Frente Ampla e o Coronavírus
O governador “progressista” do Maranhão, candidato presidencial de setores da esquerda, adota a mesma política dos governadores direitistas na questão do enfrentamento à pandemia
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
d84dd8b5-c85c-48d7-b969-5a0745b794f1
"Foto - Reprodução" - Flávio Dino, copiando a política burguesa e repressiva da direita |

A luta e o enfrentamento à pandemia do coronavírus no país vem revelando situações muito curiosas, e também esclarecedoras, na medida em que deixa em evidência e relevo o caráter político e ideológico das forças políticas nacionais, particularmente da esquerda e seus representantes nas diversas instâncias de poder.

O caso em questão aqui diz respeito a um dos nomes de maior destaque no terreno da intitulada “esquerda progressista”. Trata-se do governador maranhense Flávio Dino, que vem sendo apontado como um dos nomes que encabeçaria uma suposta chapa do campo da “esquerda” para a disputa das eleições presidenciais de 2022, em oposição às candidaturas de extrema-direita e mesmo da direita “civilizada”.

Flávio Dino (PCdoB) seria, portanto, o candidato da tal “Frente Ampla”, ajuntamento de partidos da esquerda pequeno-burguesa, centrista, parlamentar e institucional, associados a elementos oportunistas, fisiológicos e abertamente burgueses, como Ciro Gomes, FHC, Rodrigo Maia e outros de menor brilho, mas igualmente inimigos dos trabalhadores.

O governador maranhense vem sendo exaltado como um dos gestores estaduais de melhor desempenho no enfrentamento à epidemia da Covid-19, adotando, em um dos Estados mais pobres e miseráveis do país, uma política sanitária hipoteticamente eficaz, em benefício da população.

De imediato, é necessário colocar em dúvida essa suposta eficácia no enfrentamento à pandemia, pois o Estado governado por Dino apresenta números nada confortáveis no que diz respeito às estatísticas tanto de infectados (15.144) como de óbitos (634). Trata-se, evidentemente, de números oficiais, que não consideram a enorme subnotificação – verificada em todo o território nacional – de casos e óbitos, visto que não há testes, diagnósticos e outros meios de verificação do estádio atual da epidemia no país.

O Estado do Maranhão está entre as unidades da federação que decretou o chamado lockdown, como recurso para, supostamente, aumentar o isolamento social e, dessa forma, conter a disseminação do vírus. Trata-se da mesma política teatral e de encenação de outros governadores (Dória/SP e Witzel/RJ), que, a pretexto de combater o vírus, atacam a população, privando-a de direitos, fazendo uso de ameaças e repressão; por outro lado, agradam os capitalistas e a classe média, flexibilizando as medidas de isolamento (que, na prática, não existe para a população trabalhadora), com  a reabertura do comércio, das fábricas e demais serviços, o  que obriga a população pobre e explorada a se expor à contaminação, pressionada pelos patrões a irem trabalhar.

Qual a diferença entre essa política e aquilo que vem sendo adotado pela direita e pela extrema-direita? A rigor, não há nenhuma diferença. Ou elas se manifestam apenas no plano superficial? Pois, em essência, são as mesmas, com os mesmos efeitos perversos para os trabalhadores e a população explorada. Dessa forma, o que a “Frente Ampla” tem a oferecer? O que propõe a “Frente Ampla”, integrada por “progressistas”? Ao não se diferenciar, em seus aspectos essenciais, da política reacionária e repressiva da direita e extrema-direita, o candidato dos “progressistas” se iguala a elas, não se apresentando nem mesmo como uma alternativa da “esquerda burguesa” às eleições presidenciais.

Nesse sentido, o decreto do governador Flávio Dino é uma cópia fiel do que vem sendo adotado pelos governadores direitistas, repressores, que usam e abusam da ameaça, da violência e da intimidação contra a população pobre e indefesa, para supostamente apresentarem resultados (falsos e totalmente ineficazes) no combate à epidemia da Covid-19. Aqui, fica exposta toda a miséria da “Frente Ampla”, que não consegue ser nada mais do que uma pálida caricatura da face quixotesca e patética da direita e da extrema-direita nacional, amplamente repudiadas pelas massas populares.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas