Carta de um Leitor
Leitor do Diário, revoltado com a Frente Ampla comenta o cenário da política eleitoral de Guilhereme Boulos
midia-ninja-guilherme-boulos
De acordos com FHC e até com PM Boulos não discorda. Tem repulsa de bandeiras vermelhas no entanto. | Foto: Reprodução.

O PSOL não tem militância, a direita não tem militância e querem criar problema com quem tem militância. Eles não podem falar que o PCO está pagando por uma militância, muito menos usando de jornalão pra chamar pras ruas…
Quando eu falo de militância, estou falando das pessoas que estão se unindo ao PCO pelo FORA BOLSONARO desde antes das eleições, pelo princípio de luta contra o fascismo. É gente que está cansada de demagogia, de ciranda e passeata cooper.
Daí quando as torcidas mostram que querem expulsar os fascistas das ruas e os antifascistas começam a se reunir, vem gente dizer que não pode se vestir assim, não pode andar por ali, remarcando manifestações pra bem longe, longe de onde tem movimento e bem longe dos fascistas pra “evitar confrontos”, de novo, virou ciranda e passeata cooper.
Se for para vestir de azul e amarelo em dias alternados com o pessoal que veste verde e amarelo. É melhor fazer nota de repúdio e janelaço, que assim ninguém corre risco de pegar corona nem de sair na Globonews como se estivesse em passeata bolsonarista.

Assim afastaram os antifascistas, afastaram as torcidas, e estão impedindo que se forme uma militância legítima de esquerda, formada por trabalhadores, pois o torcedor é trabalhador.

A estratégia é sempre a mesma, reunir em um lugar ermo, tirar fotos, e esperar que saia na Folha e Globonews. E mesmo com os tais “acordos” com a polícia, sempre sobra cacetete e bomba.
Assim desmobilizam a militância, mas caem no erro de que hoje tudo é gravado e divulgado, e que qualquer provocação contra o PCO vai ser denunciada a exaustão por nós que já estamos de saco cheio dessa história de que “o povo não se mobiliza”.
Já se passaram 4 anos desde golpe, já nos sujeitamos a tudo, sofremos com o arrocho salarial, assédio no trabalho, precarização, salários atrasados, desemprego, o estresse na tampa, e quando finalmente começamos a nos mobilizar, aparece uma turma vestida de azul e amarelo falando de apartidarismo em 2020? Sob Bolsonaro? Haja paciência! Desviar manifestações para um lugar ermo, ameaçar quem usa vermelho…
Dando entrevista em Folha e O Globo…
A esquerda só saí nos jornalões quando está sendo indiciada, massacrada ou é Tábata.
É a receita de bo(u)los
1-Ser eleito liderança por matérias da Folha e o Globo, que se sobrepõe em alcance a qualquer comunicado de torcida, antifa, sindicato ou partido nas redes.
2-Fazer reuniões em que ninguém é convidado e impor regras que mudam ao gosto do freguês
3-Ameaçar a esquerda por usar vermelho e bandeira com foice e martelo
4-Tirar fotos no meio da patota de azul e amarelo, em rodízio semanal com a patota do verde e amarelo
5- Daí é só Esperar o período eleitoral e se lançar como candidato do PSOL com fotos em manifestações sem uma bandeira de outro partido, sindicato, movimento com todo mundo de azul e amarelo. O dono do milharal artificialmente colorido de verde e amarelo.

Já tem até o Felipe Neto cagando essas mesmas regras pra esquerda, daqui a pouco vem o Cristovam Buarque saudar a brilhante iniciativa de resgatar o verde e amarelo…

De resto, é contar com a sorte para que a cagada de 2013 se repita e quando o tiro sair pela culatra, a insatisfação seja de alguma forma redirecionada pela mesma Folha e O Globo ao PT ou ao PCO. Dessa vez parece esse plano mirabolante não vai funcionar.
Em 2013 o PSOL agiu da mesma forma, estão criando uma tradição de desmobilizar a esquerda. Ficaram nessa história de apartidário e de baixar bandeiras, perderam o controle e os 20 centavos viraram padrão FIFA. Daí foi só acusar o PT de estar “desconectado” do povo, a mesma teoria repetida ou criada (?) Por Miriam Leitão e Merval em 2013.
Em seguida em 2014 vimos Boulos liderando o não vai ter Copa e de novo, com grande atenção da Globo e Folha. Lava e repete, em 2015, indo pra rua no mesmo sistema de rodízio com o MBL que então pedia impeachment, e ele Boulos, para derrotar “o pacote da Dilma e do PSDB”, uma candura criminosa num momento crítico em que já estava escancarado o golpe por meio do impeachment.

Fui ler a nota do novo adepto dessa receita no DCM, onde literalmente é dito por Danilo Pássaro:
“para unificar as manifestações, tem que baixar as bandeiras.”
Diz que isso foi decidido numa reunião com Coordenadores de correntes do PSOL, presidente da municipal do PT, representante da UP, do PCB, Povo sem Medo, CMP, PCO, movimento de palmeirenses.
Oras, se formos aceitar esse áudio e o que foi decidido nessa reunião, de agora em diante está decidido, é pra bater em quem for de vermelho e levar bandeira em dia de manifestação. Vejam que os caras fazem uma “reunião” que ninguém sabe o local horário, nem quem vai comparecer. O PCO afirma que não concordou porque não compareceu à reunião e não compareceu à reunião porque não foi convidado!

Hoje vimos a greve dos entregadores, sem sindicato, sem partidos, sem reunião pra decidir que cor pode ou não pode, e o PCO estava lá no meio deles, de vermelho, sem ninguém reclamar, estavam lá também sindicatos e movimentos populares, e nenhum trabalhador teve a “iniciativa” de ir denunciar para a polícia, nem mandou áudio, nem foi de noite ameaçar ninguém.

A nossa situação é crítica, ninguém tem estabilidade no emprego, nem garantia de receber salário no final do mês, em lugar algum tem vaga em UTI e todos somos obrigados a trabalhar expostos ao vírus. Enfim, se essa mesmo situação insuportável que nos obriga arriscar nossas vida nas ruas pelo FORA BOLSONARO, é convertida em apenas mais uma oportunidade para implementar uma cartilha do que vestir, do que falar, dos limites de como agir imposta com orientação da Folha da polícia e um grupelho que não vai na manifestação. Só nos resta saudar a iniciativa militância do PCO que é a ÚNICA esquerda do país impõe limites a essa palhaçada oportunista da frente ampla. Já perdemos a paciência há muito tempo com essas artimanhas, manobras e cambalachos, e vez e mais vez, o PCO é o único partido a não arredar o pé, a não ceder, a se manter irredutível nessa marcha pelo FORA BOLSONARO.

Relacionadas