitalista, contra a investida imperialista, em todos os países. 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas