Reconhecimento facial bloqueia 331 mil bilhetes únicos no transporte público de SP de forma invasiva

Bus_stop_in_São_Paulo

Sorria, você está sendo espionado. Como se não bastassem as câmeras nas ruas, nos comércios e nas fábricas, espalhadas por toda a cidade, os ônibus da cidade de São Paulo também estão filmando cada passageiro que passa pela catraca. O pretexto é impedir “fraudes”, obrigando cada passageiro a utilizar aopenas seu bilhete único pessoal. Em menos de dois anos, já foram bloqueados 331.641 bilhetes únicos. Um número que dá a dimensão da espionagem diárias contra toda a população.

Essa invasão generalizada da privacidade dos paulistanos é justificada pelo lucro de empresas privadas. Esse é mais um exemplo de como esses serviços deveriam ser controlados pelos trabalhadores, e não por capitalistas privados. Enquanto os capitalistas só buscam preservar e ampliar seus lucros em detrimento do interesse de milhões de pessoas, os trabalhadores levariam em conta, ao contrário, justamente os interesses de quem utiliza o serviço.

Diante disso, o serviço de transporte precisa ser controlado pelos próprios rodoviários. Que certamente não estão interessados em espionar a cidade inteira e em fornecer esses dados para algum capitalista que ninguém sequer sabe quem é.