Belarus e Líbano
Dirigente da Resistência ( PSOL) classifica os protestos organizados pelo imperialismo como sendo ” insurreições populares”
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
libano
"Rebelião" no Líbano | Imagem: reprodução

Em todo mundo, a política fundamental do imperialismo é o estabelecimento de governos que sejam alinhados. A crise econômica mundial intensificada em 2008 com o colapso do Subprimes nos Estados Unidos e com a dívida soberana na Europa em seguida, provocaram o desenvolvimento de vários golpes de Estado em diversos país do mundo, com parte da tentativa de controle dos governos.

Assim, manifestações de ruas e protestos “ populares” são forjados como instrumentos para queda de governos não vinculados diretamente aos interesses imperialistas. A tônica é aproveitar cada crise política, para provocar desestabilização para derrubar governos hostis, dessa forma, resultados de eleições são manipulados ou contestados como na Bolívia e mais recentemente na Bielorússia, e eventos como a explosão no porto de beirute são provocadas ou instrumentalizadas para retirar governos.

Os morentistas adotaram como política recorrente apoiar as “ revoluções coloridas” pelo mundo a fora, fazendo frente na prática com imperialismo. Essa política levou os diferentes grupos morenistas a apoiar a derrubada da Irmandade Mulçumana no Egito e da ex-presidenta Dilma Rousseff no Brasil.

Em artigo publicado no site Brasil 247, Valério Arcary , egresso do PSTU e dirigente da corrente Resistência no PSOL segue essa linha política de tomar como “ insurreições” as ações orquestradas pelo imperialismo.

 

“Mas agora, depois da explosão em Beirute, foi no Líbano, e o governo renunciou. Esta semana, também, na Bielorússia, a Rússia Branca, na sequência das eleições presidenciais. Estamos, de novo, diante das “esquinas perigosas” da história. Levantes da juventude, rebeliões populares, explosões acéfalas, insurreições. Injustiça e tirania continuam sendo o fermento das condições objetivas da abertura de situações revolucionárias.”

 

Ou seja, ele diz que são rebeliões populares o que está ocorrendo no Líbano e em Belarus. Em nenhum ponto do artigo Arcary aponta que nos diversos acontecimentos mundiais, o acirramento da luta de classes, tem tido como resultado a derrubada de regimes pelas forças políticas ligadas ou fomentadas diretamente pelo imperialismo e não pela classe operária. Nesses dois países em específico, Bielorrússia e no Líbano, as ações de ruas orquestradas pelo imperialismo são apresentadas indevidamente como sendo insurreições, mas na verdade trata-se de coxinhatos da direita manipulados pelo imperialismo para derrubar os governos nacionalistas, assim como ocorreu na Bolívia, na Ucrânia e no Egito, por exemplo.

Acreditar como faz Arcary que os protestos na Bielorússia são “ espontâneos” e que os interesses geopolíticos do imperialismo na região não são o fato decisivo, não é simplesmente ingenuidade, mas trata-se de um erro colossal, que coloca mais uma vez um grupo morenista, ainda que “ renovado” a reboque do imperialismo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas