Reabertura das escolas
Volta às aulas em São Paulo explicita o impasse sobre a reabertura da escolas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
rossiele
Rossieli Soares, secretário de Educação, acompanha retorno às aulas | Wilian Oliveira/Futura Press/Estadão Conteúdo

Diante da pressão dos capitalistas e, principalmente, dos banqueiros, a volta às aulas vêm se tornando realidade em todo o Brasil. Já foram autorizadas, em diversas escalas, o retorno às atividades presenciais em cidades como Manaus e São Luís, que foram pioneiras e, mais recentemente, Rio de Janeiro e São Paulo, duas das principais capitais econômicas do País.

No estado de São Paulo, 200 mil alunos retornaram às escolas estaduais na última quarta-feira (7), o equivalente a 5,71% do total de matriculados. Dentre as municipais, apenas uma das mais de 4 mil escolas decidiu retomar as aulas. As demais, devem decidir até esta sexta-feira (9). Há aqui uma verdadeira discrepância nos números entre escolas municipais e estaduais, explicitando o impasse a respeito da volta às aulas presencialmente.

O Secretário de Educação do Estado de São Paulo, Rossieli Soares, declarou estar “muito satisfeito” com a volta às aulas e defende que isso seria positivo para a saúde mental das crianças, se apoiando nas posições da Organização Mundial de Saúde. A posição dos funcionários da direita e de órgãos do imperialismo evidenciam que se trata de uma campanha mundial para promover esse verdadeiro genocídio a população.

Dado que o próprio sistema capitalista como um todo não tem como conter a crise da pandemia do coronavírus, só resta para a burguesia, inclusive a dos países desenvolvidos, salvar os bancos. E para isso, a única via possível é direcionar a crise econômica para os trabalhadores. Em dado recente, a OCDE prevê que o fechamento das escolas pode afetar até 1,5% no PIB mundial.

Há uma disputa política sendo travada no que diz respeito ao retorno das aulas. Os movimentos estudantis e os demais trabalhadores devem se mobilizar para combater diretamente a volta às aulas e enfrentar a direita que quer promover um massacre da população, diante da pandemia e do risco que o ambiente escolar representa.

Com a materialização da volta às aulas e com escolas efetivamente funcionando, deve-se propor todo tipo de piquete para impedir a reabertura. Os sindicatos de professores e as demais organizações tentam travar uma disputa no judiciário golpista para tentar impedir a volta às aulas. O mesmo judiciário que ataca a população todo o dia, que participou ativamente do golpe de estado 2016 e que prendeu Lula, abrindo caminho para a eleição fraudulenta de Bolsonaro.

A juventude, junto dos trabalhadores devem se apoiar na mobilização para derrotar a ofensiva da direita. A confiança nas instituições e em medidas jurídicas mostra a total desorientação da esquerda diante da situação política que estamos vivenciando. Diante de um golpe de estado e do fechamento do regime, só o povo na rua, promovendo greves em todo o País, pode impedir a volta às aulas e pavimentar um caminho para a derrubada do governo golpista de Jair Bolsonaro.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas